AVALIAÇÃO DO USO DE ANTIDEPRESSIVOS E ANSIOLÍTICOS POR ACADÊMICOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

Marla Brenda Pires Coimbra, Renata Aparecida Faria de Araujo, Patricia de Lima Lemos, Lorena Araujo Ribeiro, Helen Cristina Fávero Lisboa

Resumo


Pesquisas evidenciam sintomas depressivos e de ansiedade entre acadêmicos de enfermagem, que mediante expectativas, desafios e incertezas ao longo do curso, ainda convivem com condições estressantes relacionadas ao paciente, sendo frequente nesse momento, o início do uso de psicofármacos. O estudo teve como objetivo avaliar o uso de antidepressivos e ansiolíticos por acadêmicos do curso de Enfermagem. Trata-se de estudo transversal, descritivo e analítico, que utilizou questionário contendo informações sociodemográficas, econômicas e sobre uso de antidepressivos e ansiolíticos. Realizou-se o teste de qui-quadrado de Pearson para verificar associação entre as variáveis utiliza antidepressivos/ansiolíticos e sociodemográficas/econômicas.  Foram entrevistados 79 alunos e destes, 13 (16,4%) afirmaram fazer uso do medicamento. Em relação ao psicofármaco usado, os ansiolíticos foram os mais citados (52,63%), prevalecendo a prescrição por psiquiatra (46,15%), a maioria fazendo uso diário (92,31%), iniciado a medicação após ingresso na Universidade (61,54%) e nunca realizado alteração da dosagem sem consultar o médico (61,54%). Um percentual de 76,92% assegurou ter conhecimento sobre os efeitos adversos e declararam saber que a remoção do medicamento deve ser feita de maneira gradual (84,62%), no entanto 53,85% afirmaram ter interrompido o tratamento em algum momento sem consultar o médico. Na análise bivariada não houve associação entre as variáveis. Verificou-se a necessidade de ações voltadas para o acolhimento e escuta dos acadêmicos da área de enfermagem em relação aos transtornos depressivos e de ansiedade, e quanto ao uso racional e seguro dos psicofármacos, minimizando o sofrimento mental e as consequências do uso indevido dos fármacos.

Palavras-chave


Ansiolíticos; antidepressivos; saúde mental; curso de enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


AMADUCCI, C. M.; MOTA, D. D. F. C.; PIMENTA, C. A. M. Fadiga entre estudantes de graduação em enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem, São Paulo, v. 44, n. 4, p. 1052-1058, 2010.

AQUINO, D. S.; BARROS, J. A. C.; SILVA, M. D. P. A automedicação e os acadêmicos da área de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 5, p. 2533-2538, 2010.

BENER, A.; TEWFIK, I. Prevalence of overweight, obesity, and associated psychological problems in Qatari’s female population. Obesity Reviews, v. 7, p. 139-145, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html, Acesso em: 2 set. 2020

CARLINI, E. A. et al. Drogas psicotrópicas: o que são e como agem. Revista Imesc, v. 3, p. 9-35, 2001.

CHAVES, E. C. L. et al. Anxiety and spirituality in university students: a crosssectional study. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 68, n. 3, p. 444-9, 2015.

CUNHA, M. A. B. et al. Transtornos psiquiátricos menores e procura por cuidados em estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, p. 321-328, set. 2009.

DEHGHAN-NAYERI, N.; ADIB-HAJBAGHERY, M. Effects of progressive relaxation on anxiety and quality of life in female students: A non-randomized controlled trial. Alternat Complement Ther, v. 19, n. 4, p.194-200, 2011.

EISENBERG, D. et al. Mental health service utilization among college students in the United States. J Nerv Ment Dis, v. 199, n. 5, p. 301-8, 2011.

FERNANDES, M. A. et al. Transtornos de ansiedade: vivências de usuários de um ambulatório especializado em saúde mental. Revista de Enfermagem UFPE on line, Recife, v. 11, n. 10, p. 3836-44, out. 2017.

FUREGATO, A. R. F.; SANTOS, J. L. F.; SILVA, E. C. Depression among nursing students associated to their self-esteem, health perception and interest in mental health. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 16, n. 2, p.198-204, 2008.

