ASPECTOS DA COMPOSIÇÃO DO BIODIESEL E SUA RELAÇÃO COM A RESISTÊNCIA A CORROSÃO DE LIGAS DE ALUMÍNIO

Susan Melo da Rocha, Elisa Pereira de Carvalho, Nathalia Cerqueira da Silva, Rodrigo França Pacheco, Laerte Soares Filho, Roberta Gaidzinski, Neyda de la Caridad Om Tapanes, Ana Isabel de Carvalho Santana

Resumo


As ligas de alumínio vêm sendo aplicadas na indústria de transporte e automobilística em virtude de propriedades tais como leveza e resistência à corrosão.  Os biocombustíveis estão entre as alternativas avaliadas para substituir os combustíveis fósseis, pois apresentam como vantagem a biodegradabilidade e são provenientes de fontes renováveis. Esse trabalho realizou uma avaliação da resistência a corrosão de ligas de alumínio em biodiesel de soja, com diferentes concentrações de ácido oleico através de ensaios gravimétricos. Observou-se que a taxa de corrosão das ligas em biodiesel de soja puro é mais significativa nas primeiras horas de imersão, e apresenta uma significativa diminuição em tempos mais longos.  Amostras de biodiesel de soja com teor de 20% de ácido oleico aumentaram a corrosão da liga de alumínio 6061 em comparação com amostras imersas em biodiesel puro.


Palavras-chave


Ligas de alumínio; biodiesel; corrosão; ácido oleico; ensaios gravimétricos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALUMICUPPER. Catálogo de Produtos de Alumínio. Disponível em: https://www.alumicopper.com.br/pdf/catalogo_produtos_alumicopper.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

ALVES, S.M.; DUTRA-PEREIRA, F.K.; BICUDO, T.C. Influence of stainless steel corrosion on biodiesel oxidative stability during storage. Fuel. v. 249, p. 73-79, 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO ALUMÍNIO – ABAL. Alumínio brasileiro: soluções para uma vida sustentável /Associação Brasileira do Alumínio – São Paulo: Associação Brasileira do Alumínio, 2017. Disponível em: http://abal.org.br/downloads/publicacoes/aluminio-brasileiro-solucoes-para-uma-vida-sustentavel-port.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

ASTM G1-90, Standard Practice for Preparing, Cleaning, and Evaluation Corrosion Test Specimens. ASTM International, 1990.

ASTM G31-72, Standard Practice for Laboratory Immersion Corrosion Testing of Metals. ASTM International, 2004.

CHANDRAN, D. et al. Investigation of the effects of palm biodiesel dissolved oxygen andconductivity on metal corrosion and elastomer degradation under novel immersion method. Applied Thermal Engineering, v. 104. p. 294-308, 2016.

CHEW, K.V. et al. Corrosion of magnesium and aluminum in palm biodiesel: A comparative evaluation. Energy, v. 57, p. 478-483, 2013.

COMITE EUROPEEN DE NORMALISATION. EN 14104: Fat and Oil Derivatives - Fatty Acid Methyl Esters (FAME), Determination of Acid Value, Berlin: European Committee for Standardization, 2003.

CURSARU, D. L. et al. Degradation of automotive materials upon exposure to sunflower biodiesel. Industrial Crops and Products, v. 54. p. 149-158, 2014.

DEYAB, M. A. et al. Improving the sustainability of biodiesel by controlling the corrosive effects of soybean biodiesel on aluminum alloy 5052 H32 via cardanol. Industrial Crops & Products, v. 130, p. 146-150, 2019.

FAZAL, M. A.; HASEEB, A. S. M. A.; MASJUKI, H. H., Effect of different corrosion inhibitors on the corrosion of cast iron in palm biodiesel. Fuel Processing Technology, v. 92, n. 11, p. 2154-2159, 2011.

FAZAL, M. A. et al. Inhibition study of additives towards the corrosion of ferrous metal in palm biodiesel. Energy Conversion and Management, v. 122, p. 290-297, 2016.

FERNANDES, D. M. et al. Storage stability and corrosive character of stabilised biodiesel exposed to carbon and galvanised steels. Fuel, v. 107. p. 609-614, 2013.

GENTIL, V. Corrosão. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

GU, J. et al. Biodiesel production from palm oil and mixed dimethyl/diethyl carbonate with controllable cold flow properties. Fuel, v. 216, p. 781-786, 2018.

HU, E. et al. Corrosion behaviors of metals in biodiesel from rapeseed oil and methanol. Renewable Energy, v. 37. n. 1. p. 371–378, 2012.

JIN, D. et al. Corrosion behavior of ASTM 1045 mild steel in palm biodiesel. Renewable Energy, v. 81, p. 457-463, 2015.

KOCH, G. et al. Corrosion Costs and Preventive Strategies in the United States. Nace International,n. FHWA-RD-01-156, 2006. Disponível em: https://www.nace.org/uploadedFiles/Publications/ccsupp.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

KOCH, G. et al. International Measures of Prevention, Application, and Economics of Corrosion Technologies Study. Nace International Impact, 2016. Disponível em: http://impact.nace.org/documents/Nace-International-Report.pdf. Acesso em: 15 out. 2019.

KOVÁCS, A. et al. Aspects of storage and corrosion characteristics of biodiesel. Fuel Processing Tecnology, v.134, p. 59-64, 2015.

MARU, M. M. et al. Biodiesel compatibility with carbon steel and HDPE parts. Fuel Processing Tecnology, v.90. n. 9. p. 1175-1182, 2009.

NUNES, L. P. Fundamentos de Resistência à Corrosão. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2007.

OZTURK, F.; TOROS, S.; KILIC, S., Evaluation of tensile properties of 5052 type aluminum-magnesium alloy at warm temperatures. Archives of Materials Science and Engineering, v. 34, n. 2, p. 95-98, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i51.2429

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Não há limite de autores. Em 2021 irá limitar a 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <http://www1.univap.br/revista/20200812_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

- Os autores deverão enviar uma Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.docx>

- Recomendamos que inclua um documento suplementar indicando três avaliadores com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.