OXIMETRIA DE PULSO: PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO E APLICAÇÕES

Autores

  • Adrielle Martins Monteiro Associação de Ensino Superior do Piauí http://orcid.org/0000-0002-1661-9399
  • Lílian Melo de Miranda Fortaleza UNIVAP/ IP&D - Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento
  • Lízia Daniela e Silva Nascimento UNIVAP/ IP&D - Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento
  • Diego Rodrigues Pessoa UNIVAP/ IP&D - Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento
  • Raimundo Barros de Araújo Júnior UNIVAP/ IP&D - Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1186

Palavras-chave:

Oximetria, Sensor, Sinais, Perfusão Tecidual.

Resumo

A monitorização padrão em unidades de terapia intensiva, centros cirúrgicos, áreas de recuperação, ambulâncias, dentre outros ocorre por meio da oximetria de pulso, onde os oxímetros de pulso são utilizados na determinação do nível de saturação de oxigênio (SpO2) no sangue arterial. Essa quantificação é feita através de sensores ópticos posicionados externamente ao paciente. O princípio da oximetria de pulso fundamenta-se na absorção da luz de comprimento de onda conhecido (660 e 940 nm) pela hemoglobina oxigenada. Este trabalho trata-se de uma revisão integrativa e bibliográfica de publicações científicas no período entre 2006 e 2016, além de livros, dissertação de mestrado, tese de doutorado e manuais técnicos. O conhecimento dos princípios básicos de funcionamento da oximetria é importante porque permite o reconhecimento de leituras errôneas e suas limitações. A oximetria é capaz de distinguir hemoglobina oxigenada da desoxigenada, constituindo um método não invasivo, de fácil utilização, responsável por captar a saturação arterial de forma contínua e segura.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-11-01

Como Citar

Monteiro, A. M., Fortaleza, L. M. de M., Nascimento, L. D. e S., Pessoa, D. R., & Júnior, R. B. de A. (2016). OXIMETRIA DE PULSO: PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO E APLICAÇÕES. Revista Univap, 22(40), 76. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1186

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.