ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ELETROMIOGRÁFICO E DA FORÇA DURANTE A FADIGA DO MUSCULO BÍCEPS BRAQUIAL

Gabriela Aparecida da Silveira Souza, Humberto Gimenes Macedo, Virginia Klausner, Marina Vedelago Cezarini, Sergio Luiz Lemos, Alexandre Alves do Nascimento Filho, Marina Corrêa, Bruna Moreira de Oliveira Spinelli, Douglas Barbaroto, Ana Paula Pinto, Mario Lima, Rodrigo Lopes-Martins, Fernanda Púpio Silva Lima

Resumo


A fadiga muscular é definida como a incapacidade de manter a contração muscular e é ocasionada por alterações bioquímicas que modificam a mecânica da contração muscular, resultando em redução da performance atlética. O objetivo deste estudo foi avaliar o comportamento mioelétrico e a força de indivíduos hígidos durante a fadiga do músculo bíceps braquial. O estudo foi composto por 13 voluntários do sexo masculino com idade entre 20 e 30 anos (25±3,7). Para a indução da fadiga muscular foram realizadas três Contrações Isométricas Voluntárias Máximas (CIVM) com duração de 50 segundos e intervalo de 50 segundos, utilizando um dinamômetro computadorizado acoplado ao eletromiógrafo de superfície. Durante a CIVM foi avaliado o sinal eletromiográfico e a força. Foi possível observar nos resultados uma queda da força muscular e dos parâmetros avaliados por meio da eletromiografia durante a fadiga muscular. A partir da regressão linear dos dados obtidos por meio da eletromiografia e dinamometria foi possível obter o coeficiente angular da reta para cada teste (Teste 1, Teste 2 e Teste 3), nota-se que houve queda de todos os parâmetros avaliados por meio da eletromiografia de superfície e da força muscular, entretanto não houve diferença estatística entre os testes, demonstrando similaridade do comportamento do sinal entre os testes. Conclui-se, portanto, que os parâmetros eletromiográficos analisados (frequência média, frequência mediana e RMS) e a força apresentam um decréscimo durante a fadiga muscular induzida por meio da CIVM.

Palavras-chave


Eletromiografia de superfície; dinamometria; fadiga muscular.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, D.G.; LAMB, G.D.; WESTERBLAD, H. Skeletal muscle fatigue: cellular mechanisms. Physiol Rev. v. 88, n. 1, p. 287-332, 2008.

AL-MULLA, M. R.; SEPULVEDA, F.; COLLEY, M. A Review of Non-Invasive Techniques to Detect and Predict Localised Muscle Fatigue. Sensors, v. 11, p. 3545-3594, 2011.

BACHASSON, D. et al. Neuromuscular Fatigue and Exercise Capacity in Fibromyalgia Syndrome. Arthritis Care Res. v. 65, n. 3, p. 432-440, 2013.

BAUDRY, S. et al. Age-related fatigability of the ankle dorsiflexor muscles during concentric and eccentric contractions. Eur J Appl Physiol. v. 100, p. 515-525, 2007.

BARTUZI, P.; ROMAN-LIU, D. Assessment of muscle load and fatigue with the usage of frequency and time-frequency analysis of the EMG signal. Acta Bioeng Biomech, v. 16; n. 2, p. 31-39, 2014.

BOGDANIS, G. C. Effects of physical activity and inactivity on muscle fatigue. Front Physiol., v. 3, p. 1-15, 2012.

CASTROFLORIO, T. et al. Myoelectric manifestations of jaw elevator muscle fatigue and recovery in healthy and TMD subjects. J Oral Rehabil., n. 39, n. 9, p. 648-658, 2012.

CONTESSA, P.; ADAM, A.; DE LUCA, D. J. Motor unit control and force fluctuation during fatigue. J Appl Physiol., v. 107, p. 235–243, 2009.

FERRARESI, C.; HAMBLIN, M. R.; PARIZOTTO, N. A. Low-level laser (light) therapy (TLBI) on muscle tissue: performance, fatigue and repair benefited by the power of light. Photonics Lasers Med., v. 1, n. 4, p. 267–286, 2012.

