APLICAÇÃO DE ESPECTROSCOPIA NO INFRAVERMELHO: COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE QUANTITATIVA DE ORÉGANO

Vitória Fontes, Douglas Cubas Pereira, Breno Pupin, Kumiko Koibuchi Sakane

Resumo


Desde a antiguidade as ervas aromáticas são utilizadas, não somente para melhorar o sabor e odor em alimentos, mas também para estender o tempo de prateleira com suas propriedades antissépticas. O aumento da utilização das ervas aromáticas na culinária tem sido aprimorado praticamente no mundo todo e principalmente na gastronomia. Entre as ervas mais consumidas no Brasil, o orégano (Origanum vulgare) tem origem mediterrânea e trata-se de uma erva muito aromática, com notas de cânfora, sabor ardido e picante. O presente estudo tem como objetivo analisar quantitativamente e qualitativamente a composição biomolecular das amostras de orégano utilizando técnicas espectroscópicas no infravermelho com transformada de Fourier (FT-IR). Com os resultados, foi possível notar diferenciação na quantidade de lignina, água e lipídio, e a análise multivariada permitiu identificar a similaridade das amostras analisadas. O uso de espectroscopia no infravermelho tem se mostrado uma ótima ferramenta na análise de alimentos, podendo ser aplicada em conjunto com outras técnicas na indústria de alimentos.

Palavras-chave


Espectroscopia no infravermelho; FTIR; orégano; análise multivariada.

Texto completo:

PDF

Referências


BELYUCHENKO, I. S. Cultivated Lands of Kuban and Features of Their Development. International Journal of Environmental and Science Education, v. 11, n. 13, p. 6255-6276, 2016.

BOPP, A. F. The Evolution of Food Preservation and Packaging. In: Chemistry’s Role in Food Production and Sustainability: Past and Present. American Chemical Society, p. 211-228, 2019.

CHEMAT, F. et al. Review of green food processing techniques. Preservation, transformation, and extraction.Innovative Food Science & Emerging Technologies, v. 41, p. 357-377, 2017.

CHEVALLIER, A. Encyclopedia of Herbal Medicine: 550 Herbs and Remedies for Common Ailments. Penguin, 2016.

DALBY, A.; DALBY, R. Gifts of the Gods: a history of food in Greece. [s.l.]: Reaktion Books, 2017.

DAZZI, A.; PRATER, C. B. AFM-IR: technology and applications in nanoscale infrared spectroscopy and chemical imaging. Chemical reviews., v. 117, n. 7, p. 5146-5173, 2017.

DEBRUYNE, S.; DELANGHE. J. R.; SPEECKAERT, M. M. Applications of mid-infrared spectroscopy in the clinical laboratory setting. Critical reviews in clinical laboratory sciences., v. 55, n. 1, p. 1-20, 2018.

DEPCIUCH, J. et al. FTIR analysis of molecular composition changes in hazel pollen from unpolluted and urbanized areas. Aerobiologia, v. 33, n. 1, p. 1-12, 2017.

DEPCIUCH, J. et al. Application of Raman spectroscopy and infrared spectroscopy in the identification of breast cancer. Applied spectroscopy, v. 70, n. 2, p. 251-263, 2016.

DIVEKAR, M. T. et al. Effect of microwave treatment on the cooking and macronutrient qualities of pulses. International Journal of Food Properties, v. 20, n. 2, p. 409-422, 2017.

FORSYTHE, S. J. The microbiology of safe food. [s.l.]: John Wiley & Sons, 2020.

HUSSEIN, R. A.; EL-ANSSARY, A. A. Plants secondary metabolites: the key drivers of the pharmacological actions of medicinal plants. In: BUILDERS, P. F. Herbal Medicine. [s.l]: Intechopen, 2018.

KABAK, B.; DOBSON, A. D. W. Mycotoxins in spices and herbs–An update. Critical reviews in food science and nutrition, v. 57, n. 1, p. 18-34, 2017.

KAPADIYA, D. B. et al. Spices and herbs as a source of natural antioxidants for food. International Journal of Current Microbiology and Applied Sciences, v. 5, n. 7, p. 280-288, 2016.

MINTEGUIAGA, M. et al. FT-IR, FT-Raman, UV–Vis, NMR and structural studies of carquejyl acetate, a distinctive component of the essential oil from Baccharis trimera (less.) DC.(Asteraceae). Journal of Molecular Structure, v. 1177, p. 499-510, 2019.

MORSHEDLOO, M. R. et al. Effect of prolonged water stress on essential oil content, compositions and gene expression patterns of mono-and sesquiterpene synthesis in two oregano (Origanum vulgare L.) subspecies. Plant physiology and biochemistry, v. 111, p. 119-128, 2017.

NIETO, G. Biological activities of three essential oils of the Lamiaceae family. Medicines, v. 4, n. 3, p. 63, 2017.

OLIVA, L. et al. In rats fed high-energy diets, taste, rather than fat content, is the key factor increasing food intake: a comparison of a cafeteria and a lipid-supplemented standard diet. PeerJ, v. 5, p. e3697, 2017.

PINTO, E. O. A. “Ervas aromáticas”, suas contribuições para uma alimentação saudável. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Monografia de especialização, p. 12-13, 2014.

RAJKUMAR, P. et al. Vibrational and electronic spectral analysis of thymol an isomer of carvacrol isolated from Trachyspermum ammi seed: A combined experimental and theoretical study. Chemical Data Collections, v. 15, p. 10-31, 2018.

RENCORET, J. et al. Variability in lignin composition and structure in cell walls of different parts of Macaúba (Acrocomia aculeata) palm fruit. Journal of agricultural and food chemistry, v. 66, n. 1, p. 138-153, 2018.

SELVARAJ, S. et al. Vibrational (FT-IR and FT-Raman), electronic (UV–vis) and quantum chemical investigations on pyrogallol: A study on benzenetriol dimers. Vibrational Spectroscopy, v. 95, p. 16-22, 2018.

SRIVASTAVA, S. et al. Identification and differentiation of insect infested rice grains varieties with FTNIR spectroscopy and hierarchical cluster analysis. Food chemistry, v. 268, p. 402-410, 2018.

STOBART, T. Herbs, Spices & Flavourings. [s.l]: Overlook Books, 2017.

TEIXEIRA, A. M. R. et al. Vibrational spectroscopy study of essential oils from Plectranthus amboinicus Lour. Spreng and Vanillosmopsis arborea Baker. Vibrational Spectroscopy, v. 98, p. 22-29, 2018.

TEJADA, S. et al. Wound healing effects of curcumin: A short review. Current pharmaceutical biotechnology, v. 17, n. 11, p. 1002-1007, 2016.

VAN WYK, B. E.; WINK, M. Medicinal plants of the world. [s.l]: CABI, 2018.

VIVAS, F. E. et al. Elaboration of essential oil from the oregano for medicinal use sheet. International journal of physical sciences and engineering, v. 1, n. 1, p. 81-87, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i51.2451

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Não há limite de autores. Em 2021 irá limitar a 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <http://www1.univap.br/revista/20200812_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

- Os autores deverão enviar uma Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.docx>

- Recomendamos que inclua um documento suplementar indicando três avaliadores com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.