CITOTOXICIDADE DOS EXTRATOS GLICÓLICOS DE Cynara scolymus (ALCACHOFRA), Myracrodruom urundeuva (AROEIRA-DO-SERTÃO) E Camellia sinensis (CHÁ VERDE)

Karen Cristiane Higa, Adeline Lacerda Jorjão, Felipe Eduardo Oliveira, Jonatas Rafael de Oliveira, Graziella Nuernberg Back Brito, Antonio Olavo Cardoso Jorge, Luciane Dias de Oliveira

Resumo


Produtos naturais, como extratos glicólicos de plantas, são importantes para a aplicação clínica na área da saúde, como em enxaguatórios bucais, cremes dentais e irrigação intracanal. Assim é necessário realizar estudos de citotoxicidade desses extratos glicólicos. O presente estudo buscou avaliar a atividade citotóxica dos extratos glicólicos de Cynara scolymus L. (alcachofra), Myracrodruom urundeuva Allem. (aroeira-do-sertão-do-sertão) e Camellia sinensis (L.) Kuntze (chá verde) em macrófagos de camundongo (RAW 264.7) pelo teste de atividade metabólica MTT. Para tanto, as células foram distribuídas em microplacas de 96 poços e foram expostas a 11 diluições seriadas de cada extrato (200 mg/mL,100 mg/mL, 50 mg/mL, 25 mg/mL, 12,5 mg/mL, 6,25 mg/mL, 3,13 mg/mL, 1,56 mg/mL, 0,78 mg/mL, 0,39 mg/mL e 0,20 mg/mL), sendo n=8 para cada diluição. Após o tempo de contato de 5 minutos e 24 horas, foi avaliada a viabilidade celular utilizando o teste MTT. Diante destes resultados, no tempo de exposição de 5 minutos com os extratos, em ordem crescente de redução da viabilidade celular, seguiram-se o chá verde, com aumento da viabilidade celular, a aroeira-do-sertão e o extrato de alcachofra. Por meio do MTT dos três extratos por tempo de exposição de 24 horas, observou-se que o extrato de alcachofra apresentou maior toxicidade, seguido do extrato de chá verde e aroeira-do-sertão. A análise estatística foi realizada por ANOVA e teste de Tukey, com significância de 5%. Conclusões: Entre os extratos, o chá verde com 12,5mg/mL, com interessantes 5 minutos e 24 horas, despertou atenção, pois foi a maior concentração e não apresentou citotoxicidade para os macrófagos, assim como a alcachofra que foi a mais citotóxica para os macrófagos, em ambos os tempos (5 min e 24 h).

Palavras-chave


Chá verde; alcachofra; aroeira-do-sertão; atividade citotóxica; macrófagos.

Texto completo:

PDF

Referências


CARLINI, E. A.; DUARTE-ALMEIDA, J. M.; TABACH, R. Assessment of the toxicity of the Brazilian pepper trees Schinus terebinthifolius Raddi (Aroeira-da-praia) and Myracrodruon urundeuva Allemão (Aroeira-do-sertão). Phytother Res. United States, v. 5, n. 27, p. 692-8, 2013. Disponível em : https://doi.org/10.1002/ptr.4767. Acesso em: 04 fev. 2019.

CARVALHO, N. B. V. et al. Ethnopharmacological study of plants sold for therapeutic purposes in public markets in Northeast Brazil. J Ethnopharmacol. United States, v. 172, p. 265-72, 2015.

Disponível em : https://doi.org/10.1016/j.jep.2015.06.022. Acesso em: 04 fev. 2019.

CHEN J. et al. Epigallocatechin-3-gallate attenuates lipopolysaccharide-induced mastitis in rats via suppressing MAPK mediated inflammatory responses and oxidative stress. Int Immunopharmacol. United States, May. v. 1, n. 26, p. 147-52, 2015.

Disponível em : https://doi.org/10.1016/j.intimp.2015.03.025. Acesso em: 04 fev. 2019.

COSTA, C.H. et al. Células inflamatórias e seus mediadores na patogênese da DPOC. Rev. Assoc. Med. Bras. Brasil, v. 3, n. 55, p. 347-54, 2009. Disponível em : http://www.scielo.br/pdf/ramb/v55n3/v55n3a31.pdf. Acesso em: 31 mar. 2019.

CYBORAN, S. et al. Concentrated green tea supplement: biological activity and molecular mechanisms. Life Sci. New England, April., v. 126, p. 100-109, 2015. Disponível em : https://doi.org/10.1016/j.lfs.2014.12.025. Acesso em: 04 fev. 2019.

ESTEVÃO, L.R. et al. Mast cell concentration and skin wound contraction in rats treated with Brazilian pepper essential oil (Schinus terebinthifolius Raddi). Acta Cir Bras., v. 30, n. 4, p. 289-95, 2015. Disponível em : http://dx.doi.org/10.1590/S0102-865020150040000008. Acesso em: 04 fev. 2019.

