MENU KIDS DE REDES DE FAST-FOOD

O VALOR ENERGÉTICO E OS MACRONUTRIENTES SÃO ADEQUADOS ÀS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DE CRIANÇAS DE 4 A 8 ANOS?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i59.4364

Palavras-chave:

Fast-food, Nutrição da Criança, Saúde Pública

Resumo

Nas últimas décadas, o estilo de vida e a alimentação infantil têm sofrido diversas mudanças, com consequente aumento do sobrepeso, obesidade e o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis. Este quadro, em parte, está associado ao aumento da alimentação fora do domicílio. Diante desse cenário, esse estudo teve o objetivo de avaliar a oferta de macronutrientes nos cardápios de Menu Kids de três redes de fast-food, comparando-os com as necessidades nutricionais para crianças de 4 a 8 anos, com estudo observacional das informações nutricionais disponibilizadas on-line pelas redes estudadas. Os valores foram tabulados no programa Microsoft Excel® e os cardápios comparados com recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria, classificando-os como adequado, deficiente ou excessivo, em relação à oferta para grandes ou pequenas refeições. Quando os cardápios foram comparados às recomendações para pequenas e grandes refeições apresentaram, respectivamente, excesso de 97% e 14% no valor energético, 88% e 0% de carboidratos, 100% e 0% de proteínas e 89% e 22% em gorduras totais. Por mais que esses resultados pudessem sugerir que o consumo desses alimentos fossem mais adequados nas grandes refeições, isso não ocorre, pois ocupam o lugar de alimentos in natura e minimamente processados que são mais ricos em micronutrientes. Assim, identifica-se a necessidade de mobilização de diferentes áreas da sociedade para melhoria da composição dos alimentos e dos fatores que influenciam no consumo de fast-food.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anny Victória Lacera Auerswald Albino, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Atua principalmente nos seguintes temas: subprodutos agrícolas, sustentabilidade e fibra alimentar.

Andrea Matias, Universidade de São Paulo - USP

Possui graduação em Nutrição pela Universidade de São Paulo (2000), mestrado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2003) e doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é professor assistente da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Tem experiência na área de Ciência de Alimentos e Alimentação coletiva com ênfase no desenvolvimento de produtos e sustentabilidade em unidades produtoras de refeição.

Mônica Spinelli, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduada em nutrição pela Universidade de São Paulo (1973), mestre em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2000) e doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2004), com ênfase em Nutrição. Tem especialização em gastronomia e administração hospitalar. Atualmente é professora adjunta I da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Na docência administra disciplinas ligadas à administração de serviços de alimentação e nutrição e de saúde pública.

Referências

Bezerra, I. N., Moreira, T. M. V., Cavalcante, J. B., Souza, A. M. & Sichieri, R. (2017) Consumo de alimentos fora do lar no Brasil segundo locais de aquisição. Rev Saude Pública, 51(15), 1-8.

Brasil. Lei n. 8.078, de 11 de setembro de 1990. (1990). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8078.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Guia Alimentar para a População Brasileira. Brasília.

Carvalho, C.A., Fonsêca, P.C.A., Priore, S.E., Franceschini, S.C.C. & Novaes, J.F. (2015). Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Rev Paul Pediatr, 33(2), 211-221. http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2015.03.002

Carvalho, E. A. A., Simão, M. T. J., Fonseca, M. C., de Andrade, R. G., Ferreira, M. S. G., Silva, A. F., Souza, I. P. R. & Fernandes, B. S. (2013). Obesidade: aspectos epidemiológicos e prevenção. Rev Med Minas Gerais, 23(1), 74-82. http://10.5935/2238-3182.20130012

Ceccatto, D., Spinelli, R. B., Zanardo V. P. S. & Ribeiro, L. A. (2016). A influência da mídia no consumo alimentar infantil: uma revisão da literatura. Perspectiva, 157(42), 141-149.

Dave, J. M., Lawrence C., Robert W. J. & Jasjit S. A. (2009). Relationship of attitudes toward fast food and frequency of fast-food Intake in adults. Obesity, 17 (6), 1164-1700.

