UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA: VISÃO DA CRIANÇA SOBRE O PROCESSO DE INTERNAÇÃO

Carolina Marchi Guerra, Fabíola Hermes Chesani, Carina Nunes Bossardi

Resumo


A internação hospitalar na infância é um acontecimento estressante, pois afasta a criança da rotina familiar e a insere em meio desconhecido, onde sua segurança é frequentemente ameaçada. O presente artigo tem como objetivo conhecer a visão da criança sobre o processo de internação na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Estudo descritivo e exploratório com abordagem qualitativa, desenvolvido com sete crianças escolares de 7 a 12 anos. A técnica de coleta de dados foi a entrevista semiestruturada com questões sobre o motivo da internação e conhecimento sobre a Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Os depoimentos foram analisados utilizando-se a Técnica de Análise de Conteúdo. Após análise das entrevistas realizadas, surgiram as seguintes categorias: conhecimento sobre o motivo de estar no hospital e conhecimento sobre o estar internado na UTI. É possível observar que a criança não faz rodeios, explica sucintamente o motivo de sua internação, é racional e direta. Sua resposta pode ter sido influenciada pelo que seus pais ou outras pessoas com as quais teve contato durante a internação disseram, mas ela tira suas próprias conclusões, formula seu diagnóstico e justifica sua internação. A internação hospitalar e principalmente a admissão da criança na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica são momentos de muita ansiedade e angústia vividos pela própria criança, pelos pais e familiares. De maneira geral, as crianças sabem o que está acontecendo em seus organismos, o porquê de estarem doentes e também compreendem a necessidade da internação para seu total restabelecimento.


Palavras-chave


Criança; hospitalização; unidade de terapia intensiva pediátrica.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVÊDO, A. V. S.; LANÇONI JÚNIOR, A. C.; CREPALDI, M. A. Interação equipe de enfermagem, família, e criança hospitalizada: revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva, v. 22, n. 11, p. 3653 - 3666, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, L. Psicologia Pediátrica: perspectiva desenvolvimentista. 2. ed. Lisboa: Climepsi, 2003.

CALVETTI, P. Ü.; SILVA, L. M.; GAUER, G. J. C. Psicologia da saúde e criança hospitalizada. Psic., São Paulo, v. 9, n. 2, p. 229-234, 2008.

COSTA, T. S.; MORAIS, A. C. Hospitalização Infantil: vivência de crianças a partir de representações gráficas. Rev Enferm UFPE on line, v. 11, supl. 1, p. 358-67, 2017.

COUTINHO, M. O.; LIMA, I. C.; BASTOS, R. A. Terapia do riso como instrumento para o processo de cuidado na ótica dos acadêmicos de enfermagem. ABCS Health Sci., v. 41, n. 3, p. 163-167, 2016.

DELVAL, J. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.

DOCA, F. N. P.; COSTA JUNIOR, Á. L. Preparação psicológica para admissão hospitalar de crianças: uma breve revisão. Paidéia, v. 17, n. 37, p. 167-179, 2007.

GEQUELIN, J. et al. Percepção de acompanhantes sobre a criança intubada em UTI Pediátrica. Cogitare Enfermagem, v. 19, n. 3, p. 483-490, 2014.

HENRIQUES, D. C.; CAÍRES, F. M. A Criança Hospitalizada: Manual de Orientação aos Pais. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Pediatria, 2014. Disponível em: http://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/a-crianca-hospitalizada-manual-de-orientacao-aos-pais/. Acesso em: 3 mar. 2018.

MENEZES, M. A criança e sua rede familiar: significações do processo de hospitalização. 2010. 411p. Tese (Doutorado em Psicologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

MORAIS, G. S. N.; COSTA, S. F. G. Experiência existencial de mães de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Rev Esc Enferm USP. v. 43, n. 3, p. 639-646, 2009.

QUIRINO, D. D.; COLLET, N.; NEVES, A. F. G. B. Hospitalização infantil: concepções da enfermagem acerca da mãe acompanhante. Ver. Gaúcha Enferm., v. 31, n. 2, p. 300-306, 2010.

SANTOS, M. T. N. et al. A relevância da Psicologia no acolhimento da criança em situação de Internação Hospitalar. Ciências humanas e sociais, v. 2, n. 2, p. 149-164, 2014.

SANTOS, P. M. et al. Os cuidados de enfermagem na percepção da criança hospitalizada. Rev. Bras. Enferm., v. 69, n. 4, p. 646-53, 2016.

SILVA, F. A. A. A. et al. Estudo Bibliográfico sobre o uso do Brinquedo Terapêutico na Assistência de Enfermagem à Criança Hospitalizada. COORTE - Revista Científica do Hospital Santa Rosa, v. 3, n. 3, p. 33-39, 2011.

SIMIONI, G. B. et al. A influência do lúdico no processo de hospitalização infantil: a visão do palhaço. Arch. Health Invest., v. 6, n. 1, p. 5-9, 2017.

SOSSELA, C. R.; SAGER, F. A criança e o brinquedo no contexto hospitalar. Rev. SBPH, v. 20, n. 1, p. 17-31, 2017.

XAVIER, D. M. et al. A família revelando-se como um ser de direitos durante a internação hospitalar da criança. Rev. Bras. Enferm., v. 66, n. 6, p. 866-872, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v25i48.2205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Univap

A Revista Univap informa que:

- Recebe submissões de artigos em fluxo contínuo;

- Não aceita trabalhos de revisões de literatura;

- Não há limite de autores. Em 2021 irá limitar a 5 autores por trabalhos;

- Consulte as Normas Gerais de Publicação <https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/about/editorialPolicies#custom-2> e o Template <http://www1.univap.br/revista/20200812_Template_Revista_Univap.doc> para formatação do trabalhos;

- Os autores deverão seguir rigorosamente as orientações do Template/Modelo e inserir o número de Orcid nos Metadados da submissão;

- Os autores deverão enviar uma Declaração de Conflito de Interesses que deve ser preenchida, assinada e enviada através do passo 4 do processo de submissão. Portanto, nenhum artigo será publicado na Revista Univap sem o preenchimento desses requisitos. <http://www1.univap.br/revista/Declara_Rev_Univap.docx>

- Recomendamos que inclua um documento suplementar indicando três avaliadores com experiência na área (nome, email, Lattes);

- O prazo médio de avaliação é de 6 meses.


Revista UniVap, e-ISSN 2237-1753, é uma publicação eletrônica (a partir da edição nº 29 passa a ser on-line) editada pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP), que tem o intuito de promover a divulgação de pesquisas e estudos, cumprindo a tríplice missão da universidade, de proporcionar ensino, pesquisa e extensão de modo indissociável. Esta publicação incentiva as pesquisas e procura o envolvimento de seus professores e alunos em pesquisas e cogitações de interesse social, educacional, científico ou tecnológico. Aceita artigos originais, não publicados anteriormente, de seus docentes, discentes, bem como de autores da comunidade científica nacional e internacional. Publica artigos, notas científicas, relatos de pesquisa, estudos teóricos, relatos de experiência profissional e resenhas.

- ACESSO ÀS NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS NA REVISTA UNIVAP

- FLUXOGRAMA DO PROCESSO EDITORIAL


O endereço da revista é http://revista.univap.br/index.php/revistaunivap

 

Atualmente, a Revista UNIVAP possui 7 indexadores e 1 diretório:

O Índice de Citações da Revista UNIVAP está disponível por intermédio do Google Acadêmico <https://scholar.google.com.br/citations?user=tmYYoVwAAAAJ&hl=pt-BR>.