EFEITOS TERAPÊUTICOS DO DIODO EMISSOR DE LUZ - LED EM MASTITES LACTACIONAIS

Autores

  • Mônica Cristina Melo Santos Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Secretaria Municipal de Saúde de Caxias (MA) Universidade do Vale do Paraiba-UNIVAP
  • Francisco da Costa Gomes Filho Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Secretaria Municipal de Saúde de Caxias (MA) Universidade do Vale do Paraiba-UNIVAP
  • Renata Amadei Nicolau Universidade do Vale do Paraíba-UNIVAP

DOI:

https://doi.org/10.18066/revunivap.v18i32.75

Palavras-chave:

Terapia Laser de Baixa Intensidade, Mastite, Lasers, Diodo Emissor de Luz, LED.

Resumo

Mastite é o processo inflamatório de um ou mais segmentos da mama, que pode ou não progredir para infecção bacteriana. Suas taxas de ocorrência variam de 4% a 8,5% em todas as lactantes; e, os abscessos mamários em 5% a 11% dos casos, representando incidência de 0,4 a 0,5% de todas as lactantes. O tratamento clínico consiste no combate à infecção e no uso de analgésicos. Dentre as formas terapêuticas utilizadas para alívio da dor está a Terapia a Laser de Baixa Intensidade - TLBI; cuja eficácia na redução dos sintomas álgicos tem sido evidenciada por vários autores em diferentes especialidades; isto porque diversas reações teciduais podem ser obtidas; porém a escolha do comprimento de onda, dosagem e tempo de exposição estão relacionadas com alguns fatores intrínsecos da paciente, como nutrição tecidual e sistêmica, idade, e, sexo; o que justifica as diferentes respostas. O Laser possui propriedades que o diferenciam de outras fontes luminosas: monocromaticidade, coerência e colimação; e, como a resposta celular à fotoestimulação não está associada às suas propriedades específicas, como a coerência, permitiu - se o trabalho com fontes emissoras de luz não coerentes, como os Diodos Emissores de Luz - LEDs - dispositivos mais baratos, de fácil manuseio, e que operam com correntes elétricas relativamente baixas em comparação aos laseres. Poucos trabalhos foram realizados com o LED em reparo tecidual, não se observando o emprego desta ferramenta terapêutica em mastites, sendo, portanto, objeto de estudo desta revisão.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Cristina Melo Santos, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Secretaria Municipal de Saúde de Caxias (MA) Universidade do Vale do Paraiba-UNIVAP

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Estadual da Paraíba (1996). Especialista em Administração dos Serviços de Saúde, em Auditoria dos Serviços de Saúde, e, em Gestão em Saúde. Atualmente é Coordenadora de Programas e Projetos; Enfermeira Auditora, e, Coordenadora da Equipe de Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde de Caxias. Professora do Departamento de Enfermagem do Centro de Estudos Superiores de Caxias da Universidade Estadual do Maranhão; Coordenadora do PET Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde. Mestranda em Bioengenharia pela Universidade do Vale do Paraíba.

Francisco da Costa Gomes Filho, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Secretaria Municipal de Saúde de Caxias (MA) Universidade do Vale do Paraiba-UNIVAP

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Piauí (1985), Residência em Ginecologia e Obstetrícia em 1988. Atualmente é médico da Prefeitura Municipal de Caxias - MA, Coordenador Municipal de Auditoria, e, Médico Assistente em Ginecologia e Obstetrícia,da Prefeitura Municipal de Caxias - MA. Preceptor do PET Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, e ainda mestrando em Bioengenharia.

Renata Amadei Nicolau, Universidade do Vale do Paraíba-UNIVAP

Possui graduação em Odontologia pela Universidade do Vale do Paraíba - Univap (1999), aperfeiçoamento em Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo Facial pela Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas (APCD) e Hospital Municipal de São José dos Campos (2000), mestrado em Engenharia Biomédica pela Univap (2001), estudos avançados em Investigação em Ciências Experimentais Aplicada a Biomedicina (Histologia) - Universitat Rovira i Virgili- URV - Espanha (2003), doutorado em Engenharia Biomédica pela Univap (2004) e doutorado em Ciências Experimentais Aplicada à Biomedicina - URV- Espanha (2005), Habilitação em Laserterapia - CFO (2009). Atualmente é professora pesquisadora da Univap na Faculdade de Ciências da Saúde e Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (programas de Bioengenharia e Engenharia Biomédica). Coord. do Curso de Odontologia. Sócia titular da Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica, da Sociedade Brasileira de Laser e da Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas. Coord. Geral do Centro de Laser em Odontologia - IP&D. Coord. de bolsas CAPES/PROSUP-Univap e Coord. Laboratório de Biomodulação Tecidual e Celular. Consultora tecnológica na área de Engenharia Biomédicas da BIO-M3. Tem experiência na área de Engenharia Biomédica, com ênfase em Laser na Biomedicina e Odontologia, atuando principalmente nos seguintes temas: biomodulação, fototerapia, odontologia, reparação tecidual e diagnóstico.

Downloads

Publicado

2012-12-20

Como Citar

Melo Santos, M. C., Gomes Filho, F. da C., & Nicolau, R. A. (2012). EFEITOS TERAPÊUTICOS DO DIODO EMISSOR DE LUZ - LED EM MASTITES LACTACIONAIS. Revista Univap, 18(32), 42–51. https://doi.org/10.18066/revunivap.v18i32.75