EFEITO DA TERAPIA ROBÓTICA NO MEMBRO SUPERIOR PARÉTICO DE PACIENTES COM AVE

Gabrielle Fernandes Neves, Diane Cristina Aleixo, Izabela Lopes Mendes, Mario Oliveira Lima, Sérgio Takeshi Tatsukawa de Freitas, Marcele Florêncio das Neves

Resumo


Este artigo teve como objetivo analisar a resposta do músculo espástico do membro superior de indivíduos hemiparéticos, frente ao desempenho muscular e amplitude de movimento, após tratamento com terapia robótica. Como metodologia, a pesquisa serviu-se de uma amostra que consistiu em 12 voluntários sadios (Grupo Controle) e 15 voluntários pós-AVE (Grupo de Intervenção). Ambos grupos passaram por um protocolo de avaliação que consistiu em coleta de dados baseada na avaliação de fadiga e força muscular periférica: coleta de sangue para mensuração basal do lactato sanguíneo; avaliação de torque (Dinamômetro Isocinético); coleta de sangue para mensuração final do lactato sanguíneo; e avaliação funcional dos movimentos de flexão e extensão de cotovelo com auxílio da câmera Cinemática. O Grupo de Intervenção realizou 10 sessões de terapia robótica no exoesqueleto ArmeoSpring®, após o tratamento foi realizada a reavaliação. Após o tratamento, o Grupo de Intervenção apresentou aumento da amplitude de movimento, aumento do torque muscular e diminuição da concentração de lactato após uma contração voluntária máxima. Concluiu-se assim que a terapia robótica foi um recurso seguro e eficaz para melhora do desempenho do membro parético dos indivíduos que participaram deste estudo.

Palavras-chave


Terapia robótica; AVE; amplitude de movimento; torque; fadiga muscular.

Texto completo:

PDF

Referências


ADOMAVIČIENĖ, A. et al. Influence of New Technologies on Post-Stroke Rehabilitation: A Comparison of Armeo Spring to the Kinect System. Medicina, v. 55, n. 98, 2019.

AMARAL, D. B. S. et al. Avaliação da funcionalidade do membro superior parético de pacientes com sequela de ave após protocolo terapia por contensão induzida. Revista Perspectivas Online: Biológicas & Saúde, v. 7, n. 28, p. 81-87, 2017.

BERTANI, R. et al. Effects of robot-assisted upper limb rehabilitation in stroke patients: a systematic review with meta-analysis. Neurological Sciences, v. 38, n. 9, p.1561-1569, 2017.

BORGES, A. C. L. et al. Terapia de repetição utilizando dispositivo eletrônico com estímulo visual em hemiparéticos espásticos. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA, 14., 2014. Anais…, 2014, p. 573-576.

CALABRÒ, R. S. et al., Is two better than one? Muscle vibration plus robotic rehabilitation to improve upper limb spasticity and function: A pilot randomized controlled trial. PLoS ONE, v. 12, n. 10, 2017.

COLOMER, C. et al. Eficacia del sistema Armeo®Spring en la fase crónica del ictus. Estudio en hemiparesias leves-moderadas. Neurología, v. 28, n. 5, p. 261-267, 2013.

DURET, C.; GROSMAIRE A. C.; KREBS, H. I. Robot-Assisted Therapy in Upper Extremity Hemiparesis: Overview of an Evidence-Based Approach. Front. Neurol, v. 10, n. 412, 2019.

GRIMM, F.; NAROS, G.; GHARABAGHI, A. Compensation or restoration: closed-loop feedback of movement quality for assisted reach-to-grasp exercises with a multi-joint arm exoskeleton. Rev Neurocience, v. 10, p. 1-8, 2016.

LIMA, I. J. D.; CABRAL, T. B.; CAMPOS, C. C. C. Avaliação de índices fisiológicos em indivíduos não praticantes de exercícios físicos que utilizam a realidade virtual e aumentada: um estudo piloto. Revista Eletrônica Estácio Recife, v. 4, n. 2, 2018.

MCLAREN, R. et al. The volume and timing of upper limb movement in acute stroke rehabilitation: still room for improvement. Disability and Rehabilitation, p. 1-6, 2019.

MINAMOTO, V. B. Classificação e adaptações das fibras musculares: uma revisão. Fisioterapia e Pesquisa, v. 12, n. 3, p. 50-55, 2005.

NEVES, M. F. Efeito da terapia a laser de baixa intensidade sobre a atividade do músculo espástico submetido à terapia robótica. 2017. 87 f. Tese (Doutorado em Engenharia Biomédica) - Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, 2017.

POLLOCK, A. et al. Interventions for improving upper limb function after stroke (Review). Cochrane Database of Systematic Reviews, v. 2014, n. 11, 2014.

REKAND, T. et al. Botulinum toxin treatment of spasticity targeted to muscle endplates: an international, randomised, evaluatorblinded study comparing two different botulinum toxin injection strategies for the treatment of upper limb spasticity. BMJ Open, v. 9, n. 5, 2019.

SEVERINSEN, K. et al. Skeletal muscle fiber characteristics and oxidative capacity in hemiparetic stroke survivors. Muscle & Nerve, v. 53, n. 5, p. 748-754, 2016.

SUN, Li-Chun et al. Efficacy and Safety of Botulinum Toxin Type A for Limb Spasticity after Stroke: A Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. BioMed Research International, v. 2019, 2019.

TANAKA, H. et al. Spatiotemporal gait characteristic changes with gait training using the hybrid assistive limb for chronic stroke patients. Gait & Posture, v. 71, p. 205-210. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i50.2318

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.