ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ENERGÉTICA BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE CAL E GESSO, VIDREIRO E NÃO ENERGO-INTENSIVOS

Luiz Moreira Coelho Junior, Filipe Vanderlei Alencar, Edvaldo Pereira Santos Júnior

Resumo


A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) constitui o segmento de “Outras Indústrias” na matriz energética brasileira com os setores de cal e gesso, vidreiro e não energo-intensivos. Este artigo analisou a concentração energética do setor brasileiro de outras indústrias (SBOI), de 1970 a 2016. As informações foram extraídas do Balanço Energético Nacional (BEN) da EPE. A concentração energética foi determinada pelos indicadores: Razão de concentração [CR(p)], Índice de Hirschman - Herfindahl (HHI), Índice de Theil (E) e índice de Gini (G). Os resultados apresentaram que o consumo energético do SBOI teve um crescimento médio de 3,59% a.a.De 1970 até 1982, o Óleo Combustível teve como principal fonte energética e foi substituída pela eletricidade a partir de 1983, devido ao tamanho das firmas e a disponibilidade de outras fontes de energia. A demanda por gás natural (1995 a 2016) cresceu 5,66% a.a., principalmente, em função dos incentivos no segmento vidreiro. O CR(p) mostrou-se altamente concentrada por meio dos valores médios de CR(1) de 47,69%, CR(2) de 70,54% e CR(4) de 91,51%.O HHI inferiu como muito concentrada e o E corroborou com essas análises. O G mostrou tendência de concentração com desigualdade médio a forte para muito forte. Conclui-se que o SBOI é concentrado na sua demanda energética.


Palavras-chave


Economia da energia; matriz energética; indicadores de concentração.

Texto completo:

PDF

Referências


BAIN, J. Industrial Organization. New York: J. Wiley, 1959. 274 p.

BAJAY, S. V.; LEITE, A. A. F.; GORLA, F. D. Oportunidades de Eficiência para Indústria: Relatório Setorial: Setor Vidreiro. Brasília: CNI, 2010a. 56 p. (Relatório 16). Disponível em: http://www.procelinfo.com.br/services/DocumentManagement/FileDownload.EZTSvc.asp?DocumentID={BAE14851-2D4F-416F-8840-D29251309AE7}&ServiceInstUID={5E202C83-F05D-4280-9004-3D59B20BEA4F}. Acesso em: 09 set. 2017.

BAJAY, S. V.; LEITE, Á. A. F.; GORLA, F. D. Oportunidades de Eficiência Energética para a Indústria: Relatório Setorial: não energo-intensivas. Brasília: CNI, 2010b. 53 p. (Relatório 11). Disponível em: http://www.procelinfo.com.br/services/procel-info/Simuladores/DownloadSimulator.asp?DocumentID=%7BAE3F378F%2DC4C5%2D43B9%2DAAB4%2D1438B43DB70C%7D&ServiceInstUID=%7B5E202C83%2DF05D%2D4280%2D9004%2D3D59B20BEA4F%7D. Acesso em: 18 jul. 2016.

BEIRAL, P. R. S.; MORAES, M. A. F. D.; BACCHI, M. R. P. Concentração e poder de mercado na distribuição de etanol combustível: análise sob a ótica da nova organização industrial empírica. Econ. Apl., v. 17, n. 2, p. 251-274, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-80502013000200004. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M. Concentração regional do valor bruto de produção do pinhão no Paraná. Ciência Florestal, v. 26, n. 3, p. 853-861, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/1980509824213. Doi: 10.5902/1980509824213. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M. Concentração regional do valor bruto da produção do abacaxi no Paraná. RAMA - Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 10, p. 1015, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17765/2176-9168.2017v10n4p1015-1028. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M. Concentração regional do valor bruto de produção da banana do Paraná, Brasil (1995 a 2010). Ciência Rural, v. 43, p. 2304-2310, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782013005000137. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M. et al. Análise da concentração energética na indústria química brasileira. Enciclopédia Biosfera, v. 14, p. 1332-1341, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18677/EnciBio_2017B111. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M. et al. Concentração da demanda energética da indústria brasileira de alimentos e bebidas. Enciclopédia Biosfera, v. 27, p. 1, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18677/EnciBio_2018A114. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M.; REZENDE, J. L. P.; OLIVEIRA, A. D. Concentração das exportações mundiais de produtos florestais. Ciência Florestal, v. 23, n. 4, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/1980509812353. Acesso em: 09 set. 2017.

