FITOTOXICIDADE DO P. glaucum, EM DIFERENTES DOSES DE SULFENTRAZONE, APÓS REMEDIAÇÃO DE C. juncea

Autores

  • Ana Carolina Roos Pinheiro Universidade Federal do Espírito Santo
  • Esequiel Santos Universidade Federal do Espírito Santo
  • Benedicto Barbosa Netto Universidade Federal do Espírito Santo
  • João Carlos Madalão Universidade Federal do Espírito Santo
  • Amanda Duim Ferreira Universidade Federal do Espírito Santo
  • Fabio Ribeiro Pires Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.650

Palavras-chave:

Pennisetum glaucum, Crotalaria juncea, bioindicador, sulfentrazone, fitotoxicidade.

Resumo

Os herbicidas com elevado período residual, podem vir a provocar danos às espécies subsequentes, que apresentem sensibilidade a esses compostos. O objetivo foi avaliar o grau de fitotoxicidade do P. glaucum, após remediação da C. juncea. Cultivaram-se plantas de C. juncea em vasos até seu florescimento, aonde procederam-se a separação do solo rizoférico (previamente cultivado) e solo não rizosférico (não cultivado). Os tratamentos foram compostos pela combinação entre dois tipos de solo e quatro níveis de contaminação pelo sulfentrazone, disposto em esquema fatorial 2x4, após período de incubação, realizou-se a semeadura do P. glaucum. Notou-se melhor desenvolvimento e estabelecimento da planta bioindicadora em solos previamente cultivados, especialmente na dose de 200 g ha-1, enquanto para o solo não cultivado, o nível de fitotoxicidade de 100%. Após avaliação, observou-se a eficiência na remediação do composto pela C. juncea e a sensibilidade do P. glaucum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Roos Pinheiro, Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de ciencias agrarias e biologicas. Agronomia

Downloads

Publicado

2016-12-12

Como Citar

Pinheiro, A. C. R., Santos, E., Netto, B. B., Madalão, J. C., Ferreira, A. D., & Pires, F. R. (2016). FITOTOXICIDADE DO P. glaucum, EM DIFERENTES DOSES DE SULFENTRAZONE, APÓS REMEDIAÇÃO DE C. juncea. Revista Univap, 22(40), 222. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.650