O LUGAR DA MORADIA SOCIAL EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

Daniela das Neves Alvarenga, Paulo Roamano Reschilian

Resumo


Esta pesquisa propõe uma análise inicial sobre o processo de segregação socioespacial nas cidades europeias pós revolução industrial, a partir da localização da moradia operária nos grandes aglomerados do século XIX. A construção da origem da habitação social nas cidades industriais brasileiras foi feita com enfoque na inserção urbana da moradia produzida pela iniciativa privada e pelo Estado, desde os cortiços do início do século XX, passando pela criação dos Institutos de Aposentadoria e Pensões (IAPs), no governo Vargas, e pelo desenvolvimento do Plano Nacional de Habitação e da criação do Banco Nacional de Habitação (BNH) na década de 1960, até os dias atuais, por meio da Política Nacional de Habitação e do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). Por fim, foi feita uma leitura comparativa da localização das vilas operárias nas primeiras fases de indutrialização da cidade de São José dos Campos, com os conjuntos habitacionais produzidos por meio de parcerias com a Caixa Econômica Federal e com a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), culminando nos empreendimentos produzidos no âmbito do MCMV voltado às famílias com renda de 0 a 3 salários mínimos, para fins de análise da inserção urbana da moradia social produzida e reflexão sobre a promoção do direito à cidade.


Palavras-chave


Segregação socioespacial; moradia social; urbanização; PMCMV.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v23i43.1764

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Univap

Revista UniVap é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional, resenhas e revisão de literatura nas diversas áreas do conhecimento científico, sempre a critério de sua Comissão Editorial e de acordo com o formato dos artigos publicados.

<Notas para trabalhos de revisão de literatura>

Recomenda-se que atendam aos requisitos:

- domínio sobre o tema abordado; base para o avanço do conhecimento na área de foco; finalidade de explicar com clareza o tema; respeitar aspectos básicos de construção: relevância e interesse; servir de base para descobrir lacunas e resolvê-las em modelo conceitual propondo encaminhamento de hipóteses ou proposições; focar na teoria e não somente em resultados; incluir nova pesquisa de referências mais recentes; não citar somente o que outros trabalhos fizeram anteriormente.

Itens dessa sessão não receberão DOI e não serão incluídos para indexação da revista.


- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 9 indexadores:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.