FERRARESI, C. et al. Time response of increases in ATP and muscle resistance to fatigue after low-level laser therapy in mice. Lasers Med Sci., v. 30, p. 1259-1267, 2015.

GALEN, S. S.; MALEK, M. H. A single electromyographic testing point is valid to monitor neuromuscular fatigue during continuous exercise. J Strength Cond Res., v. 28, n.10, p. 2754–2759, 2014.

GARCÍA-HERMOSOA, A.; SAAVEDRAC, J. M.; ESCALANTE, Y. Effects of exercise on functional aerobic capacity in adults with fibromyalgia syndrome: A systematic review of randomized controlled trials. J Back Musculoskelet Rehabil., v. 28, n. 2015, p. 609–619, 2015.

GEROLD, E. et al. Age- and sex-specific effects in paravertebral surface electromyographic back extensor muscle fatigue in chronic low back pain. GeroScience, v. 42, n.1, p. 251-269, 2019.

KORAL, J. et al. Mechanisms of neuromuscular fatigue and recovery in unilateral versus bilateral maximal voluntary contractions. J Appl Physiol, v. 128, n. 4, p. 785-794, 2020.

KUNISZYK-JÓŹKOWIAK, W.; JASZCZUK, J.; CZAPLICKI, A. Changes in electromyographic signals and skin temperature during standardised effort in volleyball players. Acta Bioeng Biomech., v. 20, n. 3, p. 115-122, 2018.

LEAL JUNIOR, E. C. P. et al. Effect of cluster multi-diode light emitting diode therapy (LEDT) on exercise-induced skeletal muscle fatigue and skeletal muscle recovery in humans. Lasers Surg Med., v. 41, n. 8, p. 572 – 577, 2009.

MATHUR, S.; ENG, J. J.; MACINTYRE, D. L. Reliability of surface EMG during sustained contractions of the quadriceps. J Electromyogr Kinesiol., v. 15, n. 2005, p. 102–110, 2005.

MOREIRA, P. V. S.; TEODORO, B. G.; MAGALHÃES NETO, A.M. Neural and metabolic bases of the fatigue during the exercise. Biosci. J., v. 24, n. 1, p. 81-90, 2008.

NEVES, M. F. et al. Effects of low-level laser therapy (TLBI 808 nm) on lower limb spastic muscle activity in chronic stroke patients. Lasers Med Sci., v. 31, n. 7, p. 1293-1300, 2016.

ORANCHUK, D. J. et al. Effect of blood flow occlusion on neuromuscular fatigue following sustained maximal isometric contraction. Appl Physiol Nutr Metab. p. 1-29, 2019.

PITTA, N. C. et al. Activation time analysis and electromyographic fatigue in patients with temporomandibular disorders during clenching. J Electromyogr Kinesiol., v. 25, n. 4, p. 653 – 657, 2015.

QUESADA, J. I. P. et al. Relationship between skin temperature and muscle activation during incremental cycle exercise. J. Therm. Biol., v. 48, p. 28-35, 2014.

SMITH, C. M. Combining regression and mean comparisons to identify the time course of changes in neuromuscular responses during the process of fatigue. Physiol. Meas., v. 37, p. 1993-2002, 2016.

TSCHARNER, V. V. Time–frequency and principal-component methods for the analysis of EMGs recorded during a mildly fatiguing exercise on a cycle ergometer. J Electromyogr Kinesiol., v. 12, n. 2002, p. 479–492, 2002.

VASSÃO, P. G. et al. Effects of photobiomodulation on the fatigue level in elderly women: an isokinetic dynamometry evaluation. Lasers Med Sci., v. 31, n. 2, p. 275–282, 2015.

WESTERBLAD, H.; ALLEN, D. G. Emerging roles of ROS/RNS in muscle function and fatigue. Antioxid Redox Signal, v. 15, n. 9, p. 2487–2499, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v27i53.2503

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos o contato cpotraducao. Entretanto, fica a critério do autor. 

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.