MENU KIDS DE REDES DE FAST-FOOD

O VALOR ENERGÉTICO E OS MACRONUTRIENTES SÃO ADEQUADOS ÀS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DE CRIANÇAS DE 4 A 8 ANOS?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i59.4364

Palavras-chave:

Fast-food, Nutrição da Criança, Saúde Pública

Resumo

Nas últimas décadas, o estilo de vida e a alimentação infantil têm sofrido diversas mudanças, com consequente aumento do sobrepeso, obesidade e o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis. Este quadro, em parte, está associado ao aumento da alimentação fora do domicílio. Diante desse cenário, esse estudo teve o objetivo de avaliar a oferta de macronutrientes nos cardápios de Menu Kids de três redes de fast-food, comparando-os com as necessidades nutricionais para crianças de 4 a 8 anos, com estudo observacional das informações nutricionais disponibilizadas on-line pelas redes estudadas. Os valores foram tabulados no programa Microsoft Excel® e os cardápios comparados com recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria, classificando-os como adequado, deficiente ou excessivo, em relação à oferta para grandes ou pequenas refeições. Quando os cardápios foram comparados às recomendações para pequenas e grandes refeições apresentaram, respectivamente, excesso de 97% e 14% no valor energético, 88% e 0% de carboidratos, 100% e 0% de proteínas e 89% e 22% em gorduras totais. Por mais que esses resultados pudessem sugerir que o consumo desses alimentos fossem mais adequados nas grandes refeições, isso não ocorre, pois ocupam o lugar de alimentos in natura e minimamente processados que são mais ricos em micronutrientes. Assim, identifica-se a necessidade de mobilização de diferentes áreas da sociedade para melhoria da composição dos alimentos e dos fatores que influenciam no consumo de fast-food.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anny Victória Lacera Auerswald Albino, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Atua principalmente nos seguintes temas: subprodutos agrícolas, sustentabilidade e fibra alimentar.

Andrea Carvalheiro Guerra Matias, Universidade de São Paulo - USP

Possui graduação em Nutrição pela Universidade de São Paulo (2000), mestrado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2003) e doutorado em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é professor assistente da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Tem experiência na área de Ciência de Alimentos e Alimentação coletiva com ênfase no desenvolvimento de produtos e sustentabilidade em unidades produtoras de refeição.

Mônica Glória Neumann Spinelli, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduada em nutrição pela Universidade de São Paulo (1973), mestre em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2000) e doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (2004), com ênfase em Nutrição. Tem especialização em gastronomia e administração hospitalar. Atualmente é professora adjunta I da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Na docência administra disciplinas ligadas à administração de serviços de alimentação e nutrição e de saúde pública.

Referências

Bezerra, I. N., Moreira, T. M. V., Cavalcante, J. B., Souza, A. M. & Sichieri, R. (2017) Consumo de alimentos fora do lar no Brasil segundo locais de aquisição. Rev Saude Pública, 51(15), 1-8.

Brasil. Lei n. 8.078, de 11 de setembro de 1990. (1990). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8078.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. (2014). Guia Alimentar para a População Brasileira. Brasília.

Carvalho, C.A., Fonsêca, P.C.A., Priore, S.E., Franceschini, S.C.C. & Novaes, J.F. (2015). Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Rev Paul Pediatr, 33(2), 211-221. http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2015.03.002

Carvalho, E. A. A., Simão, M. T. J., Fonseca, M. C., de Andrade, R. G., Ferreira, M. S. G., Silva, A. F., Souza, I. P. R. & Fernandes, B. S. (2013). Obesidade: aspectos epidemiológicos e prevenção. Rev Med Minas Gerais, 23(1), 74-82. http://10.5935/2238-3182.20130012

Ceccatto, D., Spinelli, R. B., Zanardo V. P. S. & Ribeiro, L. A. (2016). A influência da mídia no consumo alimentar infantil: uma revisão da literatura. Perspectiva, 157(42), 141-149.

Dave, J. M., Lawrence C., Robert W. J. & Jasjit S. A. (2009). Relationship of attitudes toward fast food and frequency of fast-food Intake in adults. Obesity, 17 (6), 1164-1700.

