TRANSGREDINDO AS LÓGICAS DE CUIDADO: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O AMAR E BRINCAR NA PEDIATRIA HOSPITALAR

Bruna Lima Selau, Luiz Fernando Silva Bilibio

Resumo


Este trabalho foi desenvolvido a partir da vivência de uma residente, em um hospital público, no cuidado de crianças vítimas de violência onde o amor e o brincar sempre integraram a composição do tratamento da saúde. O estudo tem como objetivo refletir sobre como o amar e o brincar inseridos na produção do cuidado hospitalar, podem favorecer a humanização desse atendimento às crianças vítimas de violência. As reflexões deste estudo foram construídas a partir do resgate da Política Nacional de Humanização e de aspectos etimológicos do termo humanização, das reflexões filosóficas propostas por Humberto Maturana em sua obra ‘Amar e Brincar: Fundamentos esquecidos do Humano, e dos registros em diário de campo durante o percurso da pesquisa que será compartilhado por meio de um caso. Percebe-se, nesta trajetória, a potência, os desafios e os paradoxos existentes na inserção do amor e do brincar na produção do cuidado em saúde especialmente no contexto hospitalar.


Palavras-chave


Cuidado da criança; hospitalização; humanização da assistência; saúde coletiva; maus-tratos infantis.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, L. V. O. Q. et al. Significado do cuidado às crianças vítimas de violência na ótica dos profissionais de saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 34, n. 4, p. 146-152, 2013.

AZEVEDO, D. M. de et al. O brincar como instrumento terapêutico na visão da equipe de saúde. Ciênc. cuid. saúde, v. 6, n. 3, p. 335-341, 2007.

BILIBIO, L. F. S. Por uma alma dos serviços de saúde para além do bem e do mal: implicações micropolíticas à formação em saúde. 2009. Dissertação (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

BILIBIO, L. F. S. Esquecimento Ativo e práticas corporais em saúde. In: Alex Branco Fraga; Yara Maria de Carvalho; Ivan Marcelo Gomes. (Org.). As práticas corporais no campo da saúde. São Paulo, v. 01, p. 117-138, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar. Brasília: Ministério da Saúde. 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza/SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

FORTES, P. A. C. Ética, direitos dos usuários e políticas de humanização da atenção à saúde. Saúde e Sociedade, v. 13, n. 3, p. 30-35, 2004.

HECHT, B.; SILVA, R. Crianças institucionalizadas: A construção psíquica a partir da privação do vínculo materno. 2009. 20f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

MATURANA, H. R.; VERDEN-ZOLLER, G. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. São Paulo: Palas Athena, 2004.

MERHY, Emerson Elias. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. Hucitec, 2002.

MOTTA, A. B.; ENUMO, S. R. F. Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicologia em estudo, v. 9, n. 1, p. 19-28, 2004.

OLIVEIRA, B. R. G.; COLLET, N.; VIEIRA, C.S. A humanização na assistência à saúde. Rev Latino-am Enfermagem, v.14, n.2, p. 277-284, 2006.

RESTREPO, L. C. O direito à ternura. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

SAGGESE, E. S. R.; MACIEL, M. O brincar na Enfermaria Pediátrica: recreação ou instrumento terapêutico. Pediatria moderna, v. 32, n. 3, p. 290-292, 1996.

SOUSA, Ana Maria Borges de. O sentido institucional de acolher: por uma gestão do cuidado com as crianças. In: SOUSA, Ana Maria B.; VIEIRA, Alexandre; LIMA, Patrícia de Moraes. Ética e Gestão do Cuidado: a infância em contextos de violências. Florianópolis: CED/UFSC/Núcleo Vida e Cuidado-NUP, 2006.

UNESCO. Declaração Universal dos Diretios Humanos. Brasília, 1998. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139423 Acesso em: 14 mar. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2220

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Univap

Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.