MINDFULNESS EATING E COMPOSIÇÃO CORPORAL NAS DIFERENTES FASES DA VIDA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE FUNCIONÁRIOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i57.2556

Palavras-chave:

Atenção plena, Composição corporal, Comportamento alimentar

Resumo

Objetivou-se identificar e comparar fatores associados à prática do comer consciente e sua relação com a composição corporal nas diferentes fases da vida. Foram avaliados os dados antropométricos e os resultados de dois questionários (Mindful Eating Questionnaire - MEQ e o Emotional Eater Questionnaire - EEQ) de funcionários de uma instituição de ensino superior divididos e classificados em adultos jovens ou em processo de envelhecimento e por gênero. Como resultados, os adultos em processo de envelhecimento de ambos os gêneros e jovens do gênero masculino foram os que apresentaram valores maiores de IMC e RCQ. Apenas adultas jovens foram classificadas como comedoras emocionais. A análise do MEQ mostrou que a distração e as questões emocionais tiveram maior influência na alimentação de adultos jovens. Já na correlação dos dados antropométricos com o EEQ, não houve significância estatística que justificasse o aumento do IMC com o comer emocional do indivíduo. Conclui-se ser necessário que mais pesquisas sejam realizadas para afirmar ou rebater o conceito de que o mindfulness eating possa se relacionar como ferramenta que o indivíduo dispõe para garantir um envelhecimento saudável e uma qualidade de vida adequada quando idoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita de Cassia de Souza Fernandes, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Nutricionista Supervisora de Estágios na Área Clínica pela Universidade Paulista - Unip

Marina de Almeida Lima, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Residente em Saúde da Criança e do Adolescente na Universidade Federal de São Paulo - Unifesp.

Isabela Maria Alves Barros, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduanda em Nutrição pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Rosana Farah Simony Lamigueiro Toimil, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo (1986), possui mestrado em Epidemiologia pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (1996) e Doutorado em Medicina (Endocrinologia Clínica) pela Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (2003). Especialista em Nutrição Clínica pelo Centro Universitário São Camilo (1990) e em Padrões Gastronômicos pela Universidade Anhembi-Morumbi (2007). Professora do Curso de Mestrado Profissional em Nutrição no Centro Universitário São Camilo (2014-2017) Atualmente é Professora Adjunta I da Universidade Presbiteriana Mackenzie do Curso de Graduação em Nutrição (2007-atual) e Professora Voluntária do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (2020 - atual). Tem experiência na área de Nutrição Clínica e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação nutricional, composição corporal, diabetes mellitus, obesidade , transtornos alimentares e saúde mental. Atua em consultório próprio desde 1997. Sócia Proprietária da Nutriways Consultoria Nutricional e Ávvia Educação. Nutricionista certificada em Intuitive Eating (2014), Educadora em Diabetes pela International Diabetes Federation (2018) e Membro da comissão técnica da Nutrição Clínica do Conselho Regional de Nutricionistas (CRN3a. região - gestão 2014 - 2019) e da Diretoria da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (SBAN).

Érico Chagas Caperuto, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Possui graduação em Bacharelado Em Educação Física pela USP , mestrado em Ciências (Fisiologia Humana) pela USP e doutorado em Biologia Celular e Molecular pela USP. Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie nos cursos de Educação Física, Fisioterapia e Nutrição. Professor da Universidade São Judas Tadeu nos cursos de Graduação em Educação Física e Fisioterapia Professor nos Programas de Pós Graduação em Ciências do Envelhecimento e Educação Física. Consultor técnico-científico para a indústria de Suplementos Alimentares.

Referências

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. (2016). Diretrizes brasileiras de obesidade. (4a ed.), 188p. https://abeso.org.br/wp-content/uploads/2019/12/Diretrizes-Download-Diretrizes-Brasileiras-de-Obesidade-2016.pdf.

Benito, J. L. S., & Torrado, Y. P. (2012). Influencia de las emociones en la ingesta y control de peso. Revista Nutrición Hospitalaria, 27(6), 2148-2150.

Berthoud, H. R. (2007). Interations between the “cognitive” and “metabolic” brain in the control of food intake. Physiology and Behavior, 91(5), 486-498.

Brasil. (2006). Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Ministério da Saúde.

Brasil. (2012). Informe Brasil para a III Conferência Regional Intergovernamental sobre Envelhecimento na América Latina e Caribe. Secretaria de direitos Humanos. http://www.cepal.org/celade/noticias/paginas/9/46849/Brasil.pdf.

