MULHERES SOLTEIRAS POBRES E A MATERNIDADE NO PÓS-ABOLIÇÃO (SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP/1888)

Sara Carolina Noce Bortoncello, Maria Aparecida Chaves Ribeiro Papali

Resumo


Resumo: Este trabalho tem o objetivo de discutir as condições das mulheres pobres, solteiras, e a sua relação com a maternidade no pós-abolição, com base na analise de processos de tutela de órfãos do ano de 1888, do 2° Cartório de São José dos Campos, SP, situado no Vale do Paraíba Paulista. Para exemplificar a condição da mulher e a questão da maternidade, foi escolhido um processo que se encontra no Arquivo Público Municipal de São José dos Campos, localizado na caixa de número 746 do 2° Cartório Cível da cidade,

A trajetória de vida dessas mulheres pobres, solteiras, que tentam sobreviver em um mundo sem grandes oportunidades mostra um percurso de luta constante pela sua própria sobrevivência e a de seus filhos no cenário do pós-abolição.


Palavras-chave


Pós-abolição, mulher pobre, solteira, maternidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Univap

 

 Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP

Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa

Av. Shishima Hifumi, 2911 – Urbanova
12244-000 - São José dos Campos – SP

revista.univap.br-revista@univap.br
Telefone: (12) 3947-1237

 

Licença Creative Commons

Esse trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.