Duarte, C.B.D.; Spinelli, M.G.N. & Matias, A.C.G. (2022). Evaluation of quality of the children’s menu in mall´s restaurants. Rev Paul Pediatr, 40. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2022/40/2020429IN

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2003). Pesquisa de Orçamentos Familiares: Despesas, rendimentos e condições de vida. IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Pesquisa de Orçamentos Familiares: Despesas, rendimentos e condições de vida. IBGE.

Kirkpatrick, S. I., Reedy, J., Kahle L. L., Harris, L. J., Ohri-Vachaspati, P. & Krebs-Smith, S. M. (2013). Fast-food menu offerings vary in dietary quality, but are constantely poor. Rev Public Health Nutrition, 17(4) 924-931.

Lima, J. P. M., Viegas, C., Afonso, C., Tóth, A., Illés, C. B., Bittsánszky, A., Šatalić, C., Filipec, S. V., Fabijanić, V. & Rocha, A. (2020). Children-menus in restaurants of Portuguese, Hungarian and Croatian shopping centres: A qualitative study. Eur J Public Health, 30 (5).

Lopes, W. C., Pinho, L., Caldeira, A.P. & Lessa, A. C. (2020). Consumo de alimentos ultraprocessados por crianças menores de 24 meses de idade e fatores associados. Rev Paul Pediatr., 38. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018277

Lopez, N. V., Folta, S. C., Glenn, M. E., Lynskey, V. M., Patel, A. A., & Anzman-Frasca, S. (2017). Promoting healthier children's meals at quick-service and full-service restaurants: Results from a pilot and feasibility study. Appetite, 117, 91–97.

Loureiro, R. P. (2016). Determinantes de saúde em crianças dos 3 aos 10 anos. [Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Saúde de Viseu. Viseu, Portugal].

Louzada, M. L. C., Martins, A. P. B., Canella, D., S., Balradi, L. G., Levy, R. B., Claro, R. M., Moubarac, J., Cannon, G. & Monteiro, A. (2015). Impact of ultra-processed foods on micronutrient content in the Brazilian diet. Rev. Saúde Pública, 49(45). https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006211

Marques, A. A. G., Luzio, F. C. M., Martins, J. C. A.& Vaquinhas, M. M. C. M. (2011). Hábitos alimentares: validação de uma escala para a população portuguesa. Esc. Anna Nery, 15(2). 402-409. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000200025

Medeiros, C. O. (2014). Intenção de consumo de salada crua em restaurante tipo fast food por estudantes: uma aplicação da teoria do comportamento planejado. [Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia de Alimentos].

Ministério da Saúde. (2021). Obesidade infantil afeta 3,1 milhões de crianças menores de 10 anos no Brasil. https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/obesidade-infantil-afeta-3-1-milhoes-de-criancas-menores-de-10-anos-no-brasil

Núcleo de Estudos e pesquisas em alimentação. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. (2011). Versão 4. Universidade Estadual de Campinas.

PiasetzkI, C.T.R.; Boff, E.T.O.& Battisti, I.D.E. (2020). Influência da Família na Formação dos Hábitos Alimentares e Estilos de Vida na Infância. Rev. Contexto Saúde, 20(41), 13-24. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2020.41.13-24

Philippi, S. T. & Aquino, R. C. (2015). Dietética: princípios para o planejamento de uma alimentação saudável. In Planejamento dietético na infância (pp. 227-278). Manole.

Pinto, D. C., Viegas, C. A. C. L., & Rocha, A. M. C. N. (2021). Quality of kids’ meals in fast-food restaurants: the nutritional content is not enough for an informed choice. Rev Nutr (Online), 34. https://doi.org/10.1590/1678-9865202134e200234

Política Nacional de Alimentação e Nutrição. (2012). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: 2012/2015. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional.

Porto, A. C. V. P, Pires, B. A. B. & Coelho, S. C. (2013). Frequência de consumo de fast food em crianças de uma escola pública e uma escola privada do município de Nova Iguaçu no Rio de Janeiro e sua influência no perfil nutricional. Rev Port Pediatr, 44(6), 301-305.