Cabrera, M. A. S., & JACOB FILHO, W. (2001). Obesidade em Idosos: Prevalência, Distribuição e Associação Com Hábitos e Co-Morbidades. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, 45(5), 494-501.

Cassani, R. S. L., Nobre, F., Pazin Filho, A., & Schmidt, A. (2009). Prevalência de fatores de risco cardiovascular em trabalhadores de uma indústria brasileira. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 92(1), 16-22.

Cervato, A. M. (2005). Educação nutricional para adultos e idosos: uma experiência positiva em Universidade Aberta para a Terceira Idade. Revista de Nutrição, 18(1), 41-52.

Ciosak, S. I., Braz, E., Costa, M. F. B. N., Nakano, N. G., Rodrigues, J., Alencar, R. A., & Rocha, A. C. (2011). Senescência e senilidade: novo paradigma na Atenção Básica de Saúde. Revista da Escol de Enfermagem, 45(spe2), 1763-1768.

Coll, A. P., Farooqi, I. S., & O’Rahilly, S. (2007). The Hormonal controlof Food Intake. Cell. Cambridge, 129(2), 251-262.

Coutrim, R. M. E. (2006). Idosos trabalhadores: perdas e ganhos nas relações intergeracionais. Sociedade e Estado, 21(2), 367-390.

Demarzo, M. M. P. (2011). Meditação aplicada à saúde. In: Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade. (pp. 1-18). Artmed.

Diez-Garcia, R. W., & Cervato-Mancuso, A. M. (2012). Mudanças alimentares e educação nutricional. Guanabara Koogan.

Duarte, E. C., & Barreto, S. M. (2012). Transição demográfica e epidemiológica: a Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(4), 529-532.

Franson, C., Kristal, A. R., Schenk, J. M., Littman, A. J., Zeliadt, S., & Benitez, D. (2009). Development and Validation of the Mindful Eating Questionnaire. Journal of the American DieteticAssociationv, 109(8), 1439–1444.

Garaulet, M., Canteras, M., Morales, E., López-Guimera, G., Sánchez-Carracedo, D., & Corbalán-Tutau, M. D. (2012). Validation of a questionnaire on emotional eating for use in cases of obesity; the Emotional Eater Questionnaire (EEQ). Revista Nutrición Hospitalaria, 27(2), 645- 651.

Germer, K. C., Siegel, D. R. D., & Fulton, P. R. (2016). Mindfulness e Psicoterapia. (2a ed.). Artmed.

Girard, T. V. G., & Feix, L. F. (2016). Mindfulness: concepções teóricas e aplicações clínicas. Rev. Cien. da Saúde do Oeste Baiano, 1(2), 94-124.

Hawks, S., Madanat, H., Hawks, J., & Harris, A. (2005). The relationship between intuitive eating and health indicators among college women. American Journal of Health Education, 36(6), 331-336.

Hirayama, M. S., Milani, D., Rodrigues, R. C. M., Barros, N. F., & Alexandre, N. M. C. (2014). A percepção de comportamentos relacionados à atenção plena e a versão brasileira do Freiburg Mindfulness Inventory. Ciência & Saúde Coletiva, 19(9), 3899-3914.

Höfelmann, D. A., & Blank, N. (2009). Excesso de peso entre trabalhadores de uma indústria: prevalência e fatores associados. Rev. Bras. Epidemiol., 12(4), 657-670.

Hölzel, B. K., Carmody, J., Vangel, M., Congleton, C., Yerramsetti, S. M., Gard, T., & Lazar, S. W. (2011). Mindfulness practice leads to increases in regional brain gray matter density. Psychiatry Research, 191(1), 36–43.

Jordan, C. H., Wang, W., Donatoni, L., & Meier, B. (2014). Mindful eating: Trait and state mindfulness predict healthier eating behavior. Personality and Individual Differences, 68, 107–111.

Klotz-Silva, J., Prado, S. D., & Seixas, C. M. (2016). Comportamento alimentar no campo da Alimentação e Nutrição: do que estamos falando? Physis Revista de Saúde Coletiva, 26(4), 1103-1123.

Lucena-Santos, P., Pinto-Gouveia, J., & Oliveira, M. S. (2015, July). Psychometric properties of the Brazilian version of the Cognitive Fusion Questionnaire (CFQ7): A study with multigroup analysis of factorial invariance. Poster session presented at the Association for Contextual Behavioral Science Annual World Conference 13, Berlin, Germany.

Luz, E. P., Dallepiane, L. B., Kirchner, R. M., Silva, L. A. A., Silva, F. P., Kohler, J., Gopinger, E., & Carlot, J. M. (2014). Perfil sociodemográfico e de hábitos de vida da população idosa de um município da região norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 17(2), 303-314.

