AUMENTO DE COROA CLÍNICA NO SORRISO GENGIVAL – REVISÃO DE LITERATURA

Autores

  • Victória Vianna de Souza Lima Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Karen Rabelo Souza Lima Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Fabio da Silva Matuda Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Renata Amadei Nicolau Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1698

Palavras-chave:

aumento de coroa, sorriso gengival, sonda periodontal, estética gengival

Resumo

Atualmente cada vez mais os padrões de beleza da sociedade têm norteado a estética odontológica. Esta estética tem como fundamento básico a harmonização, não somente pela cor dos elementos dentais, como também da proporção entre os dentes e a altura cervical das margens gengivais. Por meio de um levantamento bibliográfico buscou-se identificar técnicas e indicações de tratamento para o sorriso gengival, a fim de obter resultados estéticos, preservando a saúde bucal do paciente. Observou-se que, para corrigir a exposição excessiva do tecido gengival, técnicas de aumento da exposição da coroa dental e diminuição do volume gengival têm sido propostas. Tais técnicas são conhecidas como cirurgias de aumento de coroa clínica. Contudo, cabe ao profissional realizar um diagnóstico preciso da região a ser tratada, para que a abordagem clínica individualizada e segura possa ser aplicada, proporcionando ao paciente o sorriso esperado, uma melhor condição ao periodonto, sempre buscando a saúde bucal.

                

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victória Vianna de Souza Lima, Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP

odontologia; ciências da saúde.

Karen Rabelo Souza Lima, Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP

odontologia; ciências da saúde.

Downloads

Publicado

2017-05-02

Como Citar

Vianna de Souza Lima, V., Lima, K. R. S., Matuda, F. da S., & Nicolau, R. A. (2017). AUMENTO DE COROA CLÍNICA NO SORRISO GENGIVAL – REVISÃO DE LITERATURA. Revista Univap, 22(40), 851. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1698