AVALIAÇÃO E PERCEPÇÃO DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM UNIDADES PRODUTORAS DE REFEIÇÕES DE CLUBES PAULISTANOS

Ingrid Rezende França, Mônica Glória Neumann Spinelli, Juliana Masami Morimoto

Resumo


A produção de refeições envolve processos que causam impactos ambientais. A melhora desses fatores é um desafio para os gestores que precisam conciliar esses aspectos aos custos e necessidades dos clientes. O objetivo do estudo foi avaliar a sustentabilidade ambiental em unidades produtoras de refeições e a percepção do nutricionista neste quesito. Foi aplicado um check list para obtenção de aspectos de sustentabilidade e um questionário para avaliação da percepção do nutricionista, ambos com pontuação de até 100%. Os dados foram analisados por meio da média e desvio padrão. Foi utilizado o teste t de Student para analisar a diferença entre duas médias e análise de variância (ANOVA) para analisar a diferença entre três ou mais médias. As análises de associação entre duas variáveis quantitativas foram realizadas por meio da correlação de Pearson. Todos os testes estatísticos consideraram nível de significância de 5%. Do total de restaurantes (n=7), 71,4% (n=5) possuíam programas voltados para sustentabilidade ambiental. Apenas um (14,3%) obteve pontuação de 77,4% no check list de sustentabilidade, sendo classificado como “bom” e 85,7% (n=6) apresentaram pontuação de 50 a 74%, com classificação de “aceitável”. Os locais que dispunham de programas voltados para sustentabilidade apresentaram pontuações mais elevadas. Obteve-se correlação fraca ao analisar a associação entre a percepção de sustentabilidade e a pontuação do check list. Foi possível verificar que a maioria dos nutricionistas possuem elevada percepção sobre sustentabilidade, porém ao observar as pontuações do check list percebe-se que são poucas as ações realizadas de modo a minimizar o impacto ambiental.


Palavras-chave


Impacto ambiental; nutricionistas; restaurantes; sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, E. S.; SPINELLI, M. G. N. SOUZA, A. M. P. Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. 6. ed. São Paulo: editora Metha, 2016.

ALEVATO, H.; ARAÚJO, E.M.G. Gestão, organização e condições de trabalho. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 5, 2009, Niterói. Anais..., 2009. Disponível em: http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg5/anais/T8_0155_0577.pdf. Acesso em: 23 nov. 2017.

BARTHICHOTO, M. et al, Responsabilidade ambiental: perfil das práticas de sustentabilidade desenvolvidas em unidades produtoras de refeições do bairro de Higienópolis, município de São Paulo, Qualit@s Rev. Eletrônica, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 1-9, 2013.

BEZERRA, I. N. et al. Consumo de alimentos fora do lar no Brasil segundo locais de aquisição. Revista de Saúde Pública, v. 51, n. 15, 2017.

CALE, L.; SPINELLI, M. G. N. Controle de Resíduos: Responsabilidade Social do Nutricionista. Revista Nutrição Profissional, São Paulo, n. 19, p. 32-38, 2008.

CAMPOS, I. C.; LEMOS, M. Implantação da ISO 14001 na unidade de alimentação e nutrição de uma indústria de Santa Catarina, Brasil: Preliminares. Revista Nutrição em Pauta, v. 13, n. 72, p. 30-35, 2005.

CAMPOS, J. R.; IKEDA, V.; SPINELLI, M. G. N. Otimização de espaço físico em Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) considerando avanços tecnológicos no segmento de equipamentos, Revista Univap, São José dos Campos, v. 18, n. 32, p. 31-41, 2012.

COLARES, L. G. T.; FREITAS, C. M. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, p. 3011-3020, 2007.

CORRÊA, M. S.; LANGE, L. C. Gestão de resíduos sólidos no setor de refeição coletiva. Pretexto, v. 12, n. 1, 2011.

DIAS, N. A.; OLIVEIRA, A. L. Sustentabilidade nas unidades de alimentação e nutrição: desafios para o nutricionista no século XXI. Higiene Alimentar, Minas Gerais, v. 30, n. 254-255, p. 26-31, 2016.

DIEZ GARCIA, R.W. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev. Nutr., Campinas, v. 16, n. 4, p. 483- 492, 2003.

FERNANDES, M. C.; SPINELLI, M. G. N. Análise de práticas sustentáveis em restaurantes comerciais na região da Granja Vianna-SP - práticas sustentáveis em restaurantes. In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E VI MOSTRA DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA, 12, 2016. Anais..., São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2016.

