NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E FATORES ASSOCIADOS EM DOCENTES DA FACULDADE DE MEDICINA DE UMA UNIVERSIDADE DO SUDOESTE GOIANO

Beatriz Nascimento Vieira, Sâmara Huang Bastos, Amanda Ferreira França, João Carvalho do Nascimento, Carlabianca Cabral de Jesus Canevari, Renato Canevari Dutra da Silva

Resumo


O ritmo de trabalho e o estilo de vida moderna influenciam em baixos níveis de atividade física, o que pode ser observado nos professores universitários. Essa situação pode comprometer a saúde desses indivíduos, aumentando o risco para inúmeras doenças. Desse modo, objetivou-se com esse estudo avaliar o nível de atividade física e fatores associados em docentes da Faculdade de Medicina da Universidade de Rio Verde. A pesquisa foi realizada através dos seguintes instrumentos: Questionário Internacional de Atividade Física (versão curta), questionário para coleta do índice de massa corpórea autorreferido e de informações sociodemográficas, profissionais e de saúde e aferição da circunferência abdominal com fita métrica. Com isso, os resultados foram positivos para a correlação entre sexo e nível de atividade física, sendo que mulheres apresentam menores níveis do que os homens. Já as outras variáveis não mostraram significância estatística nessa amostra. Também, foram detectados que mais de 50% dos docentes possuem níveis insuficientes de atividade física, medidas elevadas de circunferência abdominal e índice de massa corpórea concernente com excesso de peso. Portanto, conclui-se que grande parte dos docentes apresentou um nível de atividade física insuficiente e dentre os fatores analisados, o sexo foi o único que demonstrou correlação significativa com a inatividade física.


Palavras-chave


Atividade física; obesidade; circunferência abdominal; índice de massa corpórea.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA O ESTUDO DA OBESIDADE E DA SÍNDROME METABÓLICA - ABESO. Diretrizes brasileiras de obesidade. São Paulo, 2016. Disponível em: https://abeso.org.br/wp-content/uploads/2019/12/Diretrizes-Download-Diretrizes-Brasileiras-de-Obesidade-2016.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020

BRASIL, Ministério da Saúde. Inquérito domiciliar sobre comportamentos de risco e morbidade referida de doenças e agravos não transmissíveis: Brasil, 15 capitais e Distrito Federal, 2002-2003. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inquerito_domiciliar_comportamentos_risco_doencas_transmissiveis.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução nº466, de 12 de Dezembro de 2012. Diário

Oficial da União, n 12, seção 1, p. 59, 2013. Disponível em: http://conselho.saude.

gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 30 mar. 2021.

DEVECHIO, A. P. et al. Fatores que influenciam a hipertensão arterial sistêmica e qualidade de vida em professores universitários. Revista Archives of Health Investigation, Araçatuba, v. 6, n. 8, p. 352-358, 2017. Disponível em: http://archhealthinvestigation.com.br/ArcHI/article/view/2217/pdf. Acesso em 23 mar. 2020.

DIAS, J. et al. Prática de atividade física em docentes do ensino superior: foco na qualidade de vida. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, e20170110, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452017000400233&lng=en&nrm=iso. Acesso em 23 mar. 2020.

DIAS, P. C. et al. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 7, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2017000705001&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 mar. 2020.

FAO; IFAD; UNICEF; WFP; WHO. The State of Food Security and Nutrition in the World 2019. Safeguarding against economic slowdowns and downturns. Rome, FAO, 2019. Disponível em: http://www.fao.org/3/ca5162en/ca5162en.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

FREIRE, R. S. et al. Prática regular de atividade física: estudo de base populacional no Norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 20, n. 5, p. 345-349, out. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922014000500345. Acesso em: 23 mar. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Práticas de esporte e atividade física: 2015. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100364.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

MALTA, D. C. et al. Evolução anual da prevalência de excesso de peso e obesidade em adultos nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal entre 2006 e 2012. Rev. Bras. Epidemiol. São Paulo, v. 17, supl. 1, p. 267-276, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141590X2014000500267&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 23 mar. 2020.

MATSUDO, S. et al. Questionário internacional de atividade física (ipaq): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 5-18, 2001. Disponível em: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/931/1222. Acesso em: 23 mar. 2020.

OLIVEIRA, R. A. R. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em professores da Universidade Federal de Viçosa. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 24, n. 4, p. 603-612, dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-51502011000400003. Acesso em: 23 mar. 2020.

OLIVEIRA FILHO, A.; NETTO-OLIVEIRA, E. R.; OLIVEIRA A. A. B. Qualidade de vida e fatores de risco de professores universitários. Rev. Educ. Fís, Maringá, v. 23, n. 1, p. 57-67, mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-30832012000100006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 23 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE - OPAS. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: Estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília, 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_cronico_degenerativas_obesidade_estrategia_mundial_alimentacao_atividade_fisica.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

PALEY, C. A.; JOHNSON, M. I. Abdominal obesity and metabolic syndrome: exercise as medicine? BMC Sports Science, Medicine and Rehabilitation, v. 10, p.1-8, maio 2018.

SANTANA, J. O.; PEIXOTO, S. V. Inatividade física e comportamentos adversos para a saúde entre professores universitários. Rev Bras Med Esporte, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 103-108, abr. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922017000200103&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 23 mar. 2020

SA SILVA, S. P.; SANDRE-PEREIRA, G.; SALLES-COSTA, R. Fatores sociodemográficos e atividade física de lazer entre homens e mulheres de Duque de Caxias/RJ. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 4491-4501, nov. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232011001200022&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 mar. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic: report of a WHO consultation. Genebra: WHO, 2000. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/42330. Acesso em: 23 mar. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v27i53.2420

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Univap

 Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos os revisores abaixo entretanto, fica a critério do autor. 

Língua Inglesa - recomendamos o contato cpotraducao.
Língua Espanhola - recomendamos o contato traducao.

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap


Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

 

 

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.

              


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.