ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM JALES, SÃO PAULO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v27i53.2505

Palavras-chave:

HAS, HIPERDIA, pressão arterial sistêmica, controle da hipertensão.

Resumo

A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é uma doença crônica que pode resultar no aparecimento de alterações cardiovasculares, cerebrovasculares e renais, o que a torna um relevante problema de saúde pública. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a adesão ao tratamento de hipertensão arterial por pessoas diagnosticadas no município de Jales, São Paulo. Foi desenvolvido um questionário estruturado sobre tratamento medicamentoso da hipertensão, adoção de cuidados dietéticos e prática de atividade física, e então realizou-se entrevista com 120 hipertensos cadastrados no programa HIPERDIA. Os dados foram dispostos em planilhas e analisados por meio de estatística descritiva. A maioria dos entrevistados (73,3%) eram mulheres, 62,5% casados, com média de idade de 66,5 anos e 70,9% sofriam com a hipertensão há mais de 6 anos. Os principais medicamentos utilizados eram a Losartana, Hidroclorotiazida, Atenolol, Enalapril e Propanolol e, 63,4% dos indivíduos faziam uso da politerapia. Deixaram de tomar a medicação em algum período 22,5% e 10,8% já alteraram a posologia sem indicação médica. Com relação a terapia não medicamentosa, 51,7% afirmaram não fazer restrição alimentar e 81,6% não praticam atividade física. Associar a doença a algum sintoma foi relatado por 30% dos entrevistados e 18,4% acreditam que a HAS tem cura. Concluiu-se que o conhecimento sobre HAS por parte dos pacientes é satisfatório porém, muitos não aderiram ao tratamento. Por isso, o papel dos profissionais de saúde se faz necessário para despertar no paciente a importância do conhecimento de sua patologia, suas possíveis complicações e formas de prevenção e tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Drielle Thainara Perez Paschoa, Universidade Brasil

Discente do Curso de Farmácia pela Universidade Brasil, Campus Fernandópolis desde o ano de 2016. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Farmácia de Manipulação. 

Fernando Aucco Marim, Universidade Brasil

Discente do Curso de Farmácia pela Universidade Brasil, Campus Fernandópolis.

Luiz de Arruda Rolim Filho, Universidade Brasil

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIA DE JABOTICABAL / UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA/l (FCAVJ/UNESP) - 1987, graduação em Farmácia - Fármacos e Medicamentos pela ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS / UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS (EFOA / UNIFAL-MG) - 2002 e mestrado em Farmacologia pela FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS / UNIVESIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (FCM / UNICAMP) - 2005. Farmacêutico. Tem experiência pedagógica nas áreas de Farmacologia, Toxicologia e Fisiologia.

Danila Fernanda Rodrigues Frias, Universidade Brasil

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Brasil (2005), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2008) e doutorado em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2012). Atualmente é professora titular da Universidade Brasil, Campus Fernandópolis. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Medicina Veterinária Preventiva.

Referências

AIOLFI, C. R. et al. Adesão ao uso de medicamentos entre idosos hipertensos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerintologia, v. 18, n. 2, p.397-404, 2015.

ALBUQUERQUE, N. L. S. et al. Associação entre acompanhamento em serviços de saúde e adesão terapêutica anti-hipertensiva. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, n. 6, p.3182-3188, 2018.

ALMEIDA, A. S. de et al. Lifestyle and socioeconomic profile of hypertensive patients. Journal of Nursing, v. 11, n. 12, p. 4826–4837, 2017.

AMARAL, I. L. P. S. et al. Adesão de idosos hipertensos ao tratamento farmacológico. Enfermagem Brasil, v. 18, n. 2, p. 303-313, 2019.

ARAUJO, F. N. F. et al. A efetividade das ações de controle da hipertensão arterial na atenção primária à saúde. Revista Pesquisa em Saúde, v. 17, n. 2, p. 80-86, 2016.

