ESTUDO COMPARATIVO DO EFEITO FUNGICIDA DO ÓLEO COMERCIAL SAFETEAM E DO TRATAMENTO DE ULTRASSOM EM FLUIDOS DE CORTE

Rachele Marcon Nicoliello, Cassia Fernanda de Oliveira Barbosa, Milena Chanes de Souza, Sonia Khouri, Evellyn Alves Nunes Simonetti

Resumo


O setor de Usinagem utiliza fluidos de corte de base vegetal em suas máquinas-ferramenta por serem mais sustentáveis, porém sua composição química os torna mais susceptíveis à degradação. O principal objetivo deste trabalho foi avaliar dois tratamentos para o controle microbiológico em fluidos de corte: extrato vegetal Safeteam (tratamento químico) e ultrassom (tratamento físico). De acordo com o histórico de degradação dos fluidos de corte do Centro de Competência em Manufatura (CCM) e dados da literatura, identificou-se que o gênero Penicillium sp aparece com maior frequência. Para avaliar a eficiência dos tratamentos, utilizou-se fluido de corte de base vegetal (sem biocida) e cepas de Penicillium oxalicum. No primeiro tratamento, utilizou-se a Concentração Mínima Inibitória (CMI) de 5% do óleo comercial Safeteam, utilizando o método de profundidade. No segundo tratamento, com ultrassom, utilizou-se 100 mL de amostra de fluido de corte (90% de água e 10% de concentrado) para cada parâmetro (variando 2 tempos e 3 potências). Como resultado, o extrato vegetal na CMI de 5% apresentou uma redução de 100% do número de Unidades Formadoras de Colônias (UFCs) e o ultrassom uma redução significativa das UFCs, que não foi quantificada, já que, na leitura inicial, a quantidade de colônias foi incontável. Permitindo concluir que ambas as técnicas apresentaram resultados positivos para o controle do bolor Penicillium oxalicum em fluidos de corte.


Palavras-chave


Fluidos de corte; extrato vegetal; ultrassom; efeito fungicida.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i39.376

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Univap

Revista UniVap é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional, resenhas e revisão de literatura nas diversas áreas do conhecimento científico, sempre a critério de sua Comissão Editorial e de acordo com o formato dos artigos publicados.

<Notas para trabalhos de revisão de literatura>

Recomenda-se que atendam aos requisitos:

- domínio sobre o tema abordado; base para o avanço do conhecimento na área de foco; finalidade de explicar com clareza o tema; respeitar aspectos básicos de construção: relevância e interesse; servir de base para descobrir lacunas e resolvê-las em modelo conceitual propondo encaminhamento de hipóteses ou proposições; focar na teoria e não somente em resultados; incluir nova pesquisa de referências mais recentes; não citar somente o que outros trabalhos fizeram anteriormente.

Itens dessa sessão não receberão DOI e não serão incluídos para indexação da revista.


- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 9 indexadores:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.