Machado, P. A. N., & Sichieri, R. (2002). Relação cintura-quadril e fatores de dieta em adultos. Revista de Saúde Pública, 36(2), 198-204.

Marucci, M. F. N. (2005). Alimentação e hidratação: cuidados específicos e sua relação com o contexto familiar. In: Y. A. O. Duarte, & M. J. E. Diogo. Atendimento domiciliar: um enfoque Gerontológico. (pp. 223-235) Atheneu.

Mathieu, J. (2009). What should you know about mindful and intuitive eating? Journal of the American Dietetic Association, 109, 1982-1985.

Meirelles, B. H. S., Arruda, C., Simon, E., Vieira, F. M. A., Cortezi, M. D. V., & Natividade, M. S. L. (2010). Condições associadas à qualidade de vida de idosos com doenças crônicas. Cogitare Enfermagem, 15(3), 433-440.

Monroe, J. T. (2015). Mindful Eating: Principles and Practice. American Journal of Lifestyle Medicine, 9(3), 217-220.

Monteiro, C. A., Levy, R. B., Claro, R. M., Castro, I. R. R., & Cannon, G. (2011). Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutrition, 14(1), 5-13.

Monteiro, C. A., Cannon, G. Levy, R. B., Claro, R., Moubarac, J. C., Martins, A. P., Louzada, M. L., Baraldi, L., & Canella, D. (2012). The Food System. Ultra-processing. The big issue for nutrition, disease, health, well-being. World Nutrition, 3(12), 527-569.

Morigutti, J. C., Morigutti, E. K. U., Ferriolli, E., Cação, J. C., Iucif Junior, N., & Marchini, J. S. (2001). Involuntary weight loss in elderly individuals: Assessment and treatment. Medical Journal, 119(2), 72-77.

Perissinotto, E., Pisent, C., Sergi, G., & Grigoletto, F. (2002). Anthropometric measurements in the elderly: Age and gender differences. British Journal Nutrition, 87(2), 177-86.

Proença, R. P. C. (2010). Alimentação e globalização: algumas reflexões. Ciência e Cultura, 62(4), 43-47.

Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 (2012, 12 dezembro). https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html.

Sampaio, L. R. (2004). Avaliação nutricional e envelhecimento. Revista de Nutrição, 17(4), 507-514.

Sawaya, A. L. (2013). Alimentos ricos em açúcar, gordura e sal induzem à hiperfagia e ao vício alimentar. In: A. L. Sawaya (Ed.) Fisiologia da Nutrição na saúde e na doença: da biologia molecular ao tratamento. Atheneu.

Sawaya, A. L., & Figueiras, A. (2013). “Abra a felicidade”? Implicações para o vício alimentar. Estudos Avançados, 27(78), 53-70.

Siegel, R. D., Germer, C. K., & Olendzky, A. (2008). Mindfulness: What is it? Where does It come from? http://www.mindfulselfcompassion.org/articles/nicamb_mindfulness.pdf.

Toral, N., & Slater, B. (2007). Abordagem do modelo transteórico no comportamento alimentar. Ciência e Saúde Coletiva, 12(6), 1641-1650.

Tylka, T. L. (2006). Development and psychometric evaluation of a measure of intuitive eating. Journal of Counseling Psychology, 53(2), 226-240.

Van Der Wal, R. C., & Van Dillen, L.F. (2013). Leaving a flat taste in your mouth: task load reduces taste perception. Psychol Sci., 124, 1277-1284.

Veras, R. (2009). Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, 43(3), 548-554.

Wallis, D. J., & Hetherington, M. M. (2004). Stress and eating: the effects of ego-threat and cognitive demand on food intake in restrained and emotional eaters. Appetite, 43, 39-46.

World Health Organization. (1995). Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Genebra, p. 263-311.

World Health Organization. (2003). Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Geneva.

World Health Organization. (2000). Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva.

Zhu, Y., & Hollis, J.H. (2014). Increasing the number of chews before swallowing reduces meal size in normal-weight, overweight, and obese adults. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, 114, 926-931.

Downloads

Publicado

2022-04-19

Como Citar

Fernandes, R. de C. de S., Lima, M. de A., Barros, I. M. A., Souza, D. F. de, Toimil, R. F. S. L., & Caperuto, Érico C. (2022). MINDFULNESS EATING E COMPOSIÇÃO CORPORAL NAS DIFERENTES FASES DA VIDA: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE FUNCIONÁRIOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Revista Univap, 28(57). https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i57.2556

Edição

Seção

Ciências da Saúde