Duarte, C.B.D.; Spinelli, M.G.N. & Matias, A.C.G. (2022). Evaluation of quality of the children’s menu in mall´s restaurants. Rev Paul Pediatr, 40. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2022/40/2020429IN

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2003). Pesquisa de Orçamentos Familiares: Despesas, rendimentos e condições de vida. IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Pesquisa de Orçamentos Familiares: Despesas, rendimentos e condições de vida. IBGE.

Kirkpatrick, S. I., Reedy, J., Kahle L. L., Harris, L. J., Ohri-Vachaspati, P. & Krebs-Smith, S. M. (2013). Fast-food menu offerings vary in dietary quality, but are constantely poor. Rev Public Health Nutrition, 17(4) 924-931.

Lima, J. P. M., Viegas, C., Afonso, C., Tóth, A., Illés, C. B., Bittsánszky, A., Šatalić, C., Filipec, S. V., Fabijanić, V. & Rocha, A. (2020). Children-menus in restaurants of Portuguese, Hungarian and Croatian shopping centres: A qualitative study. Eur J Public Health, 30 (5).

Lopes, W. C., Pinho, L., Caldeira, A.P. & Lessa, A. C. (2020). Consumo de alimentos ultraprocessados por crianças menores de 24 meses de idade e fatores associados. Rev Paul Pediatr., 38. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2020/38/2018277

Lopez, N. V., Folta, S. C., Glenn, M. E., Lynskey, V. M., Patel, A. A., & Anzman-Frasca, S. (2017). Promoting healthier children's meals at quick-service and full-service restaurants: Results from a pilot and feasibility study. Appetite, 117, 91–97.

Loureiro, R. P. (2016). Determinantes de saúde em crianças dos 3 aos 10 anos. [Dissertação de Mestrado, Escola Superior de Saúde de Viseu. Viseu, Portugal].

Louzada, M. L. C., Martins, A. P. B., Canella, D., S., Balradi, L. G., Levy, R. B., Claro, R. M., Moubarac, J., Cannon, G. & Monteiro, A. (2015). Impact of ultra-processed foods on micronutrient content in the Brazilian diet. Rev. Saúde Pública, 49(45). https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006211

Marques, A. A. G., Luzio, F. C. M., Martins, J. C. A.& Vaquinhas, M. M. C. M. (2011). Hábitos alimentares: validação de uma escala para a população portuguesa. Esc. Anna Nery, 15(2). 402-409. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000200025

Medeiros, C. O. (2014). Intenção de consumo de salada crua em restaurante tipo fast food por estudantes: uma aplicação da teoria do comportamento planejado. [Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia de Alimentos].

Ministério da Saúde. (2021). Obesidade infantil afeta 3,1 milhões de crianças menores de 10 anos no Brasil. https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/obesidade-infantil-afeta-3-1-milhoes-de-criancas-menores-de-10-anos-no-brasil

Núcleo de Estudos e pesquisas em alimentação. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. (2011). Versão 4. Universidade Estadual de Campinas.

PiasetzkI, C.T.R.; Boff, E.T.O.& Battisti, I.D.E. (2020). Influência da Família na Formação dos Hábitos Alimentares e Estilos de Vida na Infância. Rev. Contexto Saúde, 20(41), 13-24. https://doi.org/10.21527/2176-7114.2020.41.13-24

Philippi, S. T. & Aquino, R. C. (2015). Dietética: princípios para o planejamento de uma alimentação saudável. In Planejamento dietético na infância (pp. 227-278). Manole.

Pinto, D. C., Viegas, C. A. C. L., & Rocha, A. M. C. N. (2021). Quality of kids’ meals in fast-food restaurants: the nutritional content is not enough for an informed choice. Rev Nutr (Online), 34. https://doi.org/10.1590/1678-9865202134e200234

Política Nacional de Alimentação e Nutrição. (2012). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: 2012/2015. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional.

Porto, A. C. V. P, Pires, B. A. B. & Coelho, S. C. (2013). Frequência de consumo de fast food em crianças de uma escola pública e uma escola privada do município de Nova Iguaçu no Rio de Janeiro e sua influência no perfil nutricional. Rev Port Pediatr, 44(6), 301-305.

