RELAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E SOMATÓRIO DE DOBRAS CUTÂNEAS COM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE ESCOLARES

Autores

  • Renato Canevari Dutra da Silva Universidade de Rio Verde - UniRV
  • Débora Bernardes Peixoto Universidade de Rio Verde - UniRV
  • Laís Zanutim Pereira Universidade de Rio Verde - UniRV
  • Mônica Maciel Guimarães Universidade de Rio Verde - UniRV
  • Marcelo Gomes Judice Universidade de Rio Verde - UniRV
  • Fernando Duarte Cabral Hospital Municipal Universitário de Rio Verde

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v23i42.415

Palavras-chave:

Adiposidade corporal, adolescentes, composição corporal, exercício físico, medidas antropométricas.

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar possíveis relações entre o índice de massa corpórea (IMC), o somatório de dobras cutâneas (SDC) e o nível de atividade física de estudantes com idade entre 15 e 17 anos. Foi avaliado o nível de atividade física por meio do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) de 1229 adolescentes escolares com média de idade de 15,9 anos (DP = + 0,81), além do IMC e o SDC (tricipital e subescapular). Por intermédio do IPAQ, foi encontrado um percentual de 77,7% de adolescentes ativos e 22,3% de adolescentes insuficientemente ativos. Quanto à avaliação do IMC, a amostra obteve uma média de 21,77 kg/m2, com desvio padrão de +3,63. A rede privada de ensino apresentou uma média maior, estatisticamente significativa (p = 0,011) em relação à rede pública de ensino, no entanto, ambas apresentam-se dentro dos parâmetros de normalidade, em relação à média de idade, conforme os percentis do CDC (2000). Quanto ao SDC, observou-se que a amostra obteve uma média de 31,83 mm, com desvio padrão de ± 12,30, com relação às redes de ensino, nota-se que não houve diferença estatisticamente significativa entre as médias, porém ambas apresentam-se elevadas, de acordo com a classificação de Lohman (1992). Não foi observada relação estatisticamente significativa entre o IMC dos adolescentes e nível de atividade física, no entanto, o SDC é maior nos adolescentes escolares com menor nível de atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Canevari Dutra da Silva, Universidade de Rio Verde - UniRV

Possui graduação em Fisioterapia pelas Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul (2002), Especialização em Fisioterapia Cardiovascular e Respiratória pelo Centro Universitário do Triângulo (2004) e em Terapia Intensiva pela AVM Faculdade Integrada (2016), Mestrado em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (2007). Atualmente é Fisioterapeuta e Coordenador do Serviço de Fisioterapia do Hospital Municipal de Rio Verde, professor das disciplinas Anatomia e Neuroanatomia Humana da UniRV - Universidade de Rio Verde. Tem experiência na área de Fisioterapia com ênfase em Cardiovascular, Respiratória e Terapia Intensiva, atuando principalmente nos seguintes temas: reabilitação pulmonar, doenças graves, obesidade, pediatria e UTI.

Débora Bernardes Peixoto, Universidade de Rio Verde - UniRV

Cursando medicina na Universidade de Rio Verde -GO.

Laís Zanutim Pereira, Universidade de Rio Verde - UniRV

Cursando medicina na Universidade de Rio Verde -GO, monitora de habilidades médicas do laboratório de habilidades médicas (LAHMEDS), diretora de Extensão da Liga Acadêmica de Clínica Médica (LACLIM).

Mônica Maciel Guimarães, Universidade de Rio Verde - UniRV

Cursando medicina na Universidade de Rio Verde -GO

Marcelo Gomes Judice, Universidade de Rio Verde - UniRV

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (1997) e mestrado em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras (2000). Atualmente é Professor Adjunto III da Universidade de Rio Verde. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Estatística Experimental, atuando principalmente nos seguintes temas: coeficiente de variação, precisão experimental, experimentação com animais.

Fernando Duarte Cabral, Hospital Municipal Universitário de Rio Verde

Possui graduação em Fisioterapia pela UNIRV - Universidade de Rio Verde (2007), Especialização em Fisioterapia Hospitalar com Ênfase em Terapia Intensiva pelo CDCS - Centro de Desenvolvimento Científico em Saúde e Social de Goiânia, Pós graduação em Gestão em Serviços de Saúde pelas Faculdades Integradas de Paranaíba (2009). Atualmente é Fisioterapeuta na UTI e Diretor Administrativo do Hospital Municipal de Rio Verde, professor das disciplinas de Fisioterapia Peneumológica, Fisioterapia Cardiológica, Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva, Reeducação Funcional e Exames Complementares, além de Estágio Supervisionado em Fisioterapia Hospitalar e UTI no Instituto de Ensino Superior de Rio Verde-GO (Faculdade Objetivo). Tem experiência como professor universitário, com diversas disciplinas tais como: Metodologia do Ensino Superior, Técnicas de Avaliação, Estudo do Desenvolvimento Humano I e II, Cinesioterapia, Fisiologia do Esforço e Supervisão de estágio em Fisioterapia. Tem experiência na área de Fisioterapia com ênfase em Cardiovascular, Respiratória e Terapia Intensiva, atuando principalmente nos seguintes temas: reabilitação pulmonar, doenças graves, obesidade, pediatria e UTI. 

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

Silva, R. C. D. da, Peixoto, D. B., Pereira, L. Z., Guimarães, M. M., Judice, M. G., & Cabral, F. D. (2017). RELAÇÃO DO ÍNDICE DE MASSA CORPÓREA E SOMATÓRIO DE DOBRAS CUTÂNEAS COM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE ESCOLARES. Revista Univap, 23(42), 73–85. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v23i42.415