GERMINAÇÃO IN VITRO DE DALBERGIA NIGRA VELL. FR. ALL. EX BENTH

Autores

  • João Otávio Silva Malaquias Universidade Federal do Espírito Santo http://orcid.org/0000-0003-4593-6104
  • Aline Tintori Mantovani Universidade Federal do Espírito Santo
  • Tabatta Caroline Cerri França Universidade Federal do Espírito Santo
  • Geisiele Silva Martins Universidade Federal do Espírito Santo
  • Renan Carrari dos Santos Universidade Federal do Espírito Santo
  • Mariana Spala Corrêa Universidade Federal do Espírito Santo
  • Elias Terra Werner Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.730

Palavras-chave:

Meio de cultivo, desinfestação, cultivo in vitro, mata atlântica, jacarandá-da-bahia

Resumo

A história do Brasil é inteiramente ligada a espécies nativas que moveram a economia do país por décadas, entre essas espécies está o jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra Vell. Fr. All. Ex Benth), cuja madeira possui alto valor comercial. Sua exploração aliada à falta de manejo levou essa espécie a figurar na lista das espécies ameaçadas de extinção da flora brasileira. Diante do exposto, o objetivo do presente trabalho foi avaliar as condições mais favoráveis à germinação e estabelecimento in vitro de jacarandá-da-bahia, a fim de possibilitar posteriormente a micropropagação e produção de plântulas viáveis. As sementes foram submetidas a dois tratamentos para desinfestação, uma com hipoclorito de sódio outro com peróxido de hidrogênio. Foi realizado um teste de germinação com três meios de cultivo (MS, WPM e B5) sendo o delineamento inteiramente casualizado. O tratamento com peróxido de hidrogênio apresentou maior porcentagem de germinação (72%). Os resultados de Parte Aérea (PA), Comprimento da Raiz (CR), e Massa Fresca (MF) não diferiram estatisticamente. Quanto ao número de folhas, o Meio WPM apresentou maior número de folhas, não distinguindo estatisticamente do Meio B5 (4.31 e 4.15).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Otávio Silva Malaquias, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Aline Tintori Mantovani, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Tabatta Caroline Cerri França, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Geisiele Silva Martins, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Renan Carrari dos Santos, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Mariana Spala Corrêa, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Elias Terra Werner, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Biologia, Cultura de Tecidos.

Downloads

Publicado

2017-03-23

Como Citar

Malaquias, J. O. S., Mantovani, A. T., França, T. C. C., Martins, G. S., dos Santos, R. C., Corrêa, M. S., & Werner, E. T. (2017). GERMINAÇÃO IN VITRO DE DALBERGIA NIGRA VELL. FR. ALL. EX BENTH. Revista Univap, 22(40), 653. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.730