UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA: VISÃO DA CRIANÇA SOBRE O PROCESSO DE INTERNAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2205

Palavras-chave:

Criança, hospitalização, unidade de terapia intensiva pediátrica.

Resumo

A internação hospitalar na infância é um acontecimento estressante, pois afasta a criança da rotina familiar e a insere em meio desconhecido, onde sua segurança é frequentemente ameaçada. O presente artigo tem como objetivo conhecer a visão da criança sobre o processo de internação na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Estudo descritivo e exploratório com abordagem qualitativa, desenvolvido com sete crianças escolares de 7 a 12 anos. A técnica de coleta de dados foi a entrevista semiestruturada com questões sobre o motivo da internação e conhecimento sobre a Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Os depoimentos foram analisados utilizando-se a Técnica de Análise de Conteúdo. Após análise das entrevistas realizadas, surgiram as seguintes categorias: conhecimento sobre o motivo de estar no hospital e conhecimento sobre o estar internado na UTI. É possível observar que a criança não faz rodeios, explica sucintamente o motivo de sua internação, é racional e direta. Sua resposta pode ter sido influenciada pelo que seus pais ou outras pessoas com as quais teve contato durante a internação disseram, mas ela tira suas próprias conclusões, formula seu diagnóstico e justifica sua internação. A internação hospitalar e principalmente a admissão da criança na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica são momentos de muita ansiedade e angústia vividos pela própria criança, pelos pais e familiares. De maneira geral, as crianças sabem o que está acontecendo em seus organismos, o porquê de estarem doentes e também compreendem a necessidade da internação para seu total restabelecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Marchi Guerra, Universidade do Vale do Itajaí

Mestre, Professora do Curso de Medicina, Universidade do Vale do Itajaí.

Fabíola Hermes Chesani, Universidade do Vale do Itajaí

Doutora, Professora do Mestrado em Saúde e Gestão do Trabalho e do Curso de Fisioterapia, Universidade do Vale do Itajaí.

Carina Nunes Bossardi, Universidade do Vale do Itajaí

Doutora, Professora do Mestrado em Saúde e Gestão do Trabalho e do Curso de Psicologia, Universidade do Vale do Itajaí.

Referências

AZEVÊDO, A. V. S.; LANÇONI JÚNIOR, A. C.; CREPALDI, M. A. Interação equipe de enfermagem, família, e criança hospitalizada: revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva, v. 22, n. 11, p. 3653 - 3666, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, L. Psicologia Pediátrica: perspectiva desenvolvimentista. 2. ed. Lisboa: Climepsi, 2003.

CALVETTI, P. Ü.; SILVA, L. M.; GAUER, G. J. C. Psicologia da saúde e criança hospitalizada. Psic., São Paulo, v. 9, n. 2, p. 229-234, 2008.

COSTA, T. S.; MORAIS, A. C. Hospitalização Infantil: vivência de crianças a partir de representações gráficas. Rev Enferm UFPE on line, v. 11, supl. 1, p. 358-67, 2017.

COUTINHO, M. O.; LIMA, I. C.; BASTOS, R. A. Terapia do riso como instrumento para o processo de cuidado na ótica dos acadêmicos de enfermagem. ABCS Health Sci., v. 41, n. 3, p. 163-167, 2016.

DELVAL, J. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DOCA, F. N. P.; COSTA JUNIOR, Á. L. Preparação psicológica para admissão hospitalar de crianças: uma breve revisão. Paidéia, v. 17, n. 37, p. 167-179, 2007.

GEQUELIN, J. et al. Percepção de acompanhantes sobre a criança intubada em UTI Pediátrica. Cogitare Enfermagem, v. 19, n. 3, p. 483-490, 2014.

HENRIQUES, D. C.; CAÍRES, F. M. A Criança Hospitalizada: Manual de Orientação aos Pais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Pediatria, 2014. Disponível em: http://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/a-crianca-hospitalizada-manual-de-orientacao-aos-pais/. Acesso em: 3 mar. 2018.

MENEZES, M. A criança e sua rede familiar: significações do processo de hospitalização. 2010. 411p. Tese (Doutorado em Psicologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

MORAIS, G. S. N.; COSTA, S. F. G. Experiência existencial de mães de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Rev Esc Enferm USP. v. 43, n. 3, p. 639-646, 2009.

QUIRINO, D. D.; COLLET, N.; NEVES, A. F. G. B. Hospitalização infantil: concepções da enfermagem acerca da mãe acompanhante. Ver. Gaúcha Enferm., v. 31, n. 2, p. 300-306, 2010.

SANTOS, M. T. N. et al. A relevância da Psicologia no acolhimento da criança em situação de Internação Hospitalar. Ciências humanas e sociais, v. 2, n. 2, p. 149-164, 2014.

SANTOS, P. M. et al. Os cuidados de enfermagem na percepção da criança hospitalizada. Rev. Bras. Enferm., v. 69, n. 4, p. 646-53, 2016.

SILVA, F. A. A. A. et al. Estudo Bibliográfico sobre o uso do Brinquedo Terapêutico na Assistência de Enfermagem à Criança Hospitalizada. COORTE - Revista Científica do Hospital Santa Rosa, v. 3, n. 3, p. 33-39, 2011.

SIMIONI, G. B. et al. A influência do lúdico no processo de hospitalização infantil: a visão do palhaço. Arch. Health Invest., v. 6, n. 1, p. 5-9, 2017.

SOSSELA, C. R.; SAGER, F. A criança e o brinquedo no contexto hospitalar. Rev. SBPH, v. 20, n. 1, p. 17-31, 2017.

XAVIER, D. M. et al. A família revelando-se como um ser de direitos durante a internação hospitalar da criança. Rev. Bras. Enferm., v. 66, n. 6, p. 866-872, 2013.

Downloads

Publicado

2019-12-06

Como Citar

Guerra, C. M., Chesani, F. H., & Bossardi, C. N. (2019). UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA: VISÃO DA CRIANÇA SOBRE O PROCESSO DE INTERNAÇÃO. Revista Univap, 25(48), 176–188. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2205

Edição

Seção

Artigos da edição especial "Vivendo globalmente e agindo localmente - A saúde como tema complexo"