BARBOSA, R. G. B. et al. Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial em idosos com hipertensão. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 99, n. 1, p. 636-641, 2012.

BASTOS-BARBOSA, R. G. et al. Adesão ao Tratamento e Controle da Pressão Arterial em Idosos com Hipertensão. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 99, n. 1, p. 636-641, 2012.

BLANCO, M. S. Prevalência da Hipertensão Arterial Sistêmica em área rural do município de Serra, Espírito Santo. 2014. 20f. Trabalho de conclusão de curso (Especialização) - Universidade do estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à Saúde da Pessoa Idosa e Envelhecimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o sistema único de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2014: uma análise da situação de saúde e das causas externas. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 462 p.

CESARINO, C. B. et al. Prevalência e fatores sociodemográficos em hipertensos de São José do Rio Preto. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 91, n. 1, p. 31-35, 2008.

DOSSE, C. et al. Fatores associados à não adesão dos pacientes ao tratamento de hipertensão arterial. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 17, n. 2, p. 1-8, 2009.

DOURADO, C. S. et al. Adesão ao tratamento de idosos com hipertensão em uma unidade básica de saúde de João Pessoa, Estado da Paraíba. Acta Scientiarum Health Sciences, v. 33, n. 1, p. 9-17, 2011.

ESPERANDIO, E. M. et al. Prevalência e fatores associados à hipertensão arterial em idosos de municípios da Amazônia Legal, MT. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 16, n. 3, p. 481–493, 2013.

FREITAS FILHO, G. A. et al. Avaliação do nível de atividade física em indivíduos portadores de hipertensão arterial sistêmica da unidade de estratégia de saúde da família do município de Acreúna – GO. In: ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 22., ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE PÓS-GRADUAÇÃO, 16., e ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA, 6. São José dos Campos, 2016. Anais..., Universidade do Vale do Paraíba, São José dos campos, 2016, p. 1-6.

FREITAS, J. G. A.; NIELSON, S. E. O.; PORTO, C. C. Adesão ao tratamento farmacológico em idosos hipertensos: uma revisão integrativa da literatura. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v. 13, n. 1, p. 75-84, 2015.

GEWEHR, D. M. et al. Adesão ao tratamento farmacológico da hipertensão arterial na atenção primária à saúde. Saúde em Debate, v. 42, n. 116, p. 179-190, 2018.

GIROTTO, E. et al. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 6, p. 1763-1772, 2013.

GUSMÃO, J. L. et al. Adesão ao tratamento em hipertensão arterial sistólica isolada. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 16, n. 1, p. 38-43, 2009.

JESUS, N. S. et al. Blood pressure treatment adherence after participation in the ReHOT. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 107, n. 5, p. 437-445, 2016.

LESSA, I. Impacto social da não-adesão ao tratamento da hipertensão arterial. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 13, n. 1, p. 39-46, 2006.

LULEBO, A. M. et al. Predictors of non-adherence to antihypertensive medication in Kinshasa, Democratic Republic of Congo: a cross-sectional study. BMC Res Notes, v. 8, p. 526, 2015.

MALACHIAS, M. V. B. et al. VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 107, Suppl. 3, p. 1-82, 2016.

MATA, J. G. F.; GODOI FILHO, M. B.; CESARINO, C. B. Adesão ao tratamento medicamentoso de adultos autorreferidos com diagnóstico de hipertensão. Saúde e Pesquisa, v. 13, n. 1, p. 31-39, 2020.

MELEIS, A. I. Transitions Theory: Middle Range and Situation Specific Theories in Nursing Research and Practice. Springer Publishing Company: New York, 2010.

MOTTA, P. G. et al. Adesão medicamentosa ao tratamento da hipertensão de pacientes do hiperdia em Ipatinga e Timóteo, Minas Gerais. Revista UNINGÁ, v. 40, n. 1, p. 91–103, 2014.