COELHO JUNIOR, L. M.; SANTOS JUNIOR, E. P.; ALENCAR, F. V. Concentração da demanda energética na Indústria Brasileira Têxtil. Engevista (UFF), v. 21, p. 79-92, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.22409/engevista.v21i1.13190. Acesso em: 09 set. 2017.

COSTA, N. L.; SANTANA, A. C. Estudo da concentração de mercado ao longo da cadeia produtiva da soja no Brasil. Revista de Estudos Sociais, v. 16, n. 32, p. 111-135, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.19093/res.v16i32.1853. Acesso em: 09 set. 2017.

CUENCA, M. A. G.; DOMPIERI, M. H. G. Dinâmica espacial da canavicultura e análise dos efeitos sobre o valor bruto da produção, na região dos tabuleiros costeiros da Paraíba, Pernambuco e Alagoas. Revista Econômica do Nordeste, v. 47, n. 4, p. 91-106, 2017. Disponível em: https://ren.emnuvens.com.br/ren/article/view/620/497. Acesso em: 20 de jun. 2017.

EPE - EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2017, Base 2016. Disponível em: https://ben.epe.gov.br/. Acesso: 20 jun. 2017.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE. Nota Técnica DEA 13/14: Demanda de Energia 2050. Rio de Janeiro: EPE, 2014. Disponível em: http://www.epe.gov.br/Estudos/Documents/DEA%2013-14%20Demanda%20de%20Energia%202050.pdf. Acesso em: 02 de out. 2017.

GINI, C. Variabilità e mutabilità. In: PIZETTI, E.; SALVEMINI, T. (ed.). Reprinted in memorie di metodologica statistica. Rome: Libreria Eredi Virgilio Veschi, 1955.

HIRSCHMAN, A. O. The paternity of an index. The American Economic Review, v. 54, n. 5, p. 761-762, 1964.

LUFT, A.; ZILLI, J. B. Concentração de mercado: uma análise para a oferta de crédito pelo setor bancário brasileiro. Revista Teoria e Evidência Econômica, v. 19, n. 41, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5335/rtee.v0i41.3737. Acesso em: 09 set. 2017.

MELO, M. S. M.; MEDINA, P. L. N. Gás Natural: uma análise econômica da demanda focada no setor industrial. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005. Disponível em: http://www.anp.gov.br/CapitalHumano/Arquivos/PRH21/Marcelo-Silva-de-Matos-Melo-e-Pedro-Leonardo-Neves-Medina_PRH21_UFRJ_G.pdf. Acesso em: 20 jul. 2016.

OLIVEIRA, J. C.; SPERB, A. F. N. Análise da evolução da concentração na indústria siderúrgica brasileira entre os anos de 1991 e 2013. Estudos do CEPE, n. 43, p. 84-100, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17058/cepe.v0i43.7626. Acesso em: 09 set. 2017.

PEDROSA JUNIOR, O. A.; CORRÊA, A. C. F. A crise do petróleo e os desafios do pré-sal. Boletim de Conjuntura, n. 2, p. 4-14, 2016. Disponível em: http://www.fgv.br/fgvenergia/oswaldo_pedrosa_petroleo/files/assets/common/downloads/publication.pdf. Acesso em: 22 maio 2017.

POSSAS, M. L. Estruturas de mercado em oligopólio: economia e planejamento. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1999. 191 p.

RESENDE, M.; BOFF, H. Concentração industrial. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002. p. 73-90.

SANTANA, P. H. M.; BAJAY, S. V. New approaches for improving energy efficiency in the Brazilian industry. Energy Reports, v. 2, p. 62-66, 2016. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.egyr.2016.02.001. doi: 10.1016/j.egyr.2016.02.001. Acesso em: 09 set. 2017.

SIMIONI, F. J. et al. Evolução e concentração da produção de lenha e carvão vegetal da silvicultura no Brasil. Ciência Florestal, v. 27, n. 2, p. 731-742, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/1980509827758. Acesso em: 09 set. 2017.

THEIL, H. Economics and information theory. Amsterdam: North-Holland, 1967. 488p.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v26i50.1977

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Não há limite de autores. Em 2021 irá limitar a 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <http://www1.univap.br/revista/20200812_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

- Os autores deverão enviar uma Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.docx>

- Recomendamos que inclua um documento suplementar indicando três avaliadores com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.