ARQUIVO MORTO OU CENTRO DE HISTÓRIA? UM BREVE ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA DO COTIDIANO ESCOLAR PARA A PESQUISA

Maria Helena Alves da Silva, Maria Aparecida Chaves Ribeiro Papali, Valéria Regina Zanetti

Resumo


Resumo: Embora os documentos sejam percebidos na sua importância legal e institucional ao garantirem um fluxo contínuo de informações, os documentos relacionados ao cotidiano escolar, como planos de aula, diários de classe e cadernos de alunos são muitas vezes os primeiros a serem descartados. Este trabalho tem como objetivo explorar as definições de “Arquivo Morto” e “Centro de Memória”, trabalhando como a documentação história de uma Instituição de Educação como a UNIVAP – Universidade do Vale do Paraíba, precisa ser mantida e preservada em um Centro de História tal como o CEHVAP – Centro de História da UNIVAP, de forma a mantermos o contato histórico com o dia-a-dia das relações e pensamentos de um período. Para escrevermos esse artigo, utilizamos da metodologia de pesquisa de aspecto qualitativo, em que investigamos livros, artigos e documentos históricos relevantes para a nossa temática, utilizando de autores que tratassem sobre o cotidiano escolar, a importância de acervos institucionais e a relevância de tratar sobre o ‘arquivo morto’.


Palavras-chave


Centro de História, Arquivo Morto, Cotidiano Escolar

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.750

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Univap

 

 Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP

Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa

Av. Shishima Hifumi, 2911 – Urbanova
12244-000 - São José dos Campos – SP

revista.univap.br-revista@univap.br
Telefone: (12) 3947-1237

 

Licença Creative Commons

Esse trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.