AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO COM MANIPULADORES DE ALIMENTOS APÓS OCORRÊNCIA DE SURTO DE TOXINFECÇÃO ALIMENTAR EM RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO

Patrícia de Jesus Borges, Maria da Conceição Pereira da Fonseca, Jeane dos Santos Ferreira, Priscila Quênia Muniz, Carlos Rodrigo Nascimento de Lira

Resumo


Foi avaliado o treinamento desenvolvido com os colaboradores do Serviço de Alimentação Estudantil de um Restaurante Universitário, em dezembro de 2014, por meio de levantamento da situação de Boas Práticas de Fabricação, análise do nível de conhecimento dos manipuladores de alimentos e verificação da mudança de comportamento e atitudes ao manipularem os alimentos. O estudo evidenciou que o treinamento não aumentou de forma satisfatória o nível de conhecimento dos manipuladores sobre Boas Práticas de Fabricação, contudo, influenciou na adoção de comportamentos e práticas mais adequadas, sugerindo que podem existir outros motivos para a adoção dessas medidas, como o reconhecimento e a valorização dos colaboradores e assim, a capacitação pode ter funcionado como uma medida de incentivo.



Palavras-chave


Treinamento; nível de conhecimento; avaliação; boas práticas de fabricação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADANE, M. et al. Food hygiene and safety measures among food handlers in street food shops and food establishments of Dessie town, Ethiopia: A community-based cross-sectional study. PLoS ONE, v. 13, n. 5, p. 1-13, 2018.

ADESOKAN, H. K.; AKINSEYE, V. O.; ADESOKAN, G. A. Food Safety Training Is Associated with Improved Knowledge and Behaviours among Foodservice Establishments’ Workers. International Journal of Food Science, 2015.

AKABANDA, F.; HLORTSI, E. H.; OWUSU-KWARTENG, J. Food safety knowledge, attitudes and practices of institutional food-handlers in Ghana. BMC Public Health, 2017.

ALMEIDA, R. C. C. et al. Avaliação e controle da qualidade microbiológica de mãos de manipuladores de alimentos. Revista Saúde Pública, v. 29, n. 4, p. 290-294, 1995.

ARRUDA, G. A. Manual de Boas Práticas: unidades de alimentação e nutrição. 2. ed. São Paulo: Ponto Crítico. v. 2, p. 177, 2002.

AZIZ, S. A. A.; DAHAN, H. M. Food handlers' attitude towards safe food handling in School Canteens. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 105, p. 220-228, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Diário Oficial da União, Brasília, 2004.

CARDOSO, R. C. V. et al. Programa nacional de alimentação escolar: há segurança na produção de alimentos em escolas de Salvador (Bahia). Revista de Nutrição, v. 23, n. 5, p. 801-811, 2010.

CATTAFESTA, M. et al. Condições higiênicos sanitárias de um restaurante universitário e as práticas alimentares de seus usuários. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, n. 4, p. 36-43, 2012.

CLARK, J.; CRANDALL, P.; SHABATURA, J. Effects of Dressing Technology on Restaurant Meal Manipulator Training Results. Journal of Food Protection: v. 81, n. 8, p. 1220-1226, 2018.

DUDEJA, P. et al. Effectiveness of an intervention package on knowledge, attitude, and practices of food handlers in a tertiary care hospital of north India: A before and after comparison study. Medical journal armed forces índia, v. 73, p. 49–53, 2017.

FERREIRA, J. S. et al. Conhecimento, atitudes e práticas em segurança alimentar de manipuladores de alimentos em hospitais públicos de Salvador, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 37, sup. 1, p. 35-55, 2013.

FORSYTHE, S. J. Microbiologia da segurança alimentar. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GHISLENI, D. R.; BASSO, C. Educação em saúde a manipuladores de duas unidades de alimentação e nutrição do município de Santa Maria/RS. Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 101-108, 2008.

GOMES, C. C. B. et al. Training of Food Handlers in a Hotel: Tool for Promotion of the Food Safety. Journal of Food Safety v. 34, n. 3, p. 218–223, 2014.

MAGALHÃES, M. S. et al. Condições sanitárias de estabelecimentos comerciais avaliados pela lista de inspeção para a Copa do Mundo Fifa 2014 em Fortaleza, CE. Revista de Higiene Alimentar, v. 29, 2015.

MARIANO, C. G.; MOURA, P. N. Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em Unidade Produtora de Refeições (UPR) Auto Gestão do interior do estado de São Paulo. Revista Salus, Guarapuava-PR, v. 2, n. 2, p. 73-81, 2008.

MARINHO, C. B.; SOUZA, C. S.; RAMOS, A. S. Avaliação do binômio tempo-temperatura de refeições transportadas. E-scientia, v. 2, n. 1, p. 1-11, 2009.