Queiroz, P. W. V.& Coelho, A. B. (2017). Alimentação fora de Casa: uma Investigação sobre os Determinantes da Decisão de Consumo dos Domicílios Brasileiros. Análise Econômica, 35(67), 67-104.

Reis, H.E., Carvalho, D. F. & Abreu, D. A. (n.d.). Uma perspectiva de Direitos Humanos acerca da hipervulnerabilidade do consumidor criança. Anais do V Seminário Pensar Direitos Humanos. Universidade Federal de Goiás.

São Paulo: Lei nº14.677, de 29 de dezembro de 2011. Obriga as redes de "fast food" a informar aos consumidores o valor nutricional dos alimentos comercializados. Assessoria Técnico-Legislativa. São Paulo, SP.

Serrano, E. L. & Jedda, V. B. (2009). Comparation of Fast-Food and Non-Fast-Food Children’s Items. J Nutr Educ Behav, 41(2), 132-137.

Sichieri, R. & Souza, R. A. (2008). Estratégias para prevenção da obesidade em crianças e adolescentes. Cad. Saúde Pública, 24(2), 209-223.

Silva, N. A., Monteiro, M. C. C., Pinto, M. A. S. (2021). Avaliação da qualidade dos menus infantis em restaurantes comerciais frente à nova classificação dos alimentos do guia alimentar para a população brasileira. Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde, 16, 59748.

Silveira, M. G. G. (2015). Prevenção da obesidade e de doenças do adulto na infância. Vozes.

Simon, P. A., Chiang, C., Lightstone, A.S. & Shih, M. P. (2014). Public opinion on nutrition-related policies to combat child obesity, Los Angeles County 2011. Prev Chronic Dis. 11, E96. https://doi.org/10.5888/pcd11.140005

Sociedade Brasileira de Pediatria. (2012). Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar do adolescente e na escola. SBP. http://www.sbp.com.br/pdfs/14617a-PDManualNutrologia-Alimentacao.pdf

Souza, J. (2017). Publicidade Abusiva Frente às Redes de Fast-Food direcionadas ao público infantil. [Trabalho de conclusão de Curso, Universidade do Sul de Santa Catarina, Bacharel em Direito, Unisul].

Taillie, L. S., Riviera, J. A., Popkin, B. M. & Batis, C. (2017) Do high vs. low purchasers respond differently to a nonessential energy-dense food tax? Two-year evaluation of Mexico's 8% nonessential food tax. Prev Med., 105, 37-42.

Uechi, K. (2018). Nutritional quality of meals offered to children (kids’ meals) at chain restaurants in Japan. Public Health Nutr., 21(17), 310110.

Unicef. (2019). Convenção sobre os Direitos da Criança: Instrumento de direitos humanos mais aceito na história universal. Foi ratificado por 196 países. https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca.

Viegas, C, Lima, J., Afonso, C., Toth, A., Illés, C., Bittsánszky, A., Šatalić, Z., Filipec, S., Fabijanic, V., Durán, S., Torres, J., Spinelli, M., Matias, A., Pinto, A. & Rocha, A. Children’s menus in shopping centre restaurants: a multicentric study. British Food Journal, 124(10), 3169-3182. https://doi-org.ez102.periodicos.capes.gov.br/10.1108/BFJ-05-2021-0504

Zigarti, P.V.R.I.; Barata Jr.,I.S. & Ferreira,J.C.S. (2021) Obesidade infantil: Uma problemática da sociedade atual. Research, Society and Development, 10(6). DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16443

Downloads

Publicado

2022-08-09

Como Citar

Lacera Auerswald Albino, A. V., Matias, A. C. G., & Spinelli, M. G. N. (2022). MENU KIDS DE REDES DE FAST-FOOD: O VALOR ENERGÉTICO E OS MACRONUTRIENTES SÃO ADEQUADOS ÀS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DE CRIANÇAS DE 4 A 8 ANOS?. Revista Univap, 28(59). https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i59.4364

Edição

Seção

Ciências da Saúde