Queiroz, P. W. V.& Coelho, A. B. (2017). Alimentação fora de Casa: uma Investigação sobre os Determinantes da Decisão de Consumo dos Domicílios Brasileiros. Análise Econômica, 35(67), 67-104.

Reis, H.E., Carvalho, D. F. & Abreu, D. A. (n.d.). Uma perspectiva de Direitos Humanos acerca da hipervulnerabilidade do consumidor criança. Anais do V Seminário Pensar Direitos Humanos. Universidade Federal de Goiás.

São Paulo: Lei nº14.677, de 29 de dezembro de 2011. Obriga as redes de "fast food" a informar aos consumidores o valor nutricional dos alimentos comercializados. Assessoria Técnico-Legislativa. São Paulo, SP.

Serrano, E. L. & Jedda, V. B. (2009). Comparation of Fast-Food and Non-Fast-Food Children’s Items. J Nutr Educ Behav, 41(2), 132-137.

Sichieri, R. & Souza, R. A. (2008). Estratégias para prevenção da obesidade em crianças e adolescentes. Cad. Saúde Pública, 24(2), 209-223.

Silva, N. A., Monteiro, M. C. C., Pinto, M. A. S. (2021). Avaliação da qualidade dos menus infantis em restaurantes comerciais frente à nova classificação dos alimentos do guia alimentar para a população brasileira. Demetra: Alimentação, Nutrição e Saúde, 16, 59748.

Silveira, M. G. G. (2015). Prevenção da obesidade e de doenças do adulto na infância. Vozes.

Simon, P. A., Chiang, C., Lightstone, A.S. & Shih, M. P. (2014). Public opinion on nutrition-related policies to combat child obesity, Los Angeles County 2011. Prev Chronic Dis. 11, E96. https://doi.org/10.5888/pcd11.140005

Sociedade Brasileira de Pediatria. (2012). Manual de orientação para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar do adolescente e na escola. SBP. http://www.sbp.com.br/pdfs/14617a-PDManualNutrologia-Alimentacao.pdf

Souza, J. (2017). Publicidade Abusiva Frente às Redes de Fast-Food direcionadas ao público infantil. [Trabalho de conclusão de Curso, Universidade do Sul de Santa Catarina, Bacharel em Direito, Unisul].

Taillie, L. S., Riviera, J. A., Popkin, B. M. & Batis, C. (2017) Do high vs. low purchasers respond differently to a nonessential energy-dense food tax? Two-year evaluation of Mexico's 8% nonessential food tax. Prev Med., 105, 37-42.

Uechi, K. (2018). Nutritional quality of meals offered to children (kids’ meals) at chain restaurants in Japan. Public Health Nutr., 21(17), 310110.

Unicef. (2019). Convenção sobre os Direitos da Criança: Instrumento de direitos humanos mais aceito na história universal. Foi ratificado por 196 países. https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca.

Viegas, C, Lima, J., Afonso, C., Toth, A., Illés, C., Bittsánszky, A., Šatalić, Z., Filipec, S., Fabijanic, V., Durán, S., Torres, J., Spinelli, M., Matias, A., Pinto, A. & Rocha, A. Children’s menus in shopping centre restaurants: a multicentric study. British Food Journal, 124(10), 3169-3182. https://doi-org.ez102.periodicos.capes.gov.br/10.1108/BFJ-05-2021-0504

Zigarti, P.V.R.I.; Barata Jr.,I.S. & Ferreira,J.C.S. (2021) Obesidade infantil: Uma problemática da sociedade atual. Research, Society and Development, 10(6). DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i6.16443

Downloads

Publicado

2022-08-09

Como Citar

Albino, A. V. L. A., Matias, A. C. G., & Spinelli, M. G. N. (2022). MENU KIDS DE REDES DE FAST-FOOD: O VALOR ENERGÉTICO E OS MACRONUTRIENTES SÃO ADEQUADOS ÀS NECESSIDADES NUTRICIONAIS DE CRIANÇAS DE 4 A 8 ANOS?. Revista Univap, 28(59). https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i59.4364

Edição

Seção

Ciências da Saúde