ATIVIDADE OVICIDA DO PRODUTO À BASE DE D-LIMONENO VISANDO AO MANEJO DA BROCA-PEQUENA-DO-TOMATEIRO Neoleucinodes elegantalis, EM CONDIÇÕES DE LABORATÓRIO

Autores

  • Alixelhe Pacheco Damascena Universidade Federal do Espírito Santo
  • Débora Ferreira Melo Fragoso Agronomia/Universidade Federal do Espírito Santo
  • Luana Viana Faria Agronomia/Universidade Federal do Espírito Santo
  • Dirceu Pratissoli Agronomia/Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.810

Palavras-chave:

Eficiência, Insetos-praga, Ação de choque, Ação fisiológica.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi verificar a eficiência de produto à base de d-limoneno visando ao manejo de Neoleucinodes elegantalis na cultura do tomateiro. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado composto por 10 repetições para cada tratamento/bioensaio.  Os parâmetros avaliados, foram submetidos a análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. O efeito ovicida foi obtido nas concentrações de 50, 100 e 200 % do produto, e também ação de choque e ação fisiológica nas concentrações de 100 e 200%. Verificou-se então que a concentração recomendada do produto d-limoneno pelo fabricante é efetiva na atividade ovicida, na ação de choque e na ação fisiológica, auxiliando no manejo de N. elegantalis. Contudo, ao utilizar-se 122,84% da concentração recomendada pelo fabricante, o produto fornece concentração letal de 90% estatisticamente (CL90), sendo este um dado eficaz e desejado no controle de uma praga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alixelhe Pacheco Damascena, Universidade Federal do Espírito Santo

Estudante de Agronomia da UFES

Downloads

Publicado

2017-01-17

Como Citar

Damascena, A. P., Fragoso, D. F. M., Faria, L. V., & Pratissoli, D. (2017). ATIVIDADE OVICIDA DO PRODUTO À BASE DE D-LIMONENO VISANDO AO MANEJO DA BROCA-PEQUENA-DO-TOMATEIRO Neoleucinodes elegantalis, EM CONDIÇÕES DE LABORATÓRIO. Revista Univap, 22(40), 326. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.810