“FUTEBOL TAMBÉM É COISA DE MENINA”: UM ESTUDO SOBRE O GÊNERO FEMININO NA ESCOLA

Anilse Maria Picollo Borttolin

Resumo


Neste artigo, apresenta-se um estudo sobre o gênero feminino nas três turmas de sétimas séries do período vespertino da E.E.B. Natálio Vassoler, Forquilhinha (SC), tendo como objetivo identificar e analisar como as meninas são tratadas e como elas reagem perante as oportunidades ou impedimentos nas práticas esportivas, quando o assunto é o futebol na escola. A abordagem teórica vincula-se às reflexões de LOURO (1997), COSTA (2001), SARTORI (2004) e CONNELL (2009), levando em consideração documentos como os PCNs: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental (1998), PCNs: Educação Física (1998), entre outros. Os dados do estudo são compostos por produções textuais escritas, como opiniões relatadas em um breve depoimento pelos meninos e meninas das referidas séries, a partir da leitura, compreensão e discussão do texto “Futebol também é coisa de menina”, do livro didático de Língua Portuguesa do 4º ano do ensino fundamental de Prado e Hülle, uma reportagem publicada pela revista Recreio, da Editora Abril, do mês de maio de 2000. O trabalho permitiu compreender que as relações sexistas nessas turmas reforçam a existência de desigualdade entre os meninos e meninas no espaço esportivo escolar, do qual as meninas ainda se sentem excluídas. Percebem-se diferenças nas funções sociais que vivem e nos quais continuam visualizando os valores construídos socialmente ao longo do tempo.

Palavras-chave: Gênero feminino; Desigualdade; Inclusão; Futebol na Escola.


Palavras-chave


Gênero feminino; Desigualdade; Inclusão; Futebol na Escola.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revunivap.v17i30.27

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Revista UniVap é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional, resenhas e revisão de literatura nas diversas áreas do conhecimento científico, sempre a critério de sua Comissão Editorial e de acordo com o formato dos artigos publicados.

<Notas para trabalhos de revisão de literatura>

Recomenda-se que atendam aos requisitos:

- domínio sobre o tema abordado; base para o avanço do conhecimento na área de foco; finalidade de explicar com clareza o tema; respeitar aspectos básicos de construção: relevância e interesse; servir de base para descobrir lacunas e resolvê-las em modelo conceitual propondo encaminhamento de hipóteses ou proposições; focar na teoria e não somente em resultados; incluir nova pesquisa de referências mais recentes; não citar somente o que outros trabalhos fizeram anteriormente.

Itens dessa sessão não receberão DOI e não serão incluídos para indexação da revista.


- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 9 indexadores:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.