VULNERABILIDADE E EMPATIA DE CUIDADORES/FAMILIARES DE PACIENTES HOSPITALIZADOS COMO SENTIMENTO REFLEXO À EQUIPE ASSISTENCIAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2215

Palavras-chave:

Cuidadores, crianças, hospitalização.

Resumo

Este estudo objetiva verificar se ocorre o sentimento de vulnerabilidade ou não e se o cuidador percebe empatia e apoio por parte da equipe assistencial. Trata-se de um estudo descritivo e qualitativo. Os participantes foram os cuidadores/familiares de crianças e adolescentes internadas num hospital pediátrico da região do Vale do Itajaí.  A técnica de coleta de dados foi a entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo temática de Bardin. Participaram da pesquisa um total de 11 cuidadores/familiares, sendo todas do sexo feminino. Em relação ao parentesco, 09 eram mães, 01 irmã e 01 era tia. As três principais categorias de investigação que emergiram foram: motivação– melhora na Família, sentimentos dos cuidadores/familiares durante o processo de internação e sentimentos dos cuidadores/familiares durante a visita dos profissionais da saúde. O cotidiano do cuidador/familiar é caracterizado por processos que visam um objetivo único, que é a recuperação da saúde da criança e adolescente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheulli Guilherme Corrêa de Andrade, Universidade do Vale do Itajai

Egresso do Curso de Fiisoterapia da Univali e bolsista do Pibic

Edilaine Kerkoski, Univali

Doutora em Enfermagem, fisioterapeuta e docente do curso de fisioterapia na Univali

Referências

ALMEIDA, K. S.; LEITE, M. T.; HILDEBRANDT, L. M. Cuidadores familiares de pessoas portadoras de Doença de Alzheimer: revisão da literatura. Rev. Eletr. Enf., v. 1, n. 2, p. 403-412, 2009. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v11/n2/pdf/v11n2a23.pdf. Acesso em: 9 mar. 2018.

BARDIN L. Análise de conteúdo, São Paulo: Edições 70, 2011.

CASTRO. L. M.; SOUZA, D. N. Programa de intervenção psicossocial aos cuidadores informais familiares: o cuidar e o autocuidado. Rev. Interações, v. 12, n. 42, p. 150-162, 2016.Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/11819. Acesso em: 15 jun. 2018.

COSTA, S. R. D.; CASTRO, E. A. B. Autocuidado do cuidador familiar de adultos ou idosos dependentes após a alta hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 67, n. 6, p. 979-986, 2014.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n6/0034-7167-reben-67-06-0979.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

FAQUINELLO, P.; HIGARASHI, I. H.; MARCON, S. S. O atendimento humanizado em unidade pediátrica: percepção do acompanhante da criança hospitalizada. Texto Contexto Enferm, v. 16, n. 4, p.609-616, 2007. Disponível em; http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000400004. Acesso em: 15 jun. 2018.

GOMES, G. C. et al. The family living the time during the hospitalization of the child: contributions for nursing. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem, v. 18, n. 2, p. 1-1, 2014.

GOMES, G. C.; OLIVEIRA, P. K. Vivências da família no hospital durante a internação da criança. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 33, n. 4, p. 165-171, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000400021. Acesso em: 18 jun. 2018

JORGE, C. F.; TOLDORÁ, R. C. Percepção dos cuidadores sobre a experiência de cuidar dos familiares e a relação com a equipe profissional no contexto da hospitalização. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, v. 28, n. 3, p. 217-280, jun. 2017. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/117475. Acesso em: 23 abr. 2018.

LAI, C. et al. Psychological impairments burden and spirituality in caregivers of terminally ill cancer patients. European Journal Of Cancer Care, v. 27, n. 1, 2017.

LIMA, M. F. et al. Crianças dependentes de tecnologia: desvelando a realidade do cuidador familiar. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 14, n. 4, p. 665-73, 2013. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3515. Acesso em: 20 abr. 2018.

LOPES, M. G. C. Estudo da Saúde e da Qualidade de Vida Percebida pela Criança Hospitalizada. 2012. Tese ( Doutorado Departamento de Didáctica, Organización Y Métodos De Investigación ) - Universidad de Salamanca, Salamanca, 2012.

MENEZES, M. A criança e sua rede familiar: significações do processo de hospitalização. 2010. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

MURAKAMI, R.; CAMPOS, C. J. G. Importância da relação interpessoal do enfermeiro com a família de crianças hospitalizadas. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 64, n. 2, p. 254-260, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000200006. Acesso em: 21 jun. 2018.

OLIVEIRA, S. O. et al. Repercussões na vida de cuidadores/familiares de crianças e adolescentes com doença oncológica. Cogitare Enfermagem, v. 23, n. 2, e51589, 2018. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/51589. Acesso em: 28 jun. 2018.

OLIVEIRA, W. F. O núcleo de humanização, arte e saúde: uma experiência coletiva de produção social de saúde. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental. v. 8, n. 18, p.198-211, 2016. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/4224. Acesso em: 08 jun. 2018.

PASKULIN, L. M. G. et al. Depressive symptoms of the elderly people and caregiver’s burden in home care. Investigación y Educación En Enfermería, v. 35, n. 2, p. 210-220, 2017.

QUIRINO, D. D.; COLLET, N.; NEVES, A. F. G. B. Hospitalização infantil: concepções da enfermagem acerca da mãe acompanhante. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 300-306, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472010000200014. Acesso em: 10 maio 2018

SANCHES, M. V. P.; NASCIMENTO, Lucila C.; LIMA, Regina A. G. de. Crianças e adolescentes com câncer em cuidados paliativos: experiência de familiares. Rev. bras. enferm., Brasília, v. 67, n. 1, p. 28-35, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140003. Acesso em: 10 maio 2018.

SILVA, M. A. S. et al. Cotidiano da família no enfrentamento da condição crônica na infância. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 23, n. 3, p. 359-365, 2010.Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000300008. Acesso em: 02 maio 2018.

VAN DAM, P. H.; ACHTERBERG, W. P.; CALJOUW, M. A. Care-Related Quality of Life of Informal Caregivers After Geriatric Rehabilitation. Journal Of The American Medical Directors Association, v. 18, n. 3, p.259-264, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27838337. Acesso em: 06 jun. 2018.

Downloads

Publicado

2019-12-06

Como Citar

Chesani, F. H., Andrade, M. G. C. de, & Kerkoski, E. (2019). VULNERABILIDADE E EMPATIA DE CUIDADORES/FAMILIARES DE PACIENTES HOSPITALIZADOS COMO SENTIMENTO REFLEXO À EQUIPE ASSISTENCIAL. Revista Univap, 25(48), 149–159. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2215

Edição

Seção

Artigos da edição especial "Vivendo globalmente e agindo localmente - A saúde como tema complexo"