AÇÕES INTERVENCIONISTAS NO ALIVIO DOS SINTOMAS DE DOENÇAS REUMÁTICAS EM IDOSOS

Paula Moura Oliveira, Luan Felix Silva Alves, Ariane Gomes da Silva, Natam Oliveira Pires, Thaís Ribeiro Nascimento, Graciete Souza Cruz, Luzia Wilma Santana da Silva, Tatiane Dias Casimiro Valença

Resumo


O Brasil tem apresentado nas últimas décadas o aumento da população idosa e da incidência das doenças crônicas não transmissíveis, como as reumáticas, que comprometem a capacidade funcional das pessoas idosas. O objetivo do estudo foi traçar o perfil sociobiodemográfico e a partir desse conhecimento elaborar um programa de exercícios físicos para alívio dos sintomas apresentados pelos idosos com doenças reumáticas cadastrados em um projeto de extensão. Estudo quantitativo, exploratório, descritivo e intervencionista realizado com 40 idosos cadastrados em um Núcleo de Extensão da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Jequié-BA. Foi empregado um questionário sociobiodemográfico elaborado pelos pesquisadores e uma abordagem intervencionista com programa de exercício físico funcional. Os dados foram analisados por meio do Software Statistical Package for Social Science (SPSS)® versão 20.0. Os resultados foram de 100% mulheres, 70% entre 60-70 anos, 75% cor parda, 65% donas de casa, 25% ensino fundamental I incompleto, 95% renda de 1 a 3 salários mínimos, 100% com osteoartrite, 75% apresentavam HAS, 20% deram nota 8 e 20%, nota 5 para a dor, 70%, acometidos na região da coluna lombar. A literatura científica indica a prática de exercício físico como uma das condutas mais eficaz no tratamento das doenças reumáticas. Concluiu-se que o conhecimento do perfil dos idosos possibilitou caracterizar as doenças reumáticas e os sintomas que afetavam os idosos cadastrados no projeto de extensão, assim como a elaboração de um programa de exercício físico que visou a melhora dos sintomas das doenças reumáticas nesse grupo de idosos.

Palavras-chave


Pessoa idosa; doenças reumáticas; sinais e sintomas; exercício físico.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDUZZI, G. O. et al. Capacidade funcional de idosos com osteoartrite submetidos a fisioterapia aquática e terrestre. Fisioter. Mov., v. 26, n. 2, p. 349-60, 2013.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html Acesso em: 05 maio 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. 105 p. 2014. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/agravos/publicacoes/PNS%202013%20Percepção%20do%20estado%20de%20saúde%20estilos%20de%20vida%20e%20doenças%20crônicas.pdf. Acesso: 25 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf Acesso: 29 maio 2019.

DUARTE, V. S. et al. Exercícios físicos e osteoartrose: uma revisão sistemática. Fisioter. Mov., v. 26, n. 1, p. 193-202, 2013.

ELLINGSON, L. D. et al. Physical activity, sustained sedentary behavior, and pain modulation in women with fibromyalgia. The Journal of Pain, v. 13, n. 2, p.195-206, 2012.

FERNANDES, R. S. C.; NOGUEIRA, M. P. Efeitos da orientação da atividade física em pacientes com osteoartrite avançada do joelho. Rev Bras Med Esporte, v. 22, n. 4 p. 302-305, 2016.

FRANCISCO, P. M. S. B. et al. Incapacidade funcional para atividades instrumentais da vida diária em idosos com doenças reumáticas. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., v. 21, n. 5, p. 591-600, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017. Acesso: 25 maio 2019.

JORGE, M. S. G. et al. Efeitos da cinesioterapia na osteoartrite de joelho em idosos: revisão sistemática. ConScientia e Saúde, v. 7, n. 1, p. 93-100, 2018.

KENNEDY, B. K. K. et al. Geroscience: Linking Aging to Chronic Disease. Cell, v.159, p. 709-713, 2014.

KUNZLER, R. B.; BULLA, L. C. Idosos brasileiros: o contexto dos direitos sociais e das políticas sociais. Argumentum, v. 6, n.1, p. 153-59, 2014.

LEITE, A. A. et al. Comorbidades em pacientes com osteoartrite: frequência e impacto na dor e na função física. Rev Bras Reumatol, v. 51, n. 2, p. 113-123, 2011.

LOPES, G. L.; SANTOS, M. I. P. O. Funcionalidade de idosos cadastrados em uma unidade da Estratégia Saúde da Família segundo categorias da Classificação Internacional de Funcionalidade. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., v.18, n.1, p.71-83, 2015.

LOURESA, F. B. et al. Avaliação do índice de massa corporal como fator prognóstico na osteoartrose do joelho. Rev. Bras. ortop., v. 51, n. 4, p. 400-404, 2016.

MALTA, D. C. et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev. Saude Publica, v.51, Supl. 1, 4s, 2017.

