NOVO MÉTODO DE MENSURAR FIBRINOGÊNIO NO PLASMA DE CÃES

Autores

  • Andressa Aparecida Oggioni Pivari Universidade Federal do Espirito Santo
  • Gabriel Ricardo De Souza Lima Universidade Federal do Espírito Santo
  • Kamila Teixeira Pandolfi Universidade Federal do Espírito Santo
  • Ronaldo Eugênio De Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo
  • Gabriela Porfírio-Passos Universidade Federal da Bahia
  • Lenir Cardoso Porfírio Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.473

Palavras-chave:

Refratometria, precipitação de proteína, plasma, soro

Resumo

O fibrinogênio (F) eleva-se mediante o estímulo de interleucinas e do fator de necrose tecidual liberados no processo inflamatório. Com o objetivo de propor uma nova técnica para quantificação desta proteína, propôs-se a técnica da diferença do plasma e soro e comparou-se os resultados com a Técnica de Precipitação Térmica (técnica convencional). Para a nova técnica, utilizou-se o sangue de 30 cães em tubos com e sem anticoagulante os quais foram centrifugados a 4000rpm por 10 minutos, e obteve-se o plasma e soro, respectivamente. Quantificou-se as proteínas de cada um em refratômetro e considerou-se a diferença entre o plasma e soro, como o fibrinogênio da amostra, expresso em mg.dL-1. Utilizando as mesmas amostras de sangue, comparou-se os resultados obtidos com a técnica convencional, que envolve mais etapas como banho-maria e centrifugações e obteve-se que correlação intraclasse dos valores médios do fibrinogênio pelas duas técnicas aplicadas para cães foi de 0.4747, considerada uma replicabilidade de Média a Boa, sendo que a técnica proposta mostrou-se eficiente e de mais rápida para execução do exame.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Aparecida Oggioni Pivari, Universidade Federal do Espirito Santo

Departamento de Medicina Veterinária.
Centro de Ciências Agrárias e Engenharias da Universidade Federal do Espírito Santo

Gabriel Ricardo De Souza Lima, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Medicina Veterinária.
Centro de Ciências Agrárias e Engenharias da Universidade Federal do Espírito Santo

Kamila Teixeira Pandolfi, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Medicina Veterinária.
Centro de Ciências Agrárias e Engenharias da Universidade Federal do Espírito Santo

Ronaldo Eugênio De Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Medicina Veterinária.
Centro de Ciências Agrárias e Engenharias da Universidade Federal do Espírito Santo

Lenir Cardoso Porfírio, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Medicina Veterinária.
Centro de Ciências Agrárias e Engenharias da Universidade Federal do Espírito Santo

Downloads

Publicado

2016-11-21

Como Citar

Pivari, A. A. O., De Souza Lima, G. R., Pandolfi, K. T., De Oliveira, R. E., Porfírio-Passos, G., & Porfírio, L. C. (2016). NOVO MÉTODO DE MENSURAR FIBRINOGÊNIO NO PLASMA DE CÃES. Revista Univap, 22(40), 143. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.473