ANALISE DA VARIAÇÃO DA INTENSIDADE ESPECTRAL DE PROTEÍNA E ÁGUA NA DERME APÓS EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO DE INFRAVERMELHO

Autores

  • Aline Priscila Campos Pereira Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Michely Glenda Pereira da Silva Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Fernanda R. Moraes Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Taciana D. Magrini Alva Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP
  • Airton A. Martin Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP

DOI:

https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1331

Palavras-chave:

Água Corporal, Análise Espectral Raman, Derme, Pele, Radiação.

Resumo

A irradiação da luz infravermelha (IR) diminui o conteúdo de carotenoides, β-caroteno e licopeno, favorece a formação de espécies reativas de oxigênio (ROS) e metalo proteinases de matriz (MMP) influenciando na formação dos radicais livres, diminuição de proteínas e conteúdo hídrico na pele. O objetivo desse estudo foi analisar a variação da intensidade espectral de proteína e água na derme após exposição à irradiação (IR) por meio de doses de 50 e 150 mW. Foram realizadas medidas por meio da técnica de espectroscopia Raman Confocal na região do antebraço. Observou-se em geral diminuição na intensidade do pico de proteína para as duas doses de irradiação, quanto à água não houve diminuição para um participante. Conclui-se que a técnica usada é uma ferramenta imortante para análise das alterações dos arranjos quimicos presentes na pele após irradiação da luz (IR).  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Priscila Campos Pereira, Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP

A irradiação da luz infravermelha diminui o conteúdo de carotenoides, β-caroteno e licopeno, favorece a formação de espécies reativas de oxigênio (ROS) e metalo proteinases de matriz (MMP), com isso influenciando na formação dos radicais livres, diminuição de proteínas e conteúdo hídrico na pele. Diante disto, o objetivo desse estudo é analisar a variação da intensidade espectral de proteína e água na derme após exposição à radiação de infravermelho por meio de doses de 50 e 150 mW. Foram realizadas medidas por meio da técnica de espectroscopia Raman Confocal com laser de excitação 671nm na região do antebraço de participantes com idade de 20 a 40 anos e com fototipo I e II. Observou-se que em geral houve diminuição na intensidade do pico de proteína para as duas doses de irradiação, quanto à água não houve diminuição para um participante. Conclui se que a espectroscopia Raman confocal é uma ferramenta imortante para análise das alterações dos arranjos quimicos presentes na pele após irradiação da luz infravermelha.

Downloads

Publicado

2017-03-16

Como Citar

Pereira, A. P. C., da Silva, M. G. P., Moraes, F. R., Alva, T. D. M., & Martin, A. A. (2017). ANALISE DA VARIAÇÃO DA INTENSIDADE ESPECTRAL DE PROTEÍNA E ÁGUA NA DERME APÓS EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO DE INFRAVERMELHO. Revista Univap, 22(40), 639. https://doi.org/10.18066/revistaunivap.v22i40.1331

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.