DESACELERAÇÃO ECONÔMICA CHINESA: BOLHAS E RECESSÃO

Eduardo Aguiar Henrique Filho, Edna Nunes Gurgel de Albuquerque

Resumo


O presente trabalho pretende mostrar como a expansão de crédito estimulada pelo Banco Central Chinês compactuou severamente para a desaceleração econômica do país, mostrando consequências desta prática monetária, enfatizando o período entre o ano de 2000 a 2016 através de quatro pilares: Bolha Imobiliária, Bolha Especulativa, Endividamento dos Municípios e Capacidade produtiva excessiva. A análise econômica é embasada nos conceitos da Escola Austríaca de Economia, através da Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos (TACE), a qual ensina que recessões e crises econômicas se formam através das seguintes ações da autoridade monetária vigente em determinado território: taxas de juro baixas estimulam a concessão de crédito, aumentando desta forma a oferta monetária. Este aumento leva a um período de crescimento insustentável, em que o dinheiro em excesso procura oportunidades de investimento progressivamente menos rentáveis. Um boom sustentado por uma expansão artificial de crédito leva à uma generalização de maus investimentos.

Palavras-chave


Expansão de crédito; escola austríaca de economia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.627

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Univap

 

 Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP

Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa

Av. Shishima Hifumi, 2911 – Urbanova
12244-000 - São José dos Campos – SP

revista.univap.br-revista@univap.br
Telefone: (12) 3947-1237

 

Licença Creative Commons

Esse trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.