RESPIRAÇÃO BASAL DO SOLO SUBMETIDA A DOSES CRESCENTES DE COMPOSTO ORGÂNICO

Autores

  • Kátia Cristina Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista - MG
  • Cleicimar Gomes Costa Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista - MG
  • Vínicius Faúla Aguiar Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista - MG
  • Luiz Carlos Gomes Azevedo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista - MG
  • Alisson José Eufrásio Carvalho Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - Campus São João Evangelista - MG

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.782

Palavras-chave:

atividade microbiana, resíduo orgânico, respiração basal

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a atividade microbiana, por meio da respiração basal de um solo tratado com diferentes doses de composto orgânico (0,0; 15,15; 30,3; 60,6 e 120 t.ha-1 de matéria seca). O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados. O experimento foi conduzido no IFMG-Campus São João Evangelista-MG. As amostras de solo foram coletadas e levadas ao laboratório para determinação da atividade da biomassa microbiana, sendo umedecidas à capacidade de campo 60%, em seguida acondicionadas em um pote de 500 ml hermeticamente fechado, e incubadas por 72 h com temperatura de 25ºC. Após esse período as amostras foram tituladas com HCl 0,1 mol L-1 até o ponto de viragem (mudança da cor branca para cor rósea), anotando-se o volume gasto. Verificou-se que a taxa de liberação C-CO2 foi crescente em relação às doses de composto aplicadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-11-01

Como Citar

Silva, K. C., Costa, C. G., Aguiar, V. F., Azevedo, L. C. G., & Carvalho, A. J. E. (2016). RESPIRAÇÃO BASAL DO SOLO SUBMETIDA A DOSES CRESCENTES DE COMPOSTO ORGÂNICO. Revista Univap, 22(40), 85. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.782