A QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO E A EXCLUSIVIDADE DA RECEITA FEDERAL

Autores

  • Brendo Eduardo Araújo Sampaio da Silva Universidade do Vale do Paraíba
  • Ilka Ramos Universidade do Vale do Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1115

Resumo

O presente artigo propõe analisar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a exclusividade da Receita Federal em relação à quebra do sigilo bancário, abordando a sua aplicabilidade e de que forma será repercutido no ordenamento jurídico, já que confronta leis e direitos constitucionais. Objetiva-se questionar a recente decisão do STF em sua constitucionalidade e interferência no meio jurídico. Como resultado obteve-se que as consequências desta decisão acarretaram violações aos direitos fundamentais constitucionais e facilitou a tributação do fisco. Discutiu-se que a Receita Federal, a partir da decisão do STF poderá obter dados sigilosos de qualquer indivíduo mediante apenas pedido direto aos Bancos, sem qualquer justificativa. Conclui-se que a decisão emanada do STF, conforme intenta-se questionar neste artigo, é inconstitucional, pois fere o direito individual de proteção a dados sigilosos, a inviolabilidade da intimidade e da vida privada, para conceder ao Fisco a exclusividade de obter dados sem a autorização judicial e sem o consentimento pessoal do violado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-02-09

Como Citar

da Silva, B. E. A. S., & Ramos, I. (2017). A QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO E A EXCLUSIVIDADE DA RECEITA FEDERAL. Revista Univap, 22(40), 513. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1115