RACISMO PRESENTE NA ANIMAÇÃO “SCRUB ME MAMA WITH A BOGGIE BEAT” DE WALTER LANTZ (1941)

Julio Geraldo Carvalho de Jesus, Davi Alexandre Pistila

Resumo


As Animações são fontes interessantes de serem exploradas pela perspectiva histórica, uma vez que trazem questões impostas pelo contexto da produção e podem ser utilizadas como meio de transmitir conhecimentos e ideologias. O presente artigo faz uma reflexão acerca do tema do racismo nas animações dirigidas e produzidas por Walter Lantz, no ano de 1941, tomando como base o cartoon “Scrube Me Mama with a Boogie Beat”, distribuído pela Universal Studios, e reexibido no ano de 1948. Apesar do racismo presente na obra, não há qualquer menção crítica ao filme, na época em que foi lançado, o que nos permitiu estabelecer um paralelo entre a animação de Lantz e a alegoria do açougue apresentada por Serguei Eisenstein no filme “A greve”. No filme de Eisenstein, a cena final mostra um boi sendo degolado. A violência da cena causou grande impacto na população urbana, mas não impactou da mesma forma os habitantes da zona rural, acostumados com a prática. Da mesma forma, a obra de Lantz, permeada de traços racistas, não causou indignação na população negra, sobretudo por ser comum dentro da sociedade norte americana da época.


Palavras-chave


Cartoon, Racismo; Estereótipos; Negros; História; Walter Lantz.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1554

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Univap

 

 Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP

Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Profa. Dra. Sandra Maria Fonseca da Costa

Av. Shishima Hifumi, 2911 – Urbanova
12244-000 - São José dos Campos – SP

revista.univap.br-revista@univap.br
Telefone: (12) 3947-1237

 

Licença Creative Commons

Esse trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.