COMPARAÇÃO CLIMÁTICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARAIBUNA E SÃO LUIZ DO PARAITINGA ENTRE 1940-1970

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i58.2645

Palavras-chave:

Thornthwaite, Balanço hídrico, Evapotranspiração, Solo.

Resumo

O uso, controle e monitoramento dos recursos hídricos a cada ano se mostram mais detalhados e importantes para manutenção e proteção das bacias que abastecem a indústria, população e agropecuária. As características geográficas e ambientais de macro e microescala são decisivas para o microclima e disponibilidade hídrica. Para classificar o microclima e balanço hídrico foi utilizado o método de Thornthwaite para as cidades do Vale do Paraíba Paulista: Paraibuna, São José dos Campos e São Luiz do Paraitinga com a entrada de dados de 1940 a 1970. Os municípios estudados são geograficamente próximos, e analisando o uso e ocupação da terra e dados do IBGE encontramos suas características que diferenciam o clima dos municípios, a interferência antropogênica em áreas do município destinadas ao crescimento urbano e populacional, vegetação florestal e a construção da represa Paraibuna/Paraitinga. O objetivo deste trabalho é classificar e apontar possíveis alterações no microclima de cada município, e que foram encontrados microclimas úmidos, porém de subclassificações diferentes, que o uso e ocupação do solo aumentam algumas características naturais como temperatura e armazenamento hídrico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio César Pimenta dos Santos, Universidade do Vale do Paraíba - Univap / Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU

Medalhista de Prata - 20° Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica. 2018/2022 - Graduando de Engenharia Ambiental e Sanitária pela Universidade do Vale do Paraíba - Univap 2019 / Atualmente - Iniciação Científica Voluntaria, Clima e Meteorologia, (UNIVAP/FEAU) - Orientador: Dr. Eduardo Jorge de Brito Bastos 2021/ Atualmente - Bolsista FAPESP do Laboratório de Estudos Socioecológicos e Paisagens - (LESP) - UNIVAP - Orientador: Dr Nathan David.

Eduardo Jorge de Brito Bastos, Universidade do Vale do Paraíba - Univap / Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo - FEAU

Possui graduação em Meteorologia pela Universidade Federal da Paraíba (1979), mestrado em Meteorologia pela Universidade Federal da Paraíba (1986) e doutorado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1994). Atualmente é professor dr 13 da da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Vale do Paraíba Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Meio Ambiente. As principais disciplinas que ministra são: Climatologia e Meteorologia I e II, Mecânica dos Solos, Geotecnia Ambiental, Análise Ambiental e Tecnologias Ambientais, para os cursos de Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo.

Referências

Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico. Hidro Web. Disponível em: https://www.snirh.gov.br/hidroweb. Acesso em: 29 jun 2021.

Blain, G.C. (2009). Considerações estatísticas relativas à oito séries de precipitação pluvial da secretaria de agricultura e abastecimento do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Meteorologia, 24, 12-23.

Camargo, A.P. & Sentelhas, P. C. (1997). Avaliação do desempenho de diferentes métodos de estimativa da evapotranspiração potencial no Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de agrometeorologia, 5 (1) 89-97.

Centeno, J. A. S., Antunes, A. F. B., Trevisan, S. & Correa, F. (2003). Mapeamento de áreas permeáveis usando uma metodologia orientada a regiões e imagens de alta resolução. Revista Brasileira de Cartografia 55(1), 48-56.

Companhia Energética de São Paulo. (2021). Represa Paraibuna/Paraitinga. https://www.cesp.com.br/geracao-de-energia/paraibuna/.

DataGEO. (2021). Sistema ambiental paulista. https://datageo.ambiente.sp.gov.br/app/

DGI INPE. (2022). Limite dos Municípios... Inpe. http://www.dgi.inpe.br/CDSR/.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2003). Banco de dados climáticos do Brasil. https://www.cnpm.embrapa.br/projetos/bdclima/. Embrapa.

Google, Earth Engine. (2021). https://earthengine.google.com/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2020). Censo 2020. https://ibge.gov.br/cidades-e-estados.

NASA. (2021). Landsat 5 | Landsat Science. https://landsat.gsfc.nasa.gov/satellites/landsat-5/

Pivetta, M. (2019). O uso do solo e as mudanças climáticas. Pesquisa FAPESP, (283), 56-59. https://revistapesquisa.fapesp.br/o-uso-do-solo-e-as-mudancas-climaticas/

Projeto MapBiomas (2021). Coleção 6 da Série Anual de Mapas de Uso e Cobertura da Terra do Brasil. https://plataforma.brasil.mapbiomas.org/

Projeto MapBiomas (2022). Mapeamento da Superfície de Água do Brasil Coleção 1. https://plataforma.brasil.mapbiomas.org/agua.

Silva, D. D., Pruski, F. F., Schaefer, C. E. G. R., Amorim, R. S. S. & Paiva, K. W. N. (2005). Efeito da cobertura nas perdas de solo em um Argissolo Vermelho-Amarelo utilizando simulador de chuva. Engenharia Agrícola, 25(2), 409-419.

Thornthwaite, C. W. (1948). An approach towards a rational classification of climate. Geographical Review, 38, 55-94.

Vianello, R. L. & Alves, A. R. (1991). Meteorologia Básica e Aplicações (449 pp). UFV.

Downloads

Publicado

2022-06-24

Como Citar

Santos, J. C. P. dos, & Bastos, E. J. de B. (2022). COMPARAÇÃO CLIMÁTICA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARAIBUNA E SÃO LUIZ DO PARAITINGA ENTRE 1940-1970. Revista Univap, 28(58). https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v28i58.2645

Edição

Seção

Computação Aplicada ao Meio Ambiente