FERRAZ, T. V. Práticas sustentáveis em restaurantes universitários de universidades federais brasileiras. 2016. 93f. Tese (Mestrado Profissional em Gestão Pública) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

GONÇALVES, et al. Sustentabilidade ambiental em restaurantes comerciais da zona central de Pelotas – RS. R. gest. sust. ambient., Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 525-539, 2018.

GRAU – GREEN RESTAURANTS ASSOCIATION UNIVERSITY.

Green Restaurant Certification 4.0 Standards. 2015. Disponível em: http://www.dinegreen.com/restaurants/standards.asp. Acesso em: 22 nov. 2017.

HARMON, A. H.; GERALD, B. L. Position of the American Dietetic Association: Food and Nutrition Professionals CanImplement Practices to Conserve Natural Resources and Support Ecological Sustainability. Journal of the American Dietetic Association, v. 107, n. 6, p. 1033-1043, 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Análise do Consumo Alimentar Pessoal no Brasil. Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv50063.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.

KINASZ, T. R.; WERLE, H. J. S. Produção e composição física de resíduos sólidos em alguns serviços de alimentação e nutrição, nos municípios de Cuiabá e Várzea Grande, Mato Grosso: questões ambientais. Hig. Aliment., v. 20, n. 44, p. 64-71, 2006.

KREMER, E. C.; COSTA, J. I. P; MONDO, T. S. análise das ações de responsabilidade ambiental implementadas nos restaurantes do centro de Florianópolis. TURyDes, v. 6, n. 14, 2013.

MARTINELLI, S. S. Desenvolvimento de método de qualidade nutricional, sensorial, regulamentar e sustentabilidade no abastecimento de carnes em unidades produtoras de refeições: o exemplo da carne bovina. 2011. Dissertação (Mestrado em Nutrição) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

NÓBREGA, F.; VEIROS, M.; ROCHA, A. Aspectos ambientais em unidades de alimentação coletiva – o caso dos serviços de ação social da Universidade do Porto. In: CONGRESSO DE NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO, 17, 2018, Lisboa. Anais..., Lisboa: Acta Portuguesa de Nutrição; 2018.

NUNES, R. Gastronomia Sustentável. Interação - Revista Científica da Faculdade das Américas, São Paulo, ano III, n. 1, jan./jul. 2012.

PIRANI, S.I.; ARAFAT, H.A. Solid waste management in the hospitality industry: a review. Journal of Environmental Management, v. 146, p. 320 336, 2014.

PREUSS, K. Integrando nutrição e desenvolvimento sustentável: atribuições e ações do nutricionista. Nutr. Pauta,v. 17, n. 99, p. 50-53, 2009.

RIBEIRO, R. N. A geopolítica de distribuição de gás natural Europeia / Asiática e a Rússia como grande protagonista deste cenário. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia do Petróleo) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

RODGERS, S. Food service research: An integrated approach. International Journal of Hospitality Management, v. 30, n. 2, p. 477-483, 2011.

SILVÉRIO, G.A.; OLTRAMARI, K. Desperdício de alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição brasileiras. Rev. do Setor de Ciências Agrárias e Ambientais, Guarapuava, v. 1, n. 10, p. 125-33, 2014.

SPINELLI, M. G. N. Gestão adequada dos serviços pode gerar aumento da deficiência operacional e diminuir despesas, beneficiando o meio ambiente. Revista do Conselho Regional de Nutricionistas- CRN 3ª região, 2009.

STRASBURG, V. J.; JAHNO, V. D. Paradigmas das práticas de gestão ambiental no segmento de produção de refeições no Brasil. Eng Sanit Ambient, v. 22 n. 1, p. 3-12, 2017.

VAZ, C.S. Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. Brasília: Metha. 193 p, 2006.

VEIROS, M. B.; PROENÇA, R. P. C. Princípios de Sustentabilidade na Produção de Refeições. Rev. Nutrição em Pauta, p. 45-49, 2010.

VÉRAS, A. Impacto ambiental da indústria de alimentos. In: GERMER, S. P. M. A indústria de alimentos e o meio ambiente. Campinas: ITAL, p. 60-61, 2002.

WANG, R. Investigations of Important and Effective Effects of Green Practices in Restaurants. Procedia ‐ Social and Behavioral Sciences, v. 40, p. 94-98, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i49.2212

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Univap

Revista UniVap é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 9 indexadores:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.