PROPORÇÃO DE CESARIANAS SEGUNDO COR DA PELE E ESCOLARIDADE MATERNA NAS DIFERENTES REGIÕES DO BRASIL: TENDÊNCIA TEMPORAL DE 2007 A 2016

Joyce Ribeiro Rothstein, Ana Caroline Secco, Rafaela Souza, Larissa Weber, Eleonora d’Orsi, Ana Luiza Curi Hallal, Flávia Moreira Soares

Resumo


Este estudo ecológico de série temporal objetivou descrever a proporção de cesarianas segundo cor da pele e escolaridade maternas nas diferentes regiões do Brasil de 2007 a 2016. Os dados foram coletados no Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos e a proporção de cesarianas segundo cor da pele e escolaridade materna foram observadas segundo as macrorregiões. Observou-se aumento na proporção de cesarianas até o ano de 2014 (57,07%), com discreta diminuição nos anos de 2015 (55,55%) e 2016 (55,44%). Em todas as regiões, quanto maior o nível de escolaridade, maior a proporção de cesarianas. Em relação à cor da pele, a branca correspondeu a maior proporção em todas as regiões, especialmente na Centro Oeste e Sul. A indígena correspondeu a menor proporção de cesarianas, apesar de haver aumento principalmente no Sul, apontando para uma determinação da região de residência da mãe superior às demais variáveis como cor da pele e escolaridade.

Palavras-chave


Cesárea; escolaridade; grupos raciais; distribuição temporal.

Referências


BARROS, F. et al. Epidemic of caesarean sections in Brazil. The Lancet, v. 338, n. 8760, p. 167-169, 1991.

BETRAN, A. P. et al. The Increasing Trend in Caesarean Section Rates: Global, Regional and National Estimates: 1990-2014. PLoS ONE, San Francisco, v. 11, n. 2, e0148343, 2016.

BOERMA, T. et al. Global epidemiology of use of and disparities in caesarean sections. The Lancet, v. 392, e10155, p.1341-8, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS - DATASUS. Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos - SINASC. Brasília, DF: Ministério da Saúde. 2018. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def. Acesso em: 30 out. 2018

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de atenção à gestante: a operação cesariana. Brasília, DF: Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS. 2016. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2015/Relatorio_PCDTCesariana_CP.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 465 p. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf. Acesso em: 27 fev. 2019.

BRASIL. Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS. Resolução Normativa - RN Nº 368, de 6 de janeiro de 2015. Dispõe sobre o direito de acesso à informação das beneficiárias aos percentuais de cirurgias cesáreas e de partos normais, por operadora, por estabelecimento de saúde e por médico e sobre a utilização do partograma, do cartão da gestante e da carta de informação à gestante no âmbito da saúde suplementar, 2015. Disponível em: http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=Mjg5Mg. Acesso em: 27 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, jun. Seção 1. 2011.

COSTA-RAMÓN, A. M. et al. It’s about time: Cesarean sections and neonatal health. Journal of Health Economics. v. 59, p. 46-59, 2018.

ENTRINGER, A. P. et al. Impacto do planejamento do parto vaginal e da cesariana eletiva sem indicação clínica no Brasil. Rev Panam Salud Publica, Washington, v. 42, 116, 2018.

FREITAS, P. F.; FERNANDES, T.M. Associação entre fatores institucionais, perfil da assistência ao parto e as taxas de cesariana em Santa Catarina. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, n. 19, n. 3, p. 525-538, 2016.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF). Quem espera, espera, 2017. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/pt/quem_espera_espera.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

HASLINGER, C. et al. A importância da Psicologia no atendimento mães e pais na maternidade. In: JORNADA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA: DESAFIOS ATUAIS NAS PRÁTICAS DA PSICOLOGIA, 4, 2011. Santa Cruz do Sul. Anais..., Santa Cruz do Sul: UNISC, 2011.

HOFELMANN, D. A. Tendência temporal de partos cesáreos no Brasil e suas Regiões: 1994 a 2009. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 21, n. 4, p. 561-568, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais. Características étnico-raciais da população: um estudo das categorias de classificação de cor ou raça 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. p. 93. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv49891.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

LEAL, M. C. et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. Suppl 1, p. 17-32, 2014.

LINWATTANANON, S.; TANGCHAROENSATHIEN, V.; SIRILAK, S. Trends and inequities in where women delivered their babies in 25 low-income countries: evidence from Demographic and Health Surveys. Reprod Health Matters, v.19, n. 11, p. 75-85. 2011.

MADEIRO, A.; RUFINO, A. C.; SANTOS, A. O. Partos cesár,os no Piauí: tendência e fatores associados no período 2000-2011. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 26, n. 1, p.81-90, 2017.

MARTINS, C. P. et al. Humanização do parto e do nascimento: Pela gestação de

formas de vida das quais possamos ser protagonistas. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Ministério da Saúde, 2014. p. 9-18. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf. Acesso em: 27 fev. 2019.

MENDOZA-SASSI, R. A. et al. Risk factors for cesarean section by category of health service. Rev Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 80-9, 2010.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Declaração da OMS sobre taxas de cesáreas. Genebra: OMS; 2015.

RATTNER, D.; MOURA, E. C. Nascimentos no Brasil: associação do tipo de parto com variáveis temporais e sociodemográficas. Rev. Bras. Saude Mater. Infant, Recife, v. 16, n. 1, p. 39-47, 2016.

REBELO, F. et al. High cesarean prevalence in a national population-based study in Brazil: the role of private practice. Acta Obstet Gynecol Scand, v. 89, n. 7, p. 903-908, 2010.

RYAN, G. A.; NICHOLSON, S. M.; MORRISON, J. J. Vaginal birth after caesarean section: current status and where to from here? European Journal of Obstetrics and Gynecology and Reproductive Biology, v. 224, p. 52-57, 2018.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica - DIVE. Histórico do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). [internet]. 2018. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/index.php/historico-sinasc. Acesso em: 30 out. 2018.

WHO. Global Survey on Maternal and Perinatal Health Research Group. Caesarean section without medical indications is associated with an increased risk of adverse short-term maternal outcomes, Organização Mundial da Saúde, 2010. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/70494/WHO_RHR_HRP_10.20_eng.pdf;jsessionid=2180DAF53F182CA93767A55D65870110?sequence=1. Acesso em: 03 nov. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i49.2224

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Univap

Revista UniVap é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 9 indexadores:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.