MOURA, B. V.; LOPES, G. S. Orientação farmacêutica de idosos com hipertensão arterial: relação com a adesão e conhecimento da doença. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, v. 1, n. 2, p. 63-78, 2019.

OIGMAN, W. Sinais e sintomas em hipertensão Arterial. Jornal Brasileiro de Medicina, v. 102, n. 5, p. 13-18, 2014.

OLIVEIRA, C. J. Levantamento das características da adesão terapêutica em pessoas com hipertensão arterial na Atenção Primária. In: Ceará. Pesquisa para o SUS Ceará: Coletânea de artigos do PPSUS 4. Fortaleza: Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, 2016. p. 47-61. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/revista_pesquisa_para_sus_ceara_n4.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

PAN, J. et al. Determinants of hypertension treatment adherence among a Chinese population using the therapeutic adherence scale for hypertensive patients. Medicine (Baltimore), v. 98, n. 27, e16116, 2019.

PASSOS, V. M. A.; ASSIS, T. D.; BARRETO, S. M. Hipertensão arterial no Brasil: estimativa de prevalência a partir de estudos de base populacional. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 15, n. 1, p. 35-45, 2006.

PIERIN, AMG. Hipertensão arterial: uma proposta para o cuidar. Barueri: Manole, 2004.

PINHEIRO, C. F.; RODRIGUES, R. L. A. Adesão Terapêutica em Pacientes Hipertensos em uso Medicamentoso. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 12, n. 40, p. 886-896, 2018.

REINERS, A. A. O. et al. Adesão ao tratamento de hipertensos da atenção básica. Revista Ciência, Cuidado e Saúde, v. 11, n. 3, p. 581-587, 2012.

ROCHA, M. L. F.; BORGES, J. W.; MARTINS, M. S. Adesão ao tratamento da hipertensão arterial entre usuários da estratégia de saúde da família em um município do Piauí. APS, v. 20, n. 1, p. 6-20, 2017.

SANTOS, P. P. C. et al. Relação entre a presença dos agentes comunitários de saúde e adesão ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Colloq Vitae, v. 11, n. 1, p. 70-75, 2019.

SCHERR, C.; RIBEIRO, J. P. Gênero, Idade, Nível Social e Fatores de Risco Cardiovascular: Considerações Sobre a Realidade Brasileira. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 93, n. 3, p. 54-56, 2009.

SILVA, E. L. et al. Prevalência da Adesão Terapêutica em Pacientes Hipertensos sob Tratamento Medicamentoso em um Município do Sudoeste Baiano. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 12, n. 42, Supl. 1, p. 749-758, 2018.

SILVA, S. S. B. E.; OLIVEIRA, S. F. S. B.; PIERIN, A. M. G. The control of hypertension in men and women: a comparative analysis. Revista da Escola de enfermagem da USP, v. 50, n. 1, p. 50-58, 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO. Brasil pode ter 80% a mais de hipertensos até 2025, diz pesquisa. 2016. Disponível em: http://www.sbh.org.br/geral/noticias.asp?id=69. Acesso em: 14 nov. 2020.

SOUSA, J. C. L.; LOPES, L. S. Adesão dos pacientes ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Revista Interdisciplinar, v. 7, n. 4, p. 22-29, 2014.

SOUSA, R. de C. et al. Particularities of hypertensive elderly people to medicinal treatment adherence. Journal of Nursing, v. 12, n. 1, p. 216–23, 2018.

TAVARES, D. M. S. et al. Qualidade de vida e adesão ao tratamento farmacológico entre idosos hipertensos. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 69, n. 1, p. 134-141, 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. A global brief on hypertension: Silent killer, global public health crisis. Geneva: Who Press, 2013.

Downloads

Publicado

2021-04-19

Como Citar

Paschoa, D. T. P., Marim, F. A., Rolim Filho, L. de A., & Frias, D. F. R. (2021). ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM JALES, SÃO PAULO. Revista Univap, 27(53). https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v27i53.2505