ASSOCIAÇÃO ENTRE O HÁBITO DE CONSUMO DE CAFÉ DA MANHÃ E ESTADO NUTRICIONAL DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

Anna Beatriz Silva Gomes, Rita de Cassia de Souza Fernandes, Alisson Diego Machado, Edeli Simioni de Abreu, Mônica Glória Neumann Spinelli

Resumo


O objetivo do estudo foi avaliar o hábito e a composição do café da manhã de jovens universitários, os fatores que influenciam na realização dessa refeição e sua associação com o estado nutricional. Metodologia: Questionário online disponibilizado em uma plataforma virtual de criação de formulários, contendo dados sociodemográficos (nome, idade, gênero, curso e o exercício de atividade remunerada); dados antropométricos (peso e estatura); questões específicas relacionadas ao consumo de café da manhã, como composição, frequência, horário e local de consumo e companhia; e fatores que influenciam na adoção dessa refeição. Resultados e discussão: Foram analisados 143 universitários. Destes, 67,8% possuem consumo regular de café da manhã, sendo mais consumidos alimentos in natura e minimamente processados. Observou-se que alunos da área biológica realizam o café da manhã com maior frequência do que os universitários das áreas de humanas e exatas. Dos participantes, 23,7% possuíam excesso de peso.  Conclusão: O estudo mostrou que apenas o ato de realizar ou não o café da manhã não está associado ao estado nutricional. O estado nutricional referente ao peso adequado se relacionou positivamente com o sexo feminino, não exercer atividade remunerada, satisfação corporal e realizar essa refeição sozinho, assim como a maior preocupação com excesso de peso foi relacionada às mulheres e o maior peso aos universitários que exerciam atividades remuneradas.


Palavras-chave


Hábitos alimentares; consumo de alimentos; desjejum; estudantes; estado nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E. C. Hábito de consumo do café da manhã por adolescentes estudantes de escolas públicas e privadas, localizadas na região central da cidade de Cotia. Tese [Mestrado]. Universidade Federal de São Paulo, 2005.

ANDRADE, R. G. et al. Overweight in men and women among urban area residents: individual factors and socioeconomic context. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, suppl. 1, p. 148-158, 2015.

ARAÚJO, D. S. M. S.; ARAÚJO, C. G. S. Autopercepção e insatisfação com peso corporal independem da frequência de atividade física. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 80, n. 3, p. 235-242, 2003.

BORGES, C. M.; LIMA FILHO, D. O. Hábitos alimentares dos estudantes universitários: um estudo qualitativo. In: VII SEMEAD, 7., Mato Grosso do Sul, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 156 p.

CARNEIRO, M.Z.L. et al. Estado nutricional de estudantes universitários associados aos hábitos alimentares. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. v. 14, n. 2, p. 84-88, 2016.

COTA, R. P.; MIRANDA, L. S. Associação entre constipação intestinal e estilo de vida em estudantes universitários. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, v. 21, n. 4, p. 296-301, 2006.

COUTINHO, J.G.; GENTIL, P.C.; TORAL, N. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrentamento com base na agenda única da nutrição. Cadernos de Saúde Pública. v. 24, n. 2, p.332-40, 2008.

ENES, C. C.; SILVA, M. V. Disponibilidade de energia e nutrientes nos domicílios: o contraste entre as regiões Norte e Sul do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1267-1276, 2009.

HENRIQUES, P. et al. Regulamentação da propaganda de alimentos infantis como estratégia para a promoção da saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 481-90, fev. 2012.

HÖFELMANN, D. A.; MOMM, N. Café da manhã: omissão e fatores associados em escolares de Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. v. 39, n. 1, p. 40-55, abr. 2014.

KRETSCHMER, A.C. et al. Estado nutricional e hábitos alimentares de acadêmicos de uma universidade do norte do Rio Grande do Sul. Revista Saúde (Santa Maria). v. 41, n. 2, p. 121-128, 2015.

MAGALHÃES, A. C. P. et al. Prevalência e fatores de risco para constipação intestinal em estudantes universitários. Revista Nutrição em Pauta. n. 56, p. 13-17, 2002.

MATOS, L. L.; MARTINS, I.S. Consumo de fibras alimentares em população adulta. Revista de Saúde Pública. v. 34, n. 1, p. 50-55, 2000.

MELO, S. P. S. C.; FILHO, M. B.; RISSIN, A. Excesso de peso de adultos residentes em um aglomerado urbano subnormal. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, v. 28, n. 2, p. 257-265, 2015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO PAN AMERICANA DE SAÚDE. Doenças Crônicas – Degenerativas e Obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília, 2003.

REIS, J. A.; JÚNIOR, C. R. R. S.; PINHO, L. Fatores associados ao risco de transtornos alimentares entre acadêmicos da área de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 35, n. 2, p. 73-78, 2014.

TRANCOSO, S. C.; CAVALLI, S. B.; PROENCA, R. P. da C. Café da manhã: caracterização, consumo e importância para a saúde. Revista de Nutrição, v. 23, n. 5, p. 859-869, 2010.

TRICHES, R.M.; GIUGLIANI, E.R.J. Obesidade, práticas alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Revista de Saúde Pública. v. 39, n. 4, p. 541-547, 2005.

UTTER J., SCRAGG R., MHURCHU C., SCHAAF D. At-home breakfast consumption among New Zealand children: Associations with body mass index and related nutrition behaviors Journal of the American Dietetic Association. v.107, v. 4, p. 570-576, 2007.

WHO. World Health Organization. Obesity - preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva; 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i50.2032

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Não há limite de autores. Em 2021 irá limitar a 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <http://www1.univap.br/revista/20200812_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

- Os autores deverão enviar uma Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.docx>

- Recomendamos que inclua um documento suplementar indicando três avaliadores com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.