MELO, L. M. et al. Perfil higiênico-sanitário de restaurantes comerciais e conhecimento dos manipuladores de alimentos antes e após os treinamentos sobre boas práticas de fabricação. Horizonte Científico, Uberlândia, v. 11, p. 1-13, 2017.

MEDEIROS, M. G. G. A.; CARVALHO, L. R.; FRANCO, R. M. Percepção sobre a higiene dos manipuladores de alimentos e perfil microbiológico em restaurante universitário. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 2, p. 383-392, 2017.

MINNAERT, A. C. S. T.; FREITAS, M. C. S. Práticas de higiene em uma feira livre da cidade de Salvador (BA). Ciência e Saúde Coletiva, v. 15, Supl. 1, p. 1607-1614, 2010.

NASCIMENTO, G. A.; BARBOSA, J. S. BPF - Boas Práticas de Fabricação: Uma revisão. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 21, n. 148, p. 24-30, 2007.

OLIVEIRA, M. N.; BRASIL, A. L. D.; TADDEI, J. A. A. C. Avaliação das condições higiênico-sanitárias das cozinhas de creches públicas e filantrópicas. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 1051-1060, 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE - OMS. Métodos de vigilancia sanitaria y de gestión para manipuladores de alimentos : informe de una reunión de consulta de la OMS, [‎Ginebra, 18-22 de abril de 1988]‎. Ginebra: Organización Mundial de la Salud, 1989. Disponível em: http://www.who.int/iris/handle/10665/38647. Acesso em: 20 abr. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Manual para a Vigilância Integrada de Doenças de Origem Alimentar na Região Africana da OMS. Brazzaville: Escritório Regional para a África, 2012. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/170267. Acesso em: 20 abr. 2019.

PAGOTTO, H. Z. et al. Nível de conhecimento, atitudes e práticas dos manipuladores de alimentos em serviços de alimentação. Demetra; v. 13, n. 1, p. 293-305, 2018.

RABELO, F. M.; BRESCIANI, E, F.; OLIVEIRA, C. A. B. Treinamento e gestão da qualidade. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 13-19, 1995.

RIBEIRO, M. L. Impacto de capacitação em boas práticas no restaurante universitário da Universidade Federal de Viçosa-Campus Rio Paranaíba. 2016. 217 f. Dissertação (Mestrado profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal de Viçosa, Uberaba, 2016.

SACCOL, A. L. F. Sistematização de ferramentas de apoio para boas práticas em serviços de alimentação. 2007. 188 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

SANTOS, V. S. Impacto dos treinamentos de Boas Práticas de Fabricação na produção de merenda escolar em escolas municipais de Rio Paranaíba – MG. 2013. 129 f. Dissertação (Mestrado profissional em Ciência e Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal de Viçosa, Uberaba, 2013.

SEAMAN, P.; EVES, A. The management of food safety- the role of food hygiene training in the UK service sector. International Journal of Hospitality Management, v. 25, p. 278-296, 2006.

SILVA JUNIOR, E. A. Manual de controle higiênico sanitário em serviços de alimentação. 6. ed. São Paulo: Varela, 2007.

SILVA JUNIOR, E. A. Manual de Controle Higiênico: Sanitário em Serviços de Alimentação. 7. ed. São Paulo: Varela, 2014.

SILVA, L. O.; COSTA, V. P. G.; ARAÚJO, C. R. B. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de refeições transportadas em uma unidade de alimentação e nutrição de Natal/RN. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Centro Universitário do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2012.

SOARES, L. S. Segurança dos Alimentos: avaliação do nível de conhecimento, atitudes e práticas dos manipuladores de alimentos na rede municipal de ensino de Camaçari-BA, 2011. Dissertação (Mestrado em Alimentos, Nutrição e Saúde) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

SOUZA, J. C.; ARAÚJO, M. P. N. Redefinindo para melhor refletir: um ensaio sobre as limitações das estratégias de padronização das práticas de higiene em serviços de alimentação para coletividades no Brasil. Rev. De Alim. Cult. Américas, Brasil, Brasília/DF, v. 1, n. 1, p.107-119, 2019.

STEDEFELDT, E. et al. Conhecimentos, atitudes, práticas e percepção de risco de manipuladores de alimentos antes e após formação para um evento de massa. Revista Higiene Alimentar, v. 29, p. 360-365, 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Report on global burden of foodborne disease. 2015. Disponível em: http://www.ianphi.org/news/2015/foodborneillness.html. Acesso em: 20 abr. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i52.2298

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos o contato cpotraducao. Entretanto, fica a critério do autor. 

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Indexadores e diretório da Revista UNIVAP:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.