GONÇALVES, A.; FREITAS, P.; SEQUEIRA, C. Comportamentos Suicidários em Estudantes do Ensino Superior: Factores de Risco e de Protecção. Millenium, v. 40, p. 149‐159, nov. 2011.

GRUBER, J.; MAZON, L. M. A prevalência na utilização de medicamentos psicotrópicos no município de Mafra: um estudo retrospectivo. Saúde e Meio Ambiente: Revista Interdisciplinar, v. 3, n.1, p. 44-50, jul. 2014.

ISTILLI, P. T. et al. Antidepressivos: uso e conhecimento entre estudantes de enfermagem. Revista Latino-Americano de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p.131-139, jun. 2010.

LIMA, M. G. R.; NIETSCHE, E. A.; TEIXEIRA, J. A. Reflexos da formação acadêmica na percepção do morrer e da morte por enfermeiros. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 14, n. 1, p.181-188, jan./mar. 2012.

LOPES, L. M. B.; GRIGOLETO, A. R. L. Uso consciente de psicotrópicos: responsabilidade dos profissionais da saúde. Brazilian Journal of Health, v. 2, n.1, p. 1-14, jan./abr. 2011.

MARCHI, K. C. et al. Ansiedade e consumo de ansiolíticos entre estudantes de enfermagem de uma universidade pública. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 15, n. 3, p. 731-739, jul./set. 2013.

MELINCAVAGE, S. M. Student nurses' experiences of anxiety in the clinical setting. Nurse Educ Today, v. 31, n. 8, p. 785-789, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Mapa do Progresso de 2012. Nova York: Divisão de Estatística do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais; 2012.

ORLANDI, P.; NOTO, A. R. Uso indevido de benzodiazepínicos: um estudo com informantes-chave no município de São Paulo. Revista Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, p. 896-902, out. 2005.

ORTEGA-PÉREZ, C. A.; COSTA-JÚNIOR, M. L.; VASTERS, G. P. Perfil epidemiológico de la drogadicción en estudiantes universitários. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, p. 665-672, jun. 2011.

PEUKER, A. C.; FOGAÇA, J.; BIZARRO, L. Expectativas e beber problemático entre universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22, n. 2, p. 193-200, 2006.

PICOLOTTO, E. et al. Prevalence and factor associated with psychoactives substances consumption for academics of Nursing of the University of Passo Fundo. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 645-654, 2010.

RIBEIRO, A. G. et al. Antidepressivos: uso, adesão e conhecimento entre estudantes de medicina. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 6, p. 1825-1833, 2014.

ROCHA, B. S.; WERLANG, M. C. Psicofármacos na Estratégia Saúde da Família: perfil de utilização, acesso e estratégias para a promoção do uso racional. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 11, p. 3291-3300, nov. 2013.

SAKAE, T. M.; PADÃO, D. L.; JORNADA, L. K. Sintomas depressivos em estudantes da área da saúde em uma Universidade no Sul de Santa Catarina - UNISUL. Revista AMRIGS, v. 54, n. 1, p. 38-43, mai./jun. 2010.

TELES FILHO, P. C. P. T.; PEREIRA JUNIOR, A. D. C. P. Antidepressivos: consumo, orientação e conhecimento entre acadêmicos de enfermagem. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, v. 3, n. 3, p. 829-836, set./dez. 2013.

THIENGO, D. L.; CAVALCANTE, M. T.; LOVISI, G.M. Prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes e fatores associados: uma revisão sistemática. J Bras Psiquiatr. Rio de Janeiro, v. 63, n. 4, p. 360-372, out./dez. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v27i53.2516

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Limite de 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <www1.univap.br/revista/20201215_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

Declarações a serem enviadas como documento suplementar:


Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.doc>

- Declaração de Responsabilidade por tradução de língua inglesa/espanhola

Os autores deverão encaminhar Declaração de Responsabilidade de Tradução de língua inglesa/espanhola assinada por tradutor profissional.
<http://www1.univap.br/revista/Declaracao_traducao_profissional.doc>

Recomendamos o contato cpotraducao. Entretanto, fica a critério do autor. 

- Envio de documento suplementar com Indicação de Avaliadores (três) com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Fontes de indexação da Revista UNIVAP:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.