ESTEVÃO, L. R. et al. Effects of aroeira-do-praia (Schinus terebinthifolius Raddi) oil on cutaneous wound healing in rats. Acta Cir Bras., v. 3, n. 28, p. 202-9, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-86502013000300008. Acesso em: 04 fev. 2019.

FREIRES, I. A. et al. A Randomized Clinical Trial of Schinus terebinthifolius Mouthwash to Treat Biofilm-Induced Gingivitis. Evid Based Complement Alternat Med. Cairo, v. 2013, Article ID 873907, 8 pages, 2013.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1155/2013/873907. Acesso em: 04 fev. 2019.

HRISHI, T. et al. Effect of adjunctive use of green tea dentifrice in periodontitis patients - A Randomized Controlled Pilot Study. Int J Dent Hyg. Sweden, ago., v. 14, n. 3, p. 178-83, 2015. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/idh.12131. Acesso em: 04 fev. 2019.

JESUS, D.; OLIVEIRA, J. R.; OLIVEIRA F. E. et al. “Persea americana Glycolic Extract: In Vitro Study of Antimicrobial Activity against Candida albicans Biofilm and Cytotoxicity Evaluation”. The Scientific World Journal,Cairo, v. 2015, Article ID 531972, p. 1-5, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1155/2015/531972. Acesso em: 04 fev. 2019.

LESSMANN, H. et al. Skin-sensitizing and irritant properties of propyleneglycol. Contact Dermatitis. Singapore. v. 2005, n. 53, p. 247-259, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.0105-1873.2005.00693.x. Acesso em: 04 fev. 2019.

MARINOVIC, M. P.; MORANDI A. C.; OTTON, R. Green tea catechins alone or in combination alter functional parameters of human neutrophils via suppressing the activation of TLR-4/NFκβ p65 signal pathway. Toxicology in Vitro. Netherlands, v 29, p. 1766–1778, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.tiv.2015.07.014. Acesso em: 04 fev. 2019.

OLIVEIRA, J. R. et al. Cytotoxicity of Brazilian plant extracts against oral microorganisms of interest to dentistry. BMC Complement Altern Med. UK, v. 13, n. 208, p. 1-7, 2013. Disponível em: https://doi: 10.1186/1472-6882-13-208. Acesso em: 04 fev. 2019.

OLIVEIRA, J. R. et al. Control of microorganisms of oral health interest with Arctium lappa L. (burdock) extract non-cytotoxic to cell culture of macrophages (RAW 264.7). Arch Oral Biol. UK, v. 59, n. 8, p. 808-14, 2014. Disponível em: https://doi: 10.1016/j.archoralbio.2014.05.013. Acesso em: 04 fev. 2019.

RAMADAN, G. et al. Anti-inflammatory activity of green versus black tea aqueous extract in a rat model of human rheumatoid arthritis. Int J Rheum Dis. Austrália, May., v. 20, p. 203-213, 2015. Disponível em: http://doi: 10.1111/1756-185X.12666. Acesso em: 04 fev. 2019.

RIBAS, M.O. et al. Efect of the Schinus terebinthifolius Raddi in the process of tissular repair in ulcers induced in mucosa oral of the rat. Journal of Dental Sciences, n. 21, p. 245-252, 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1155/2013/873907. Acesso em: 04 fev. 2019.

ROWE, R. C.; SHESKEY, P. J.; WELLER, P. J. Handbook of pharmaceutical excipients. 4. ed. Londres: Pharmaceutical Press, 2003.

SARAIVA, M. E. et al. Plant species as a therapeutic resource in areas of the savanna in the state of Pernambuco, Northeast Brazil. J Ethnopharmacol. South Africa,Aug. v. 171, p. 141-153, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.jep.2015.05.034. Acesso em: 04 fev. 2019.

TANAKA, Y.T. et al. Cynaropicrin from Cynara scolymus L. suppresses photoaging of skin by inhibiting the transcription activity of nuclear factor-kappa B. Bioorg Med Chem Lett. USA, Jan. v. 23, n. 2, p. 518-23, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.bmcl.2012.11.034. Acesso em: 04 fev. 2019.

TONG, H. et al. Macrophage activation induced by the polysaccharides isolated from the roots of Sanguisorba officinalis. Pharm Biol., USA, Out. v. 10, n. 53, p.1511-5, 2015.Disponível em: https://doi.org/10.3109/13880209.2014.991834. Acesso em: 03 mar.2016.

ZAPOLSKA-DOWNAR, D. et al. Protective properties of artichoke (Cynara scolymus) against oxidative stress induced in cultured endothelial cells and monocytes. Life Sci. New England., Nov., v. 71, n. 24, p. 2897-2908, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0024-3205(02)02136-7. Acesso em: 04 fev. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2198

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Univap

 Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos os revisores abaixo entretanto, fica a critério do autor. 

Língua Inglesa - recomendamos o contato cpotraducao.
Língua Espanhola - recomendamos o contato traducao.

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap


Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

 

 

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.

              


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.