PROSPECÇÃO DO POTENCIAL MUTAGÊNICO DO EXTRATO AQUOSO DE Myrsine coreacea A PARTIR DE BIOENSAIOS

Thammyres de Assis Alves, Maria Santos Carvalho, Maikon Keoma da Cunha Henrique, Thayllon de Assis Alves, Milene Miranda Praça-Fontes

Resumo


O estudo do potencial alelopático dos extratos e óleos essenciais das plantas tem se mostrado importante, já que tais produtos podem ser utilizados na produção de fármacos e de defensivos agrícolas. A Myrsine coreacea é reconhecida por suas propriedades químicas e suas atividades biológicas, porém seu potencial alelopático ainda não foi estudado. Uma maneira de avaliar o potencial alelopático de uma espécie é através de bioensaios, tendo a Lactuca sativa e o Sorghum bicolor como modelos vegetais para tais testes. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito fitotóxico e citotóxico de diferentes concentrações do extrato aquoso de M. coreacea utilizando como modelo vegetal L. sativa e S. bicolor. Para isso foram realizadas avaliações fitotóxicas e citotóxicas de quatro concentrações do extrato aquoso de M. coreacea, sendo os dados acessados submetidos ao teste de Dunnett com 5% de significância. Os resultados demonstraram o potencial alelopático do extrato nas diferentes concentrações, tendo como mecanismos de ação do tipo clastogênico e aneugênico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.882

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos o contato cpotraducao. Entretanto, fica a critério do autor. 

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.