AVALIAÇÃO CLÍNICA E MORFOLÓGICA DO TENDÃO DO CALCÂNEO: ESTUDO ULTRASSONOGRÁFICO DE SUJEITOS PATOLÓGICOS E SADIOS

Ana Paula Pinto, Mário Oliveira Lima, Patrícia Sardinha Leonardo, Douglas Peretta Barbaroto, Natália Galvão Rocha Moreira, Ary Teixeira Breguez de Oliveira, Fernanda Púpio Silva Lima, Jon Joensen, Jan Magnus Bjordal, Rodrigo Alvaro Brandão Lopes-Martins

Resumo


O tendão do calcâneo (TC) é o mais forte tendão do corpo humano, com grande capacidade de suportar carga. O TC é vulnerável a lesões por esforço repetitivo por receber muita carga, responsável por 18% de todas as lesões no esporte. O ultrassom (US) diagnóstico é uma técnica barata, dinâmica e rápida para avaliação de tecidos tendíneos, que pode ser associada a testes clínicos para diagnóstico de tendinopatias. Considerando que a simetria do organismo está relacionada com bom estado geral de saúde, objetivou-se neste trabalho avaliar a morfologia e aspectos clínicos do TC de indivíduos com e sem tendinopatia do TC. Participaram do estudo 28 indivíduos: 15 no grupo controle (GC) e 13 no grupo tendinopatia (GT). Os participantes passaram por avaliações específicas do TC: Exame de US, testes à palpação e clínicos. Os sujeitos do GC apresentam média de 0,407cm e 0,389cm da espessura do TC (TC direito e TC esquerdo), e não foram demonstradas anormalidades que indicassem inflamação nas imagens de US e nos testes clínicos. Nos indivíduos do GT, os valores da espessura do TC foram maiores, atingindo até 0,563cm, além de apresentarem alterações nas imagens de US para inflamação. A diferença da espessura do TC entre membros dos indivíduos do GC foi de 10%, enquanto no GT foi de 22%. Por meio dos resultados, sugere-se que diferenças da espessura do TC superiores a 20% indiquem a presença de tendinopatia, comprovadas pelos achados nas imagens de ultrassom e pelos resultados positivos dos testes à palpação e clínicos.

Palavras-chave


Ultrassom de imagem; tendão de Aquiles; tendão do calcâneo; tendinopatia; tendinite.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, M. et al. Where tendons and ligaments meet bone: attachment sites (‘entheses’) in relation to exercise and/or mechanical load. Journal of Anatomy, v. 208, n. 4, p. 471– 490, 2006.

BJORDAL, J. M.; DEMMINK, J. H.; LJUNGGREN, A. E. Tendon Thickness and Depth from Skin for Supraspinatus, Common Wrist and Finger Extensors, Patellar and Achilles Tendons. Physiotherapy, v. 68, n. 6, p. 375-383, 2003.

CHINESE SOCIETY OF SPORTS MEDICINE. Chinese Consensus on Insertional Achilles Tendinopathy. The Orthopaedic Journal of Sports Medicine, v. 7, n. 10, p. 1-6, 2019.

COOK, J. L.; KHAN, K. M.; PURDAM, C. Achilles tendinopathy. Manual Therapy, v. 7, n. 3, p. 121-130, 2002.

DAMS, O. C. et al. The recovery after Achilles tendon rupture: a protocol for a multicenter prospective cohort study. BMC Musculoskeletal Disorders, v. 20, n. 1, p. 69, 2019.

HASLERUD, S. et al. Achilles Tendon Penetration for Continuous 810 nm and Superpulsed 904 nm Lasers Before and After Ice Application: An In Situ Study on Healthy Young Adults. Photomedicine Laser Surgery, n. 35, p. 10, p. 567-575, 2017.

JÓZSA, L. G.; KANNUS, P. Human Tendons: Anatomy, Physiology and Pathology. Champaign: Human Kinetics, 1997.

KHAN, K. M. et al. Histopathology of common tendinopathies: update and implications for clinical management. Sports Medicine, v. 27, n. 6, p.393-408,1999.

KHARATE, P.; CHANCE-LARSEN, K. Ultrasound evaluation of Achilles tendon thickness in asymptomatic’s: A reliability study. International Journal of Physiotherapy and Rehabilitation, v. 2, p. 1-11, 2012.

KRAEUTLER, M. J.; PURCELL, J. M.; HUNT, K. J. Chronic Achilles Tendon Ruptures. Foot Ankle International, v. 38, n. 8, p. 921-929, 2017.

MAFFULLI, N. et al. Clinical diagnosis of Achilles tendinopathy with tendinosis. Clinical Journal of Sport Medicine, v. 13, n. 1, p. 11-15, 2003.

MAFFULLI, N.; SHARMA, P.; LUSCOMBE, K. L. Achilles tendinopathy: aetiology and management. Journal of the Royal Society of Medicine, v. 97, n. 10, p. 472-476, 2004.

MARTIN, R. L. et al. Achilles Pain, Stiffness, and Muscle Power Deficits: Midportion Achilles Tendinopathy Revision 2018. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, v. 48, n. 5, p. A1-A38, 2018.

MASCI, L. et al. How to diagnose plantaris tendon involvement in midportion Achilles tendinopathy – clinical and imaging findings. BMC Musculoskeletal Disorders, v. 17, p. 97, 2016.

MENZ, H. B. et al. Characteristics of primary care consultations for musculoskeletal foot and ankle problems in the UK. Rheumatology, v. 49, n. 7, p. 1391–1398, 2010.

MUNTEANU, S. Achilles Tendon. In: ROME, K.; MCNAIR, P.; NESTER, C. Management of Chronic Conditions in the Foot and Lower Leg. London: Elsevier, 2015. P. 145-179.

O’BRIEN, M. The anatomy of the Achilles tendon. Foot Ankle Clinical, v. 10, n. 2, p. 225-38, 2005.

PAWLOWSKI, B. et al. Human body symmetry and immune efficacy in healthy adults. American Journal of Physical Anthropology, v. 167, n. 2, p. 207-216, 2018.

RAMACHANDRAM, M. Basic orthopaedic sciences: the Stanmore guide. London: Hodder Arnold, 2007. 304 p.

RIO, E. et al. The Pain of Tendinopathy: Physiological or Pathophysiological? Sports Medicine, v. 44, n. 1, p. 9-23, 2014.

RYAN, M. et al. Kinematic analysis of runners with achilles mid-portion tendinopathy. Foot & Ankle International, v. 30, n. 12, p. 1190-5, 2009.

SOUZA, N. S. S.; SANTANA, V. S. Cumulative annual incidence of disabling workrelated musculoskeletal disorders in an urban area of Brazil. Cadernos de Saúde Pública, v. 27, n. 11, p. 2124-2134, 2011.

VIEIRA, F. et al. Tendinopatia do tendão calcâneo. Publicatio UEPG: Biological and Health Sciences, v. 16, n. 1, p. 35-42, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i52.2489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos o contato cpotraducao. Entretanto, fica a critério do autor. 

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.