A CIDADE MODERNA: HISTÓRIA, MEMÓRIA E LITERATURA - PARIS, BELO-HORIZONTE

Marcia Senra

Resumo


Este artigo faz uma análise descritiva das características da cidade moderna, a partir de textos que a interpretam-na sob a ótica da literatura. São textos que trazem em comum o discurso de um determinado tempo histórico e que falam da representação da cidade moderna que emergia naquele momento. A abordagem do tema, realizada pela interface entre história, memória e literatura, apresenta a cidade como um discurso, discurso este que é uma linguagem. Por meio de uma linguagem poética, metaforizada, mediada pela vivência, pela paixão e pelo desejo de escritores/ leitores que percorreram as ruas das cidades de Paris e de Belo-Horizonte, símbolos da cidade moderna, pode-se entrever a cultura da modernidade. Cultura que é eminentemente urbana e marcada pelas imagens da constante transformação, fugacidade, artificialidade, inautenticidade, contrastes e fragmentação, enfim, imagens ambivalentes.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revunivap.v17i29.13

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

 

 Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP

Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa

Av. Shishima Hifumi, 2911 – Urbanova
12244-000 - São José dos Campos – SP

revista.univap.br-revista@univap.br
Telefone: (12) 3947-1237

 

Licença Creative Commons

Esse trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.