MANSO, M. E. G.; GALERA, P. B. Perfil de um grupo de idosos participantes de um programa de prevenção de doenças crônicas. Estud. interdiscipl. envelhec., v. 20, n. 1, p. 57-71, 2015.

MANSO, M. E. G.; RIBEIRO, M. P. Caracterização das condições de saúde de um grupo de idosos pertencente a um plano de saúde. Revista Brasileira de Medicina, v. 69, n. 3, p. 45- 55, 2012.

MARCHI, K. C. et al. Adesão à medicação em pacientes com doença de Parkinson atendidos em ambulatório especializado. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 3, p. 855-862, 2013.

MARTÍN, A. D. H. et al. Rehabilitación integral del paciente reumático. Revista Cubana de Reumatología, v. 16, n. 1, p. 15-22, 2014.

MARTINEZ, J. E.; GRASSI D. C.; MARQUES, L. G. Análise da aplicabilidade de três instrumentos de avaliação de dor em distintas unidades de atendimento: ambulatório, enfermaria e urgência. Rev Bras Reumatol., v. 51, n. 4, p.299-308, 2011.

MARTINS, G. C. et al. Correlação entre a classificação radiográfica de Ahlbäck e o estado de conservação do ligamento cruzado anterior em gonartrose primária. Rev. Bras. Ortop., v. 2, n. 1, p. 69-74, 2017.

MATAVELLI, I. S. et al. Hipertensão Arterial Sistêmica e a Prática Regular de Exercícios Físicos como Forma de Controle: Revisão de Literatura. Rev Bras. Cienc. Saúde, v. 18, n. 4, p. 359-366, 2014.

MIRANDA, G. M. D.; MENDES, A. C. G.; DA SILVA, A. L. A. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., v. 19, n. 3, p. 507-519, 2016.

NAGAYOSHI, B. A. et al. Artrite reumatoide: perfil de pacientes e sobrecarga de cuidadores. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., v. 21, n. 1, p. 45-54, 2018.

OLIVEIRA, N. C.; VATRI, S.; ALFIERI, F. M. Comparação dos efeitos de exercícios resistidos versus cinesioterapia na osteoartrite de joelho. Acta Fisiátr., v. 23, n. 1, p. 7-11, 2016.

PACCA, D. M. et al. Prevalência de dor articular e osteoartrite na população obesa brasileira. ABCD Arq Bras Cir Dig., v. 31, n. 1, e1344, 2018.

QUEIROZ, M. A. C. et al. Social representations of sexuality for the elderly. Rev. Bras. Enferm., v. 68, n. 4, p. 662-667, 2015.

REBELLO, P. A. et al. Estamos Ensinando o que É Necessário sobre Doenças Reumatológicas? Revista Brasileira de Educação Médica, v. 39, n. 2, p. 246-251, 2015.

REIS, J. W. S. et al. Condições de Saúde de Idosos com Diabetes Mellitus de uma Atenção Básica. Rev. Mult. Psic., v. 13, n. 45, p. 794-806, 2019.

REZENDE, M. U.; CAMPOS, G. C.; PAILO, A. F. Conceitos atuais em osteoartrite. Acta Ortop Bras., v. 21, n. 2, p. 120-122, 2013.

SANTANA, F. S. et al. Avaliação da capacidade funcional em pacientes com artrite reumatoide: implicações para a recomendação de exercícios físicos. Rev Bras. Reumatol., v. 54, n. 5, p. 378-385, 2014.

SANTOS, J. P. M. et al. Análise da funcionalidade de idosos com osteoartrite. Fisioter. Pesq., v. 22, n. 2, p. 161-168, 2015.

SILVA, A. R. et al. Doenças crônicas não transmissíveis e fatores sociodemográficos associados a sintomas de depressão em idosos. J. Bras. Psiquiatr. v. 66, n. 1, p. 45-51, 2017.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA (SBC). 7a. Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. DBHA. Arq Bras Cardiol., v. 107, n. 3, Supl. 3, p. 1-83, 2016.

SOUZA, I. F. S. et al. Idosos com osteoartrite de joelhos devem realizar avaliação nutricional: revisão integrativa da literatura. Einstein, v. 15, n. 2, p. 226-232, 2017.

VIEIRA, W. H. B. et al. Eficácia do exercício em grupo em pacientes com osteoartrose: estudo piloto quase-experimental. ConScientia e Saúde, v. 11, n. 3, p. 391-400, 2012.

WOLFF, R. B. et al. Aspectos moleculares dos esteroides sexuais sobre a cartilagem e os ossos. Rev. Assoc. Med. Bras., v. 58, n.4, p. 493-497, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v27i53.2322

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Univap

 Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos os revisores abaixo entretanto, fica a critério do autor. 

Língua Inglesa - recomendamos o contato cpotraducao.
Língua Espanhola - recomendamos o contato traducao.

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap


Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

 

 

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.

              


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.