AVALIAÇÃO DA PRÁTICA MINDFULNESS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA

Mariana de Oliveira Corrêa, Joyce Nascimento Santos, Josne Carla Paterno

Resumo


A técnica de Meditação de Atenção Plena (Mindfulness) é definida como um método de atenção na experiência do momento presente de forma receptiva sugerindo uma nova postura por meio de um entendimento consciente do que acontece à sua volta, deste modo, diminuindo os fatores emocionais e fisiológicos, intervindo por meio da reatividade afetiva com benefícios mentais e físicos na saúde. Para isto, foi realizado uma análise quantitativa do controle de estresse com a prática Mindfulness entre duas cidades do Vale do Paraíba visto a escassez de evidencias iniciais na região, o estudo inicial foi realizado em 8 sessões em uma amostra delimitada aleatoriamente de 20 participantes (8 homens e 12 mulheres). Os resultados demonstraram o potencial que a prática possibilitou nas duas amostras avaliadas, com a melhora nos indicadores de estresse após o período da prática (P= 0,022 e P=0,003), além disso, foi possível avaliar o potencial de controle que a prática proporcionou (P= 0,002). Portanto, os resultados obtidos indicam o potencial de melhora nos indicadores analisados e que a prática contínua do método de Atenção Plena- Mindfulness, influencia na qualidade de vida dos indivíduos da sociedade e propicia bem-estar.


Palavras-chave


Meditação; Mindfulness; Medicina Tradicional Chinesa.

Texto completo:

PDF

Referências


BAER, R. A. et al. Using self-report assessment methods to explore facets of mindfulness. Assessment, v. 13, n.1, p. 27-45, 2006

BAER, R. A. Mindfulness Training as a Clinical Intervention: A Conceptual and Empirical Review. Clinical Psychology: Science and practice.,v. 12, n. 2, p. 125-143, 2006.

BARRATT, E. S. Impulsivity: integrating cognitive, behavioral, biological and environmental data. In: MCCOWN, W. G.; JOHNSON, J. L.; SHURE, M. B. (eds.) The impulsive client: theory, research and treatment. [s.l]: American Psychological Association, 1993. p. 39-56.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial, Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 849, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Diário Oficial, Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da saúde inclui 10 novas práticas integrativas no SUS, 2018. Disponível em: https://www.unasus.gov.br/noticia/ministerio-da-saude-inclui-10-novas-praticas-integrativas-no-sus. Acesso em: 26 Set. 2019.

CARPENA, M.A; MENEZES, C.B. Efeito da Meditação Focada no Estresse e Mindfulness Disposicional em Universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa. v. 34, 2018.

COHEN, S.; KAMARCK, T.; MERMELSTEIN, R. A global measure of perceived stress. Journal of Health and Social Behavior, v. 24, n.4, p. 385-396, 1983.

CRESWELL, J. D. Mindfulness interventions. Annual Review of Psychology, v. 68, p. 491-516, 2017.

GOYAL, Madhav et al. Meditation programs for psychological stress and well-being: a systematic review and meta-analysis. JAMA internal medicine, v. 174, n. 3, p. 357-368, 2014.

GROSSMAN, P. et al. Mindfulness-based stress reduction and health benefits: A meta-analysis. Journal of Psychosomatic Research. v. 57, n.1, p.35-43, 2004.

IBGE. Estimativas da população residente com data de referência 1 de julho de 2017: Taubaté. 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/sp/taubate.html. Acesso em: 10 abr. 2019.

KABAT-ZINN, J. Full catastrophe living: Using the wisdom of your body and mind to face stress, pain, and illness. New York: Delta, p.460, 1990.

KABAT-ZINN, J. An outpatient program in behavioral medicine for chronic pain patients based on the practice of mindfulness meditation: theoretical considerations and preliminary results. General hospital psychiatry, v. 4, n. 1, p. 33-47, 1982.

KOZASA, E. H. A prática de meditação aplicada ao contexto da saúde. Saúde Coletiva, v.3, n.10, p. 63-66, 2006.

HABIB, K. E. et al. Neuroendocrinology of stress. Endocrinology and Metabolism Clinics, v. 30, n. 3, p. 695–728, 2001.

HAYES, S. C. et al. What is acceptance and commitment therapy? In: HAYES S.C.; STROSAHL K.D. (eds). A practical guide to acceptance and commitment therapy. Boston: Springer, 2004. p. 3-29.

HOLZEL, B. K. et al. How does Mindfulness Meditation Work? Proposing Mechanisms of Action from a Conceptual and Neural Perspective. Perspectives on Psychological Science, v. 6, n. 6, p. 537-559, 2011.

LAZCANO, M. E. T. Tributos municipais e transferências constitucionais nos municípios de pequeno porte: estudo de caso Monteiro Lobato/SP. 2018. 48f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão Pública Municipal) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

LINDSAY, E. K; CRESWALL, J. D. Mechanisms of mindfulness training: monitor and acceptance theory. Clinical Psychology Review, v. 51, p. 48-59, 2017.

LOPES, R. F. F.; CASTRO, F. S.; NEUFELD, C. B. A terapia cognitiva e o mindfulness: entrevista com Donna Sudak. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, v. 8, n. 1, p. 67-72, 2012.

MANHN, P. A. Ansiedade, qualidade do sono e concentração de cortisol salivar em tenistas adolescentes. 2013. 38f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Piracicaba, 2013.

MARGIS, R. et al. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 25, p. 65-74, 2003.

MCCRAE, R. R.; COSTA JUNIOR, P. T. More reasons to adopt the five-factor model. American Psychologist., v..44, n. 2, p. 451-452, 1989.

MOREIRA, D. F. Jogo patológico: análise por neuroimagem, neuropsicológica e de personalidade. 2004. 133f. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

PIVOTT, C. A construção compartilhada de um plano de turismo para Monteiro Lobato, SP: a sustentabilidade como horizonte. 2014. 398f.Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

RICCI, F. O Desenvolvimento Regional e a Dinâmica do Movimento do Capital. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. v. 1, n. 2, 2004.

ROEMER, L; BORKOVEC, T. D. Effects of suppressing thoughts about emotional material. Journal of Abnormal Psychology, v. 103, n. 3, p. 467-474, 1994.

SELYE, H. The stress of life. New York: McGraw-Hill, 1956.

SILVA, J. L. et al. Estresse e transtornos mentais comuns em trabalhadores de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 10, n. 4, 2008.

SOARES, A. J. A.; ALVES, M. G. P. Cortisol como variável em psicologia da saúde. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 7, n. 2, p. 165-177, 2006.

SOROKIN, et al. Diferenças fundamentais entre o mundo rural e o urbano. In: MARTINS, J. S. Introdução crítica à sociologia rural. São Paulo: Hucitec, 1981. p. 198-224.

ZAVALIS, Andrea et al. A influência dos fatores estressores sobre os níveis de atenção de profissionais de enfermagem. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, v. 7, n. 4, p. 3375-3387, 2015.

ZERBINI, T. et al. Trânsito como fator estressor para os trabalhadores. Saúde, Ética & Justiça, v. 14, n. 2, p. 77-83, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i52.2372

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos o contato cpotraducao. Entretanto, fica a critério do autor. 

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.