VISUALIDADE, MEMÓRIA E SONHO NAS DRAMATURGIAS DE PHILIPPE GENTY

Flávia Ruchdeschel D'ávila, Wagner Francisco Cintra Araujo

Resumo


Philippe Genty é um dramaturgo francês que começou a atuar na década de 60, como marionetista. Mundialmente conhecido por seus espetáculos e por séries televisivas concebidas entre os anos 70 e 80, com o passar do tempo o seu trabalho como marionetista evoluiu para um tipo de teatro que o artista denomina como teatro visual. O teatro visual é um conceito surgido na década de 80 na Europa e, no caso de Philippe Genty, à guisa de uma definição prévia desse termo, podemos afirmar que a marionete deixou de ser o principal elemento de seus espetáculos e que todos os elementos da encenação, inclusive o elemento humano, passaram a contribuir significativamente para a construção das suas novas dramaturgias. Nesses espetáculos o texto – entendido aqui como aquele texto que o ator fala em cena – tem a mesma ou menor importância que os outros elementos expressivos – como a música, a dança, a luz, a matéria, os objetos, os atuantes, o espaço. Assim como a visualidade, a memória e o sonho podem ser considerados materiais expressivos que desempenham significativo papel nas dramaturgias de Philippe Genty e, é acerca desses tópicos, que discorreremos neste artigo.

Palavras-chave


Teatro, memória, sonho, dramaturgia, visualidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.574

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Univap

Revista UniVap é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional, resenhas e revisão de literatura nas diversas áreas do conhecimento científico, sempre a critério de sua Comissão Editorial e de acordo com o formato dos artigos publicados.

<Notas para trabalhos de revisão de literatura>

Recomenda-se que atendam aos requisitos:

- domínio sobre o tema abordado; base para o avanço do conhecimento na área de foco; finalidade de explicar com clareza o tema; respeitar aspectos básicos de construção: relevância e interesse; servir de base para descobrir lacunas e resolvê-las em modelo conceitual propondo encaminhamento de hipóteses ou proposições; focar na teoria e não somente em resultados; incluir nova pesquisa de referências mais recentes; não citar somente o que outros trabalhos fizeram anteriormente.

Itens dessa sessão não receberão DOI e não serão incluídos para indexação da revista.


